A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Remédios constitucionais

Pré-visualização | Página 1 de 2

Mais conteúdos no instagram: @literídica 
 
Conceito: SÃO GARANTIAS 
presentes no art. 5º que servem para 
tutelar um determinado direito quando 
atacado por ilegalidade ou abuso de 
poder. Cada remédio constitucional 
possui um direito objeto, ou seja, um 
direito que ele visa tutelar. 
Um ponto a ser esclarecido nessa 
oportunidade é que direitos não se 
confundem com garantias. Uma vez que 
direitos são bens jurídicos narrados pela 
Constituição Federal, portanto, sua 
natureza é declaratória. As garantias, em 
contrapartida, possuem cunho 
instrumental, pois não possuem u fim em 
si mesma, seu objetivo é fazer um direito 
seguir seu curso natural. Assim, sua 
natureza é assecuratória, ou seja, tem o 
dever de assegurar, garantir. 
Os remédios constitucionais 
poderão ser divididos em judiciais 
(Habeas data, Habeas corpus, mandado 
de injunção individual, mandado de 
injunção coletivo, mandado de 
segurança individual, mandado de 
injunção coletivo e ação popular) e 
administrativos (Direito de informação, 
direito de certidão e direito de posição). 
A diferença entre judicial e 
administrativo está no local que será 
ajuizado o remédio constitucional. 
Assim, se Maria ajuizar um remédio 
injunção no judiciário, ele será judicial. 
Em oposição a isso, se o remédio for 
ajuizado na esfera administrativa ele será 
administrativo. Conseguiu 
compreender? Acredito que sim, afinal, 
ele é simples, fácil e reprovativo. 
Um ponto a ser esclarecido é 
quanto a natureza dos remédios 
constitucionais. Os remédios judiciais 
serão civis, salvo o Habeas Corpus que 
possui natureza penal. Os 
administrativos por sua vez seguem a 
natureza expressa em sua nomenclatura. 
 
Habeas corpus 
O remédio constitucional que 
iniciaremos possui fundamentação legal 
no artigo 5º, inciso LXVIII, da CF: 
“conceder-se-á habeas corpus sempre 
que alguém sofrer ou se achar ameaçado 
de sofrer violência ou coação em sua 
liberdade de locomoção, por ilegalidade 
ou abuso de poder.” 
A história do Habeas Corpus 
inicia-se com João Sem Terra, na 
Inglaterra, por meio da Magna Carta de 
1215. No Brasil sua primeira 
manifestação foi em 1821, através de um 
alvará emitido por Dom Pedro I, 
assegurava a liberdade de locomoção. 
Contudo, a nomenclatura “habeas 
corpus” só apareceria em 1830 no 
Código de Processo Criminal. Somente a 
partir de 1891, permaneceu nas 
Constituições subsequentes, inclusive na 
Constituição de 1988. 
LEGITIMIDADE ATIVA 
 O habeas corpus é universal, 
sendo qualquer do povo, nacional ou 
estrangeiro, independente da capacidade 
civil, política ou profissional, de idade, 
de sexo, profissão, estado mental, tem 
legitimidade para ingressar com habeas 
corpus, em benefício próprio ou alheio. 
As pessoas jurídicas poderão 
impetrar, desde que em benefício de 
terceiro. Lembrando que Ministério 
Público também é legitimado. 
É GRATUITO! Não precisa de 
advogado. 
LEGITIMIDADE PASSIVA 
Será aquele que pratica a coação ou 
ilegalidade do direito de locomoção do 
paciente. 
Normalmente será uma 
autoridade, como magistrados, 
delegados, membros do Tribunal etc. 
Poderá ser impetrado contra atos 
de particulares. Exemplo: médico-
hospitalar. 
Paciente é a pessoa física 
beneficiada pela ordem. Não caberá HC 
em favor de pessoa jurídica. 
Existe alguns tipos de Habeas 
Corpus são eles: 
HC REPRESSIVO: Cabível 
quando já existir, no caso concreto, 
efetivo constrangimento ilegal do 
paciente. Exemplo: na prisão ilegal. 
Nesse caso, o deferimento do HC 
acompanha a determinação judicial de 
expedição de alvará de soltura. 
HC PREVENTIVO: Cabível 
quando existe apenas séria ameaça de 
constrangimento ilegal, que ainda não se 
concretizou. O juiz determina, nessa 
hipótese, a expedição de um salvo-
conduto (art. 660, parágrafo quarto, do 
CPC). 
HC SUSPENSIVO: Cabível 
quando já houver prisão ilegal decretada, 
porém ainda não cumprida. Aqui o juiz 
determina a expedição do 
contramandado de prisão. 
HC PROFILÁTICO: Destinado a 
suspender atos processuais ou impugnar 
medidas que possam importar em prisão 
futura com aparência de legalidade, mas 
que sejam, em verdade, ilegais. 
Nessa senda, destacam-se alguns 
pontos de grande relevância: 
→ O objeto do habeas corpus é o 
DIREITO DE LOCOMOÇÃO. 
→ QUALQUER PESSOA possui 
legitimidade para entrar com tal 
ação. 
→ Não é OBRIGATÓRIO 
CONSTITUIR ADVOGADO, o 
habeas corpus pode ser 
impetrado ser advogado; 
→ Estrangeiro poderá impetrar um 
Habeas corpus, devendo a ação 
estar escrita em LÍNGUA 
PORTUGUESA. 
→ Pessoas jurídicas podem 
impetrar Habeas Corpus para 
BENEFICIAR UM TERCEIRO 
que possua o direito de 
locomoção. 
→ Legitimidade ativa 
UNIVERSAL; 
→ Não cabe Habeas corpus em 
relação a punições disciplinares 
militares; 
→ É GRATUITO 
→ Cabe habeas Corpus preventivo 
nas situações em que o 
indivíduo julgar que terá seu 
direito de locomoção ameaçado. 
 
