A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Resumo de Vulvovaginite

Pré-visualização | Página 5 de 5

incontinência urinária. Sinais de epitélio vaginal pálido, liso e brilhante; perda de elasticidade e turgor da pele; ressecamento dos grandes e pequenos lábios; estenose de introito vaginal; eritema vulvar; petéquias no epitélio; eversão da mucosa uretral; pólipo uretral; equimoses.
* Critérios Diagnósticos:
· pH vaginal > 5.
· Microscopia com solução salina:
· Ausência de parasitas;
· Grande quantidade de polimorfonucleares;
· Presença maciça de células basais e parabasais.
* Tratamento: na maioria dos casos, há melhora com a reposição estrogênica local (estrogênio de uso tópico). No entanto, a quantidade e a duração necessárias para eliminar os sintomas dependem muito do grau de atrofia vaginal e variam entre as pacientes.
abordagem sindrômica do fluxo genital
* Objetivo da abordagem sindrômica nos casos de fluxo genital é melhorar a sensibilidade do diagnóstico das cervicites sem perder os casos de vulvovaginites, principalmente em centros de atendimento primário à saúde.
* Tratamento sindrômico deve ter cobertura para clamídia e gonococo e também tratamento para as vulvovaginites.
* Quando existir suspeita ou presença de pus endocervical, colo friável, dor à mobilização do colo ou presença de algum critério de risco, recomenda-se o tratamento como cervicite (gonorreia e clamídia). Critérios de risco para infecção cervical:
· Parceiro com sintomas.
· Paciente com múltiplos parceiros, sem proteção.
· Paciente exposta à DST.
· Paciente proveniente de áreas de alta prevalência de gonococo e clamídia.