A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
Sistema muscular

Pré-visualização | Página 1 de 5

O tecido muscular se diferencia dos demais tecidos 
diante de algumas funções e características específicas: 
 
● Capacidade de excitabilidade : sinais nervosos e/ou 
outros estímulos, tem a capacidade de gerar um 
potencial de excitabilidade, e é isto que inicia o processo 
de contração muscular. 
● Propriedade de extensibilidade e elasticidade: de 
maneira geral é a capacidade do músculo de “esticar” e 
“contrair”, sem se romper até certo limite. 
● Capacidade de contrair: Esta capacidade é mais 
desenvolvida em células musculares, por conta de sua 
composição de miofilamentos, que são tipos específicos de microfilamentos 
responsáveis pelo encurtamento das células musculares. 
 
E para uma diferenciação de atuações no corpo, existem três tipos de tecido 
muscular: 
● Estriado esquelético: Estão intrinsecamente 
ligados ao sistema esquelético, e são 
responsáveis pela movimentação das 
estruturas envolvidas. As células musculares 
deste tipo de tecido representam o músculo 
estriado, que possui estrias escuras e claras 
que cortam transversalmente essas células. O 
músculo esquelético é inervado pela divisão 
voluntária do sistema nervoso e está sujeito ao 
controle consciente; você consegue controlar 
esse tecido muscular de acordo com a sua 
vontade. Componentes: 
- Ventre muscular : é a porção contrátil 
do músculo, formada por fibras 
musculares que se contraem. 
- Tendão : é um elemento de tecido conjuntivo, que serve para a fixação do 
ventre, em ossos, tecido subcutâneo e em cápsulas articulares. 
- Aponeurose: um tendão semelhante a uma lâmina plana. 
- Bainhas Tendíneas: são estruturas que formam pontes ou túneis nas 
superfícies ósseas, sobre as quais deslizam os tendões. 
- Bolsas sinoviais: são pequenas bolsas, forradas por uma membrana serosa 
que possibilita o deslizamento muscular. 
● Estriado cardíaco: Se faz presente nas paredes do coração, é um músculo com 
fibras estriadas, que realiza contração involuntária. Na verdade, o músculo cardíaco 
consegue contrair sem nenhum estímulo nervoso. 
● Liso : É um tecido que não contêm estrias, e se encontra na maioria das paredes 
dos órgãos internos. Do mesmo modo que no músculo cardíaco, a divisão 
involuntária do sistema nervoso inerva o músculo liso. 
Anatomi� muscular  
 
 
 
Visando que o estudo está focado no subtipo de tecido muscular que expressa o 
movimento. Neste sentido, várias bainhas de tecido conjuntivo mantêm as fibras de um 
músculo esquelético unidas. Dentre elas estão: 
- Epimísio: camada mais externa. 
- Perimísio: separa as fibras formando os fascículos. 
- Endomísio: cada fibra no fascículo é coberta por esta camada. 
- Fáscia superficial: separa os músculos da pele. 
- Fáscia muscular: circunda o músculo. 
 
E por fim, todas as três bainhas convergem e formam o tendão, a estrutura de tecido 
conjuntivo que une os músculos esqueléticos aos ossos. As bainhas também conferem a 
um músculo grande parte de sua elasticidade natural e carregam os vasos sanguíneos e 
nervos que suprem as fibras musculares. Outrossim, cada músculo esquelético é suprido 
por um nervo, uma artéria e uma ou mais veias, estes ramificam-se no tecido conjuntivo 
intramuscular, com os ramos menores suprindo cada fibra muscular. 
Os músculos e sua conexão com o sistema 
esquelético, requer que cada músculo esquelético 
estenda-se de um osso a outro, atravessando pelo 
menos uma articulação móvel . Assim, quando o 
músculo se contrai, ele faz que um dos ossos se 
movimente, enquanto o outro osso normalmente 
continua fixo. Desta maneira, ocorre uma divisão de 
nomenclatura para entendermos melhor como o 
movimento vai funcionar e compreender a mecânica 
do movimento. 
- A conexão de um músculo ao osso menos 
móvel chama-se origem (inserção proximal) do 
músculo, enquanto a conexão ao osso mais móvel 
se chama inserção (inserção distal) do músculo. 
Assim, quando o músculo se contrai, sua inserção é 
empurrada na direção da origem desse músculo. 
Em suma, os músculos conectam-se às suas origens e inserções por meio de tecido 
conjuntivo fibroso e forte que se estende até o periósteo fibroso do osso. Em ligações 
diretas , os cordões de fixação do tecido conjuntivo são tão curtos que os próprios 
 
fascículos musculares parecem se conectar diretamente ao osso. Nas conexões indiretas , 
o tecido conjuntivo estende-se bem além do final das fibras musculares, formando a 
aponeurose . 
  
A fibra muscular é formada por células 
alongadas, se forma a partir de centenas de 
células embrionárias e por conta disso, contêm 
diversos núcleos, que estão situados na periferia 
de cada fibra. No microscópio, as estrias claras e 
escuras nas fibras musculares esqueléticas são 
claramente visíveis. 
 
 
 
E estas são resultantes de uma 
estrutura interna conhecida como 
organelas longas, chamadas 
miofibrilas , e são organelas contráteis 
especializadas e exclusivas do tecido 
muscular. Estas estruturas são 
formadas por miofilamentos , que são 
a parte contrátil do tecido. As 
miofibrilas, em uma fibra, são 
separadas umas das outras por 
principalmente mitocôndria e 
glicossomos, ambos fornecendo 
energia para a contração. Em suma, 
uma miofibrila é composta de 
segmentos repetidos, chamados 
sarcômeros , que são a unidade 
básica de contração no músculo esquelético. 
Nas extremidades entre os sarcômeros encontramos a banda Z, e conectados a 
este estão os miofilamentos chamados filamentos de actina . No meio dos sarcômeros por 
cima dos filamento de actina, estão as proteínas miosina. Eles também contêm enzimas 
ATPase que quebram o ATP para liberar a energia necessária para a contração muscular. 
Ademais, a região de cada sarcômero chama-se banda A , a parte mais central desta, na 
qual nenhum filamento alcança, é chamada de banda H. A linha M no centro da banda H 
contém bastonetes minúsculos que unem os filamentos de miosina. As duas regiões em 
ambos os lados da banda A, que contêm apenas filamentos de actina, são chamadas 
banda I . 
Cada fibra muscular esquelética contém dois conjuntos de túbulos que participam da 
regulação da contração muscular: o retículo sarcoplasmático e o sistema de túbulos