A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Introdução a fisiopatologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Patologia
· Capítulo 1 e 2 Bogliolo. 
· Patologia é o estudo da doença. 
· Agente etiológico: Geram um processo que pode desencadear uma inflamação, é a causa de uma doença. Ex: Corona Vírus é o agente etiológico do Covid. 
· Etiologia: estudo das causas das doenças. 
· Patogênese: Estudo dos mecanismos das doenças, o mecanismo pelo qual o agente etiológico está gerando a doença. 
· Anatomia patológica: Estudo das alterações morfológicas dos tecidos que, em conjunto, recebem o nome de lesões ou doenças. 
· Fisiopatologia: Busca entender as alterações fisiológicas que os órgãos estão sofrendo por conta dessa falta de adaptação (Estudo das alterações funcionais de órgãos e sistemas afetados). 
· Patologia: Etiologia + Patogênese + Alterações morfológicas + Fisiopatologia 
· Medicina: Patologia + Propedêutica 
· Métodos de estudo: estudo morfológico, imuno-histoquimica, cultura celular e técnica de biologia molecular (vários tipos, como o PCR). 
· Exame anatomopatológico: “caracterizar os aspectos morfológicos visíveis a olho nu”, identificação de órgãos, cor, tamanho, peso, consistência e superfícies externa e de corte. 
· Peça cirúrgica: Fixação: formol (formaldeído) – volume 6-10x o do material. 
· Não podemos ficar pinçando o órgão que vai para biopsia, pois tudo isso vai aparecer na biopsia. 
· Substâncias conservantes: Formalina (10%), glutaraldeído, etanol, Bouin. 
· Tempo de fixação: formalina 10% - 8-12 horas. 
· Baixas temperaturas para conservar órgão: congelamento (freezer à -80C ou nitrogênio líquido)
· Depois pegamos a amostra fazemos diversos tratamentos, com álcool e xilol, então essa peça vai ser incluída na parafina e vão para microcortes. 
· Quando precisamos fazer a análise tecidual usamos a imuno-histoquimica, nesse método utilizamos um anticorpo como reagente específico para detectar antígenos presentes nas células/tecidos. 
· Utilizamos um anticorpo primário, e ele vai se ligar ao antígeno, depois fazemos um tratamento com anticorpo secundário, utilizamos o anticorpo secundário, pq geralmente utilizamos reveladores que se ligam ao anticorpo secundário, que dão uma coloração marrom, indicando que há a presença do antígeno que está sendo pesquisado. 
· Imuno-flourescência: A diferença é que não usamos um revelador, mas um composto fluorescente, para isso necessitamos de um microscópio fluorescente, esse microscópio tem um laser, que bate na lâmina e emite uma cor. 
· A imuno-histoquímica é muito mais barato e simples de fazer. 
· Cultura de células: Manutenção e multiplicação das células in vitro, o objetivo é compreender as propriedades e do comportamento biológico das células. Aplicação: estudos de virologia, testes de fase pré-clínico em fármacos, diagnóstico de defeitos enzimáticos, auxilia em diagnóstico. 
· PCR: reação da polimerase em cadeira, replica uma parte específica do DNA. A técnica é quase similar ao processo de replicação das células. 
· A técnica de PCR é muito utilizada para diagnosticar o covid, pois colocamos um anticorpo para covid e se ele se ligar, significa que a pessoa possui covid. 
· Existe o PCR com sequenciamento, tem algumas sequencias especificas que significam que o paciente tem pré-disposição a doenças especificas, como o caso do câncer de mama. 
·