A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Medidas de Controle

Pré-visualização | Página 1 de 1

Medidas de Controle 
-PROFILAXIA SECUNDÁRIA: Quando o agente já esta sendo localizado naquele local/indivíduo. 
Isolamento: Isolar o indivíduo para que ele não seja um agente transmissor do patógeno. Deve ser feita num local adequado e ficará neste local pelo período mínimo de transmissão da doença. 
Desinfecção: Necessidade de destruir o agente do ambiente, utilizando produtos químicos e físicos, limpando as instalações, retirando excretas e certos materiais biológicos do animal infectado. Importante fazer rodizio de desinfetantes para evitar a resistência microbiana, e também escolher os que tenham ação prolongada por horas ou até dias.
Interdição: Em alguns casos é necessária a interdição da área, por cordão sanitário, isolamento dos animais, e evitando entrada e saída de animais e subprodutos. Facilita a destruição do agente e adoção de medidas de tratamento.
Notificação: Importante para que os órgãos locais, municipais, estaduais e até federais, tenham dados sobre as doenças que atingem certo local. Auxilia na criação/ mudança nas medidas e programas de saúde. É aplicada nas doenças de notificação obrigatória.
Doenças de notificação imediata: Notificar em até 24hrs após o diagnóstico. 
EX.: Febre aftosa, anemia infecciosa equina, mormo, peste suína... 
Destruição de cadáveres: acaba com a fonte de infecção, não podendo ser enterrados de qualquer maneira para não contaminar o solo, ou lençóis freáticos.
1.Enterramento: Vala com mais de 10 cm de cal, o animal deve ser recoberto por cal, enterrar próximo ao local de morte, nova camada de cal na superfície. 
2.Incineração: Reduzir carcaças a cinzas, que deve ser recolhidas e incineradas no mesmo dia. Muito utilizada na avicultura. 
3.Fossa séptica: Mais aceitável, deve ser realizada a drenagem adequada. Método produz menos odor que incinerador, pois a decomposição é livre de substancias químicas. 
Medidas de erradicação: Medidas mais drásticas, globais. Almeja-se eliminar totalmente o agente etiológico, necessita de estudos e planejamento do local (país, região, estado) considerando os aspectos sanitários, ecológicos, limites e repercussão econômica.