A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
FISIOLOGIA DO CICLO MENSTRUAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

C
ic
lo
 m
en
st
ru
al
 
♘RESUMOS – YVS♞ 
E-mail: yorkvalentinodossantos@onedrive5tb.com 
CICLO MENSTRUAL 
 
 
Esquema básico para compreensão inicial 
 
 
 
Hipotálamo (secreta GnRH) 
 ↓ Retroalimentação de alça curta 
Hipófise anterior (secreta LH e FSH) 
 Retroalimentação de alça longa ↓ 
Ovários (secreta progesterona e estrogênio) 
↓ 
Útero (propriamente no endométrio) 
 
 
 
Legenda: 
GnRH: hormônio liberador gonadotrofina. 
LH: Hormônio luteinizante. 
FSH: Hormônio folículo-estimulante. 
 
 
 
Hipotálamo 
 
O hipotálamo se localiza na base do cérebro, acima 
da junção do nervo óptico. 
A produção de GnRH é feita de forma pulsátil pelos 
neurônios do núcleo arqueado no hipotálamo médio-
basal. Este, por sua vez, é lançado no plexo de 
capilares primários da artéria hipofisária superior. O 
GnRH possui tempo de ação curto (meia-vida 
<05min) e rapidamente é absorvido pela circulação 
porta hipotalâmica-hipofisária. 
O GnRH agirá na hipófise anterior, estimulando-a a 
produzir as gonadotrofinas. 
 
Hipófise 
 
A hipófise se localiza na sela túrcica, próxima ao 
hipotálamo. A hipófise anterior sintetiza e secreta 
duas gonadotrofinas: Hormônio Luteinizante (LH) e 
Hormônio Folículo Estimulante (FSH). 
As gonadotrofinas são secretadas de forma pulsátil, 
variando conforme a fase do ciclo menstrual. 
A hipófise anterior também é conhecida como adeno-
hipófise. A gonadotrofinas lançadas na circulação 
terão ação sobre os ovários. Os ovários sob o 
 
1 É o principal estrogênio do período reprodutivo feminino. 
estímulo das gonadotrofinas, secretarão estrogênio e 
progesterona. 
 
Lembrete: 
A hipófise posterior (neuro-hipófise) secreta 
ocitocina (importante no parto) e vasopressina 
(conhecida também como ADH – relacionado a 
diabetes insípitus). 
 A adeno-hipófise além de secretar LH e FSH, também 
secreta TSH, ACTH, GH e prolactina. 
 
Ovário 
 
Hormônios secretados pelo ovário: progesterona, 
estradiol, estrona (em menor quantidade), 
androstenediona e testosterona. 
 
Estrogênio: 
Tipos de estrogênios: existem basicamente três - 
estradiol 1 (produzido principalmente pelo ovário), 
estriol2 (produzido principalmente pela placenta, e 
muito pouco pelos ovários) e estrona (produzido 
principalmente nos tecidos periféricos – tecido 
adiposo, principalmente). O estradiol é o estrogênio 
mais potente produzido e o estriol (na gestação) é o 
mais fraco. 
2 É o principal estrogênio na criança, sendo produzido em 
quantidades muito pequena pelos ovários nessa fase. 
 
 
 
C
ic
lo
 m
en
st
ru
al
 
♘RESUMOS – YVS♞ 
E-mail: yorkvalentinodossantos@onedrive5tb.com 
Função do estrogênio no ciclo menstrual: proliferação 
(mitose) de endométrio. 
Lembrete: o estradiol exerce feedback negativo sobre 
o FSH e feedback positivo sobre o LH. 
 
Progesterona: 
Função: prepara o útero para receber uma gravidez 
(Macete: pro – a favor + gesterona – gestação) 
Função da progesterona no ciclo menstrual: secreção 
endometrial de mucopolissacarídeo. 
 
A produção de androgênio e estrogênio se faz da 
seguinte forma: 
 Sobre estímulo do FSH, as células da granulosa do 
folículo ovariano através da ação da enzima 
aromatase, por um processo que se chama 
aromatização, transforma androgênios 
(testosterona e androstenediona) em estradiol 
(principal estrogênio produzido no ovário). 
Função da aromatase: converter androgênios em 
estrogênios. 
 Sob estímulo do LH, as células da teca do folículo 
ovariano capta o colesterol da circulação e o 
transforma em andrógenos (testosterona e 
androstenediona), sendo que estes, por difusão, 
seguem até a camada da granulosa onde são 
convertidos à estradiol, sob efeito do FSH 
(processo de aromatização). 
 O restante dos androgênios que ultrapassam a 
necessidade de conversão no ovário, são lançados 
na circulação e no tecido periférico (adipócitos, 
miócitos e hepatócitos) que também possuem a 
aromatase, convertem estes androgênios em 
estrona (principal estrogênio periférico). 
 
 
Feedback (retroalimentação) no ciclo menstrual 
 
Alça curta: as gonadotrofinas em quantidades baixas 
estimula o hipotálamo a secretar GnRH, entretanto, 
as gonadotrofinas em quantidades altas, exerce 
efeito inibitório sobre a secreção hipotalâmica de 
GnRH. 
Alça longa: o estradiol (principal estrogênio secretado 
nos ovários) exerce feedback negativo 
(retroalimentação negativa) sobre o FSH. Sobre o LH, 
o estradiol em níveis mais baixos exerce efeito 
inibitório (feedback negativo), entretanto, em níveis 
altos, promove feedback positivo (retroalimentação 
positiva) sobre o LH, promovendo o pico de LH no 
meio do ciclo menstrual. 
A progesterona exerce retroalimentação negativa 
sobre o hipotálamo porém positiva na adenohipófise. 
Inibina: exerce o mesmo efeito que o estrogênio 
sobre o hipotálamo e hipófise. 
 
Útero 
 
O endométrio é a camada mais interna do útero. O 
endométrio possui 03 camadas superpostas entre si: 
1. Camada basal (profunda): é a camada mais 
profunda. Ela não se descama na menstruação e é 
responsável pela renovação das