A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Sistema respiratório

Pré-visualização | Página 1 de 2

Sistema Respiratório – Histologia 
 
Constituição: 
porção condutora de ar, 
porção respiratória - ocorre troca gasosa (bronquíolos respiratórios começam essa porção) 
mecanismo de ventilação 
 
Porção condutora do ar 
Cavidade oral - menor umedecimento e aquecimento e filtragem do ar 
Nariz 
Fossas nasais e seios paranasais 
Faringe 
Laringe 
Traqueia 
Brônquios 
Bronquíolos terminais 
 
Porção respiratória (presença de alguns alvéolos em cada estrutura) 
Bronquíolos respiratórios 
Ductos alveolares 
Sacos alveolares 
Alvéolos 
 
Epitélio respiratório 
Sofre variação do componente epitelial acordo com a sua localização no sistema 
 
Fossas nasais 
Vestíbulo, 
Área respiratória, 
Área olfatória: 
 Epitélio olfatório, 
 Célula de sustentação, 
 
 
 Células olfatórias (Neurônios bipolares com pêlos olfatórios na extremidade – captam 
 odor) 
 Células basais 
 Glândulas de Bownmann (lâmina própria) 
 
Entrada do ar no sistema na fossa Nasal 
Entrada do ar ocorre pelas narinas (vestíbulo nasal) 
Ar passa pelos pêlos do nariz - vibrissas (primeiro filtro) 
Dentro do vestíbulo temos epitélio pavimentoso não queratinizado, este tecido vai ter uma 
substancia lipídica na sua superfície (gl. sebáceas) 
O ar segue para a área respiratória (superior a ela temos a área olfatória) passando entre os 
de cornetos/conchas que umedece e aquece o ar, devido presença de uma rede de capilares 
(aporte sanguíneo) 
Na região dos cornetos vamos ter um epitélio pseudoestratificado cilíndrico e ciliado 
Na área olfatória temos epitélio pseudoestratificado altamente especializado constituído por 
células de sustentação, células basais, além de células sensoriais (receptores olfatórios – 
neurônio bipolar com pêlos olfatórios na região apical) 
O ducto da glândula olfatória (Bowmann) que produz substância fluida que lubrifica e limpa os 
pêlos olfatórios. Por isso não passamos muito tempo sentindo um cheiro, devido a produção 
contínua do fluido liberado que limpa os pêlos. 
Os neurônios atravessam a placa cribiforme e chega até o bulbo olfatório 
 
Seios paranasais 
estruturas ocas e repletas de ar revestidas por um epitélio pseudoestratificado cilíndrico 
ciliados com células caliciformes. Quando ocorre doença acaba ocorrendo a grande produção 
de muco nessa região (sinusite) 
 
Faringe 
Tem a função de receber o ar que chega da cavidade nasal e passá-lo para a laringe 
Nasofaringe - porção inicial da faringe temos aqui o contato com o sistema auditivo pelo 
orifício da trompa de Eustáquio, também é revestido pelo mesmo epitélio da área respiratória 
Orofaringe- mesmo epitélio da cavidade oral 
Laringofaringe 
 
 
 
 
Laringe 
É uma estrutura tubular oca repleta com uma serie de cartilagem elástica e hialina 
Função: conduz ar, emissão da voz 
Presença de epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado na porção dorsal e 
ponta de epiglote além de revestir as pregas vocais verdadeiras; 
As demais regiões são revestidas por epitélio pseudoestratificado cilíndrico 
ciliado com células caliciformes; 
Função dos cílios para remover partículas por meio de seu movimento para a cavidade 
oral ou nasal e células mucosas umedecem o epitélio e aprisionam partículas. 
 
Traqueia 
Possui apenas cartilagem hialina, sendo uma estrutura tubular com anéis cartilaginosos 
empilhados em forma de C, a área não cartilaginosa forma a membrana fibromuscular (músculo 
e tecido conjuntivo propriamente dito). 
 
 
Camadas da traqueia: 
 camada mucosa 
 Interna que faz contato com o ar, 
 Epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes, 
 Lâmina própria de TC com gl traqueais (muco). 
 
 camada submucosa- grande quantidade de gl tranqueais (ácinos serosos) 
 camada cartilaginosa – hialina em forma de C 
 camada adventícia 
 mais externa, 
 tecido conjuntivo propriamente, 
 dependendo da região também temos o tecido adiposo 
OBS: o anel cartilaginoso evita que o lúmen se feche, traqueia bifurca e em seguida temos os 
brônquios. 
 
