A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Antibioticoterapia

Pré-visualização | Página 1 de 2

MayaraKelly
Antibióticos
MayaraKelly
 São substancias químicas capazes de
eliminar agentes infecciosos
 Podem ser:
 Substâncias naturais
 Fungos
 Semissintéticas
 Alterações na forma natural,
 Melhora da qualidade
 Sintéticas
 Produzida em laboratório
 Antibiótico ideal não existe, mas deve
apresentar toxicidade seletiva,
destruindo o agente invasor e poupando o
hospedeiro
 Bacteriostáticos
 Inibem reversivelmente a
multiplicação da bactéria
 Bactericidas
 Exercem efeito letal e irreversível
sobre as bactérias sensíveis
Concentrações
 Para demonstrar as propriedades
farmacológicas dos bactericidas e
bacteriostáticos deve-se levar em conta
dois tipos de concentração
 Concentrações mínima bactericida (MBC)
 Menor concentração de
antibacteriano que resulta em
diminuição de 99,9% na contagem de
colônias
 Antibióticos concentração dependentes
 Fase inicial da curva dose-efeito
 Efeito bactericida potente e rápido
 Depende da concentração do
medicamento
 Antibióticos tempo dependentes
 Efeito bactericida lento e menos
potente
 Dependência do tempo de contato
com a bactéria
 Concentrações mínima inibitória (MIC)
 Menor concentração que previne o
crescimento visível do microrganismo
após 24 horas de incubação
 A concentração bacteriostática ou
bactericida exceda a concentração
segura
 Microrganismo resistente
Origem
 Alexander Flemim - 1928
 Fez uma cultura de bactérias e
acidentalmente um fungo caiu dentro
da cultura
 Observou que envolta do fungo existia um
halo
 Penicilium produzia penicilina e essa
substância inibia o crescimento das
bactérias
 1930
 Início do uso clínico
 2ª guerra mundial
 1940
 Produção em escala industrial
 1961
 Mais de 500 antibióticos
Espectro de ação
 Expressa a amplitude da ação dos
antibióticos
 Espectro estreito
 Atuam apenas em um grupo ou um
número limitado de microrganismos
 Espectro estendido
 Eficazes contra micro-organismos
gram-positivos e também contra um
número significativo de bactérias
gram-negativas
 Pode agir em bactérias da microbiota
natural
 Espectro amplo
MayaraKelly
 Afetam uma ampla variedade de
espécies microbianas
 Restritos ao ambiente hospitalar
Seleção do antimicrobiano
 Fatores que interferem na seleção do
antibiótico
 Identificação do micro-organismo
 Sensibilidade antimicrobiana
 Espectro de ação
 Fatores farmacocinéticos
 Segurança do fármaco
 Via de administração
 Evidência e eficácia clínica
 Custo
 Fatores do paciente
 Defesas do hospedeiro
 Idade
 Gravidez
 Alergia
Associação de antimicrobianos
 Opção para somar o efeito dos
antibióticos
 Sinergismo
 Antibiótico A + Antibiótico B = ação AB
 Amoxicilina + Ácido Clavulânico
 Sulfametozaxol + Trimetropina
 Amplia o espectro de ação
 Diminui os riscos de resistência bacteriana
Resistencia aos fármacos
 A bactéria se torna multirresistente
 Ocorre de duas maneiras:
 Aquisição de plasmídeos contendo o
DNA da resistência
 Erro na duplicação do DNA (mutação)
 Troca de bases nitrogenadas que
resultam em uma mutação da
célula
 DNApolimerase
Mecanismos de resistência
 Aparecimento de novas características
para permitir a resistência aos antibióticos
 Enzimas inativadoras
 A bactéria começa a produzir esse
novo tipo de enzima que irá desativar
ou destruir o fármaco, impedindo o
mesmo de fazer efeito
 Resulta da aquisição de plasmídeos
 Alteração do sítio de ligação
 Resulta da mutação de cromossomos
 As bactérias podem adquirir um gene
que codifica um novo produto
resistente, substituindo o alvo original
do antibiótico
 Extrusão ativa (bomba de efluxo)
MayaraKelly
 Bombeia o antibiótico para fora da
bactéria antes da ação
farmacológica
 Resulta da aquisição de plasmídeos
 Bloqueio da entrada
 Permeabilidade limitada
 Inibição da passagem do antibiótico
para meio intracelular
Mecanismos de ação
 Inibição da duplicação cromossômica ou
da transcrição
 Inibição de enzimas que produzem
substâncias essenciais
 Inibição da síntese da parede celular
 Inibição da síntese proteica
 Danos à membrana plasmática
Efeitos colaterais comuns
 Desconforto estomacal
 Diarreia
 Em mulheres, infecções vaginais por
leveduras
 Corte do efeito de anticoncepcionais
Referências:
Slides e anotações da aula
Whalen, Karen. Farmacologia Ilustrada. 6ª
ed. Porto Alegre: Artmed, 2016
MayaraKelly
 Interferem seletivamente na síntese da
parede celular bacteriana
Lembrando: a parede celular é composta de
um polímero de peptideoglicano, que consiste
em unidades de glicano unidas umas às
outras por ligações peptídicas
 Membros mais importantes: β-lactâmicos
(penicilinas, cefalosporinas, carbepenemos,
monobactamos), vancomicina e
daptomicina
Penicilinas
 Estão entre os fármacos mais
amplamente eficazes e menos tóxicos
conhecidos
 O aumento da resistência bacteriana
a penicilina limitou o seu uso
 São suscetíveis à inativação pelas β-
lactamases
 Diferem entre si no substituinte R ligado
ao ácido 6-aminopenicilânico
Mecanismo de ação
 Interferem na última etapa da síntese
da parede bacteriana, as ligações
cruzadas ou transpeptidação
 Resultando em uma membrana
osmoticamente menos estável e
provocando a sua lise
 São bactericidas
 Tempo-dependentes
 Eficazes apenas contra microrganismos
em crescimento rápido e que sintetizem a
parede celular
 Inativada contra microrganismos
sem essa estrutura
Espectro bacteriano
 Gram-positivos: têm paredes celulares
facilmente atravessadas pelas
penicilinas
 Gram-negativos: sua membrana possui
proteínas inseridas que atuam como
canais cheios de água, que permitem a
passagem transmembrana das penicilinas
Penicilinas naturais
 Obtidas pela fermentação do fungo
Penicillium chrysogenum
 Benzilpenicilina (penicilina G)
 Agem contra gram-positivos e cocos
gram-negativos
 Tratamneot de infecções
estreptocócicas
 Amigdalites
 Erisipela
 Fármaco de escolha no tratamento
de: sífilis e gangrena gasosa
 Administrada por via IM e servem
como formas de deposito
MayaraKelly
 Fenoximetilpenicilina (penicilina V)
 Espectro similar ao da penicilina G
 Escassa absorção
 Tratamento de algumas infecções
 Via oral
Penicilinas antiestafilocócicas
 Meticilina, nafcilina, oxacilina e
dicloxaciina
 São resistentes à β-lactamases
 Uso restrito no tratamento de infecções
por estafilococos produtores de
penicilinase
 S. aureus sensível a meticilina (MRSA)
 Atividade mínima ou nula contra
infecções gram-negativas
Penicilinas de espectro estendido
 Ampicilina e amoxicilina
 Espectro similar ao da penicilina G
 Primeiras a agir contra Enterococos e
Bacilos gram negativos
 A amoxicilina apresenta-se via oral
 Mais eficazes contra gram-negativos
 Utilizadas no tratamento de infecções
respiratórias
 A resistência a esses antimicrobianos é um
problema clinico
 Inativação por penicilinase mediada
por plasmídeo
 Geralmente junto a esses fármacos há a
associação com um inibidor da β-
lactamase
 Ácido clavulânico ou sulbactam
 Protegem as penicilinas da hidrolise
enzimática
Penicilinas antipseudomonas
 Piperacilina e ticarcilina
 Atividade contra Pseudomonas
aeruginosa
 Via intravenosa ou intramuscular
 Eficazes contra vários bacilos gram-
negativos
 Associações com ácido clavulânico ou
tazobactam estendem o espectro
antimicrobiano
Resistencia
 Resistencia natural
 Microrganismos que não possuem a
parede celular
 Microrganismos que possuem parede
celular impermeável aos fármacos
dessa classe
 Resistencia adquirida
 Atividade β-lactamase
 As beta-lactamases são uma
família de enzimas que hidrolisam
a ligação amida cíclica do anel β-
lactâmico = perda da atividade
bactericida
 Adquirida por mutação ou pela
transferência de plasmídeos
 Gram-positivos: inativam os
fármacos extracelularmente
 Gram-negativos: inativam os
fármacos no espaço
periplasmático
 Diminuição da permeabilidade ao
fármaco
 Impede de alcançar as PLPs
alvo
 Presença de bombas de efluxo
 Diminuição