A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Dermatologia Veterinária II

Pré-visualização | Página 1 de 2

03/05 Anatomia Patológica
PATOLOGIAS DA PELE E ANEXOS CUTÂNEOS
II I) DOENÇAS BACTERIANAS
1) PIODERMATITE BACTERIANA SUPERFICIAL
* A principal é a impetigo com inervação de pústulas superficiais, pápulas superficiais e com
isso se torna uma infecção secundaria com origem bacteriana. E acomete mais animais que
tenha qualquer contaminação superficial na pele, o que importante é saber se o processo é
superficial com um infiltrado inflamatório que encontramos muitos neutrófilos, só acomete a
epiderme.
A) IMPETIGO
♦ Cães sexualmente imaturos
♦ Staphylococcus intermedius → ectoparasitas; hipersensibilidade→ endocrinopatias;
distúbios metabólicos e imunológicos
♦MA: pápulas crostosas e/ou eritematosas + pústulas frágeis
♦MI: - epiderme: pústulas (neutrófilos) entre os folículos - espongiose adjacente
2) PIODERMATITE BACTERIANA PROFUNDA
*Quando o processo é mais profundo, chamamos de furúnculo pq qualquer formação em torno
do folículo piloso, glândula sebáceas, abcessos (o furúnculo é um abcesso). Se tem a
cicatrização não tem mais o nascimento de pelo, você destrói o folículo piloso por processo
inflamatório e no local você pode ter escurecimento da pele e encontramos tecido conjuntivo
fibroso nesse tecido devido a cicatrização.
A) FOLICULITE E FURUNCULOSE
♦ furunculose: ruptura folículo piloso → exsudato + agente etiológico
♦ Staphylococcus intermedius; demodicose → pruriginoso
♦ fungos → não pruriginoso
♦MA: pápulas; pústulas; nódulos; crostas
♦MI: infiltrado inflamatório; debris celulares necrosados
II) DOENÇAS FÚNGICAS
1) MICOSE CUTÂNEA
*Existem vários tipos de micoses, e algumas temos que fazer o diagnóstico diferencial.
A) DERMATOFITOSE (TINHA OU TÍNEA)
*A mais simples é a Dermatofitose, ela é superficial normalmente a transmissão é por contato,
ela só atinge a epiderme e as células queratinizadas (estrato córneo), a lesão fica em forma
arredondada as bordas elevadas e quando retiramos os pelos tem erosão e secreções na pele
(exsudato fibroso), na clínica utilizamos como diagnóstico a lâmpada fluorescência que quando
aproximamos da lesão o fungo fica florescente. Se tiver presença de pus, tem infecção
secundária normalmente bactéria que quando se observa na microscopia encontramos
infiltrados de polimorfonucleares.
♦Microsporum; Trichophyton
♦ infecção:
- contato indivíduos infectados; fômites contaminados
- animais⇔ humanos
♦ Infecção células queratinizadas do estrato córneo, pelos e unhas
♦MA:
- pelos quebradiços; alopecia; crostas secas; escamosas
- circunscritas: lesão em anel (ringworm)
- remoção dos pelos: avermelhado; sg
♦MI:
- hiperqueratose; pústulas; infiltrado PMN
♦ diag:
- colorações especiais: identificação fungo (PAS)
* Pode ser feito a lamina por ‘imprint’ e cora com o PAS e consegue visualizar as infas na
superfície da lesão. Se fizer a biopsia vamos encontrar o aumento do extrato córneo porque ela
levará a hiperqueratose.
- lâmpada de wood (fluorescência)
B) DERMATOMICOSE
*Muita gente confunde Malassezia com sarna.
♦Malassezia pachydermatis
♦ Oportunista conduto auditivo externo (otites); reto e vagina
♦ Altamente pruriginosa e resistente glicocorticóides
♦MA:
- eritema variável; descamação gordurosa
- hiperpigmentação (melanodermia); alopecia
2) MICOSE SUBCUTÂNEA
A) ESPOROTRICOSE
* Lesões ulceradas com muita secreção e o exsudato é amarronzado (escuro), encontramos o
fungo em forma de leverduras, e sempre fazer diagnostico diferencial de carcinoma
epidermoide e criptococose.
♦ Sporothrix schenckii
♦ solo; medeira e matéria vegetal em decomposição
♦ incidência: gatos (transmitem para homem); cães e equinos
♦ Gatos: lesões ↑ microrganismos visíveis pelo HE
♦ FORMA CUTÂNEA: (face) nódulos SC simples ou múltiplos; consistência firme (1-5cm), que
tendem a ulcerar, exsudato espesso (vermelhoamarronzado)
♦ FORMA CUTÂNEA-LINFÁTICA: (equinos e cães) nódulos esféricos firmes, disseminação pelos
linfáticos, formando cordões, com nódulos secundários, ulceram → pus acastanhado e espesso
(sem hifas) ewewsrsw2a
♦ FORMA SISTÊMICA: (gato) → lesão disseminada (órgãos)
♦ Animais infectados: manipulados com luvas de borracha e mãos lavadas com fungicida
(povidine ou clorexidine)
♦MI: - dermatite nodular a difusa; granulomatosa - leveduras ovais ou em forma de charuto 3)
MICOSE SISTÊMICA
A) CRIPTOCOCOSE
*Micose sistêmica oportunista por transição. Ela começa pelo sistema respiratório, em gatos
ela pode se apresentar parecido com o esporotricose por isso é importante fazer o diagnostico
diferencial. Forma granuloma (processo crônico) na MI e terá a presença do fungo e ao redor
células inflamatórias mononucleares, principalmente os macrófagos epitelióides e células
gigantes (macrófagos que se fusionam)
♦ Criptococcus neoformans: esterco de aves (pombos)
♦ infecção: inalação
♦ oportunista: animais imunocomprometidos
♦ predomínio: - sistema respiratório e SNC
- Gato: SNC; olhos e pele da cabeça e pescoço
- disseminação hematogência e linfática
♦MA: - nódulos múltiplos indolores; firmes
- crescimento rápido na derme e SC; tamanho variado
- ulceração: exposição superfície granular com escasso exsudato sero
-hemorrágico, que não cicatriza
♦MI: nódulos granulomatosos (MØ; células epitelióides) {Só ver na histopatologia}
♦ diferencial: esporotricose
IV) DOENÇAS ALÉRGICAS
1) ATOPIA OU DERMATITE ATÓPICA
*Hipersensibilidade envolvida TIPO 1: IgE anticorpo que fica na superfície dos mastócitos. O
antígeno se liga e ativa o mastócito, que irá fazer a liberação das glândulas de histamina e essa
liberação vai começar a promover vasodilatação local ou sistêmica, se tem vasodilatação irá
gerar processo inflamatório pelo excesso de sangue nos vasos, ocasionando hiperemia, erosão,
rubor, edema com vazamento de liquido, e crostas (pq ele estará coçando). E quando você coça,
faz atrito que irá aumentar a temperatura do local e o mastócito vai liberar mais histamina. O
ideal é usar gelo pra diminuir a temperatura do local que irá diminuir a liberação de histamina.
♦ Hipersensibilidade tipo I: Ag inalados ou absorvíveis
♦ Liberação de histamina → prurido; VD; edema; eritema
♦ dermatite; piodermatite; hiperpigmentação e seborréia 2ária
♦MI: infiltrados perivasculares (linfócitos; MØ; mastócitos; neut- 2ária)
♦ patas; região periocular; focinho; axilas; virilha
2) HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR * MESMA COISA QUE ATOPIA
♦ Idem atopia
♦ Pápulas eritematosas; pústulas; crostas; erosões (abdômen; axilas)
♦ Inflitrado pp/ eosinófilos e envolvimento derme profunda
3)DERMATITE DE CONTATO
*Mesma coisa que a atopia, porém a hipersensibilidade é a de tipo 4, ele é lento (retardado). O
mais clássico é a alergia da ‘’coleira de pulga’, que o animal começa a coçar e após uma semana
quando o proprietário retira a coleira está tudo avermelhado ele fica praticamente com outra
coleira no local, pois tem alopecia e hiperemia. Pode ser por desinfetante também, mas na
dermatite de contato tudo ocorre mais devagar.
♦ Hipersensibilidade tipo IV (retardada)
♦ Contato dir: subst limpeza; inseticidas; fertilizantes; coleiras pulga
♦ Partes glabras: interdigital; virilhas; axilas; genitália; face; orelhas
♦MA: eritema; pápulas; vesículas; crostas
♦ Exposição crônica: - alopecia; hiperpigmentação; lignificação
- erosões; infecção secundária por lambedura
♦MI: espongiose; vesículas; infiltração epiderme (linfócitos; neutróf)
4) DERMATITE ALÉRGICA INDUZIDA POR PULGAS (DAAP)
* Normalmente a lesão é no dorsolombossacral, e o ferimentos ficam próximo da cauda
porque é onde ele consegue morder. Na microscopia irá encontrar só infecção secundária e não
consegue fechar o diagnóstico.
♦ sensibilidade à saliva da pulga
♦ lesões: - dorsolombossacral; base da cauda; períneo; virilha
- gatos: cabeça e pescoço → generalizar
♦ prurido intenso → traumatismos auto-infligidos
♦MA: - pápulas eritematosas; pústulas; crostas; erosões úmidas
- alopecia → melanodermia e lignificação
♦MI: - infiltrado superficiais perivasculares ou difuso