Brônquios 
Camada dos brônquios 
Camada mucosa, muscular (mm liso), submucosa, cartilaginosa (hialina descontínua) e 
adventícia. 
brônquios primários/extrapulmonar seria uma traqueia de lúmen menor, se ramificam e se 
tornam brônquios secundários/lobares/intrapulmonares, em seguida intensa ramificação que 
origina a árvore brônquica e responsável pela condução e porção respiratória, neles temos 
camada interna, camada muscular (mm liso), camada submucosa TC e presença de gl 
brônquicas, camada de cartilagem (fragmentos). 
 
Bronquíolos 
bronquíolos - diâmetro pequeno, se ramifica e torna-se o bronquíolo terminal, depois 
bronquíolos respiratórios – presença de alvéolos e ducto alveolar 
 
OBS: Não apresenta cartilagem. 
 
Camada dos bronquíolos 
Mucosa, muscular, adventícia. 
 
Tipos de bronquíolos 
Terminais- presença de células de clara em maior quantidade e em forma de cúpula na porção 
apical, com a presença de grânulos, produz substância lipoprotéica com ação na lubrificação 
desse epitélio e proteção, está presente nos bronquíolos, mas não são exclusivas, em grande 
quantidade só nos bronquíolos terminais 
Bronquíolos Respiratórios- apresenta porção de epitélio contínuo, e descontinuidade causada 
pelos alvéolos compondo sua parede, já ocorre troca gasosa nessa porção. Temos camadas 
mucosa, muscular e camada adventícia. 
 
bronquíolos propriamente dito-> bronquíolos terminais -> bronquíolos respiratórios (1° 
porção da zona respiratória) -> ductos alveolares (bronquíolos resp, mas é cilíndrico) -> 
alvéolos 
OBS: do bronquíolo terminal até o respiratório temos uma zona de transição com áreas de 
tecido pavimentoso simples parecendo com um alvéolo. 
Ductos alveolares 
Estruturas em forma de túbulo que possui suas paredes formadas por alvéolos, também atua na 
hematose e condução do ar. 
Saco alveolar 
Conjunto de alvéolos na extremidade dos bronquíolos. 
Alvéolos 
Septos alveolares- composto por fibras de colágeno, reticulares(faz o alvéolo não estourar ao 
crescer) e elástica(faz o alvéolo poder aumentar e reduzir seu volume/tamanho), apresentando 
grande quantidade de capilares. Ricos em capilares do tipo contínuo. 
Poros alveolares – comunicação entre os alvéolos. 
 
 
Pneumócitos I – função relacionada ao revestimento epitelial, serve como barreira para a 
passagem desse ar (mais achatado) 
Pneumócitos II – produz surfactante pulmonar e serve como célula de reserva podendo dar 
origem a novos Pneumócitos I e II. (mais redondo). Tem a mesma função da substância 
produzida pelas células de clara, vai ter a função de umedecer o epitélio evitando o 
ressecamento, faz material para ser liberado, ajuda no processo de trocas gasosa e também atua 
como célula de reserva. 
 
Células de poeira- macrófagos presentes nos septos alveolares ou no interior dos alvéolos 
 
Asma- edema na parede dos bronquiolos que faz a redução do lúmen e excesso de muco é 
produzido devido a produção pelas células de clara e as células alveolares tipo dois ou 
Pneumócitos tipo dois. 
 
Pneumonia - alteração da fisiológica dos alvéolos que irão ser depósitos dessas bactérias e vírus, 
sendo detectados pelas células de defesa que detectam a estrutura e chamam mais células 
inflamatórias naquela região, necessitam de mais sangue na região, ocorre estímulo para as 
células alveolares tipo 2 produzir mais surfactante e leva ao acúmulo de líquidos no alvéolo, 
reduzindo então a área de trocas gasosas. 
 
Covid-19: o vírus se liga ao pneumócito um ou dois e utiliza a célula como um cavalo de tróia se 
multiplicando dentro dela e destruindo o pneumócito, liberando uma série de vírus nos alvéolos, 
logo os macrófagos alveolares detectam o vírus e mais células inflamatórias são recrutadas. 
Ocorre uma super produção de citotoxinas, chegada muito grande de celulas inflamatórias pra 
tentar destruir o vírus,