PROTEGER DIREITO LÍQUIDO E 
CERTO 
O mandado de segurança está 
expresso na CF 88, no artigo 5°, inciso 
LXIX: 
 “conceder-se-á mandado de 
segurança para proteger direito líquido e 
certo, não amparado por "habeas corpus" 
ou "habeas-data", quando o responsável 
pela ilegalidade ou abuso de poder for 
autoridade pública ou agente de pessoa 
jurídica no exercício de atribuições do 
Poder Público”. 
Outra norma que o abordo é a Lei 
nº 12.016/2009, em seu artigo 1°: 
“Conceder-se-á mandado de 
segurança para proteger direito líquido e 
certo, não amparado por habeas corpus 
ou habeas data, sempre que, ilegalmente 
ou com abuso de poder, qualquer pessoa 
física ou jurídica sofrer violação ou 
houver justo receio de sofrê-la por parte 
de autoridade, seja de que categoria for e 
sejam quais forem as funções que 
exerça”. 
OS LEGITIMADOS ATIVOS: a 
parte representa por advogado em seu 
próprio benefício. 
LEGITIMADOS PASSIVOS: 
Ato coator praticado por agente público 
ou por privado investido em função 
pública. 
NÃO É GRATUITO!! 
REQUISITOS: 
→ não caber habeas corpus 
ou habeas data; 
→ ato lesivo de autoridade 
(poder de decisão) 
pública ou privada no 
exercício de atribuições 
do Poder Público; 
→ ilegalidade ou abuso de 
poder; 
→ lesão ou ameaça de lesão; 
→ direito líquido e certo. 
 
ESPÉCIES 
Preventivo: visa afastar uma 
ameaça de lesão ao direito líquido e certo 
do impetrante ou ameaça concreta - não 
há decadência. 
Repressivo: reparar ilegalidade 
(ato vinculado) ou abuso de poder (ato 
discricionário). 
IMPETRANTE: PF ou PJ frente 
a ameaça ou lesão a direito líquido e 
certo por ilegalidade ou abuso do poder 
O mandado de segurança 
coletivo pode ser impetrado por: 
→ partido político COM 
representação no 
Congresso Nacional, na 
defesa de seus interesses 
legítimos relativos a seus 
integrantes ou à 
finalidade partidária; 
→ por organização sindical, 
entidade de classe ou 
associação legalmente 
constituída e em 
funcionamento há, pelo 
menos, 1 (um) ano, em 
defesa de direitos líquidos 
e certos da totalidade, ou 
de parte, dos seus 
membros ou associados, 
na forma dos seus 
estatutos e desde que 
pertinentes às suas 
finalidades, dispensada, 
para tanto, autorização 
especial. 
 
HABEAS DATA 
Art. 5º, LXXII, que será 
concedido habeas data: 
→ a) para assegurar o 
conhecimento de 
informações relativas à 
pessoa do impetrante, 
constantes de registros ou 
bancos de dados de 
entidades 
governamentais ou de 
caráter público; 
→ b) para a retificação de 
dados, quando não se 
prefira fazê-lo por 
processo sigiloso, judicial 
ou administrativo; 
Lei de habeas data: 
complementação de dados. 
• Ação gratuita, Art. 5º, LXXVII, 
CF. Mas precisa de representação por 
ADVOGADO!!! 
Finalidade: garantir acesso, 
retificação e complementação de 
informações constantes de registros ou 
bancos de dados de entidades