A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Mecanismos de Transdução Celular

Pré-visualização | Página 2 de 4

intracelular todos eles vão apresentar uma
difusão simples, eles vão atravessar a
bicamada lipídica pra que facilmente e
rapidamente possam chegar dentro da célula
já que a própria resposta será muito
demorada.
- Os ligantes para receptores intracelulares
são moléculas lipossolúveis que vão atravessa
a bicamada lipídica por difusão simples.
- Exemplo, os hormônios esteróides.
- Esse receptor pode estar localizado no
citoplasma ou no núcleo da célula, mas de
uma forma ou de outra a resposta é nuclear.
Mesmo o receptor estando presente no
citoplasma uma vez que o ligante atravessou
a membrana e acoplou no receptor, esse
complexo vai migrar pra dentro do núcleo.
- Caso o receptor já esteja no núcleo ele vai
migrar até o núcleo pra poder se ligar. 
- Dentro do núcleo ele vai mexendo com a
transcrição genica, síntese de , síntese
de proteína, crescimento e proliferação
celular para que eu gere as respostas que eu
preciso.
Receptores Catalíticos
DNA
 
- Ele também recebe o nome de receptor
enzimático.
- Na sua forma inativa quando não tem
ligante, ele se apresenta na forma de
monomero, unidade sozinha. A partir do
momento que acontece a ligação do ligante
nesse receptor, duas unidades de monomero
vao gerar um dimero, esse processo é
chamado de dimerização. Esse processo de
ativação do receptor catalítico é chamado de
dimerização.
- É uma resposta mediada por enzimas,
então como essas enzimas vão atuar. Essa
enzima que faz parte do receptor, ela
acontece por meio das reações de fosforilação,
a resposta do receptor catalítico é mediada
por fosforilação, ou seja esse domínio de
enzima uma vez ativado, vai permitir a
fosforilação para ativar um tipo de proteína
alvo, ela que vai desencadear a cascata de
ativação dentro da minha célula alvo, essa
cascata de eventos que é ativada pelos
receptores catalíticos, ela vai culminar
obrigatoriamente com o núcleo, então a
resposta também será nuclear. 
- Para mediar todos esses eventos nós
temos ativação da proteína Ras localizada
na membrana, ela terá um papel
semelhante ao da proteína g.
- Teremos respostas a curto prazo, a médio
e a longo prazo, obviamente as respostas a
longo prazo são aquelas que mexem com
transcrição genica , como fosforilação são a
médio prazo.
- O hormônio insulina se liga nesse
receptor. A insulina será liberada pelo
pâncreas para ir nos tecidos colocar a glicose
dentro da célula.
- A insulina vai ter o papel de colocar a
glicose pra dentro da célula, ela vai por
feedback negativo ser responsável por
diminuir a glicemia.
- A partir do momento em que o nível de
glicose aumenta a glicose vai no pâncreas,
entra na célula beta e estimula a secreção da
insulina, quando a insulina chega nas
células alvo, ela vai atuar em receptor
catalítico, formando um dímero vai atuar
por reações de fosforilação, esse receptor vai
causar respostas a curto, médio e longo
prazo.
- Não são todas as células que são alvo da
insulina.
- As três células alvo principais serão o
musculo esquelético, fígado e tecido adiposo,
nessas três células encontramos o receptor
catalítico da insulina. Quando a insulina
não está presente a glicose não vai entrar na
célula.
- A glicose vai entrar na célula por meio
da difusão facilitada, através da proteína
transportadora chamada de de glut, a
proteína transportadora que realiza o
transporte de difusão facilitada da glicose é 
chamada de glut, ela quem está presente
nessas células alvo pra acontecer a entrada
de glicose na célula.
- Por que o glut não está deixando a glicose
entrar? Porque nessas células que são alvo
para a insulina estes transportadores da
glicose não estão onde deveriam estar que é
na membrana plasmática.
- Quando o pancreas libera a insulina e a
insulina chega na célula alvo, a insulina vai
se ligar ativando o receptor que vai ativar
uma cascata de transdução de sinal que vai
promover então a exocitose dessa vesicula que
vai se fundir com a membrana plasmática
para que eu possa expor os gluts na
membrana, uma vez que esse transportador
está na mmebrana a glicose consegue ser 
facilmente transportada pra dentro da
célula, é assim que a insulina atua
diminuindo o nivel de glicemia.
- Na diabetes tipo 1, o paciente não produz
ou produz pouca insulina, a célula
sinalizadora que irá produzir a molécula
sinalizadora, se encontra desativada ou em
casos em que pacientes com problemas
imunes tem suas células beta destruídas, a
insulina não chega, não se liga ao receptor e
a glicose não entra na célula e portanto com
esse defeito na produção e liberação de
insulina, meu paciente entrará em um
quadro de hiperglicemia. Já que há
problema na produção de insulina, ele
precisa repor esse hormônio, dependendo
assim de uma insulina injetável.
- Na diabetes tipo 2 o paciente até produz
insulina, está chegando no receptor, mas o
meu problema seria na minha célula alvo,
mesmo a insulina chegando, o processo de
cascata de transdução para expor o glut não
está funcionando, e a glicose não está sendo
captada para entrar na célula. Nesses casos
utiliza-se a medicação.
Receptores Ionotrópicos
- Possui sítios ativos para a ligação do
ligante que nesse exemplo seria a acetilcolina
que vai abrir passagem para o sódio. Uma
vez que o ligante se liga, as comportas
recebem o sinal e são então abertas
permitindo que os íons passem, atravessem a
membrana. 
- Sempre que eu abro um canal pra sódio
ou pra cálcio eu tenho cargas elétricas
positivas que estão entrando na minha
célula, essa entrada deixa a minha célula
com excesso de cargas positivos e isso já
representa minha resposta excitatória que
receberá o nome de despolarização. Se for
uma célula esquelética e estou permitindo a
contração, se for um neurônio eu estou
estimulando a sinapse.
- Já no receptor ionotrópico é uma resposta
direta, eu abri canal, entrou ou saiu íon,
então eu já gerei a minha resposta.
- Já no caso de receptores metabotrópico
também mexe com canal, mas é de forma
indireta resultando também em respostas
inibitórias e excitatórias baseados na
passagem dos íons pelos canais.
- Toda vez que eu abro um canal para
cloreto, potássio a minha resposta será
inibitória sendo denominada de
hiperpolarização ou hiperpolarizante. O
cloreto possui carga negativa deixando assim
a célula carregada negativamento gerando
uma resposta inibitória. Mas por que
quando abre um canal de potássio a resposta
também é inibitória? Isso acontece, pois 
- Diferença de canal iônico e receptor
ionotrópico: Os canais iônicos podem ser
abertos por vários estímulos entre eles o
ligante se ligando no canal, a voltagem
sendo alterada, a mudança de voltagem
abrindo o canal e o estiramento, a força
mecânica que pode estirar e abrir o canal.
Já o receptor ionotrópico funciona apenas
com o ligante, eles não são sinônimos.
Todo receptor ionotrópico é um canal
iônico, mas nem todo canal iônico é um
receptor ionotrópico.
- Quando o ligante se liga nesse canal que é
um receptor, temos como exemplo o 
 que vai se ligar ao seu receptor e vai permitir
a passagem de cloreto para dentro da célula,
já que ele está mais concentrado fora da
célula.
- A resposta excitatória ou inibitória
acontece de forma rápida, pois não depende
de uma cascata de eventos.
GABA
eu estou retirando potássio da célula e
perdendo carga positiva.
Receptores Metabotrópicos
 
- Também chamado de receptor acoplado a
proteína . Nós temos duas proteínas que
formam esse complexo do receptor, uma
delas assim como o catalítico e o ionotrópico
estão presentes na membrana, são proteínas
transmembranais, mas que são acoplados a
outra proteína que está na face interna da
membrana, é uma membrana periférica,
essa proteína periférica vai se acoplar com a
proteína transmembrana para então
permitir essa ativação do receptor.
- A proteína é uma proteína trimérica
ou seja ela possui três subunidades, a maior
que se chama alfa, a beta e a gama, na
forma inativa elas se encontram grudadas
formando uma única proteína. Na
subunidade alfa existe um sitio ativo para
ligação da molécula que está na célula, essa
molécula está

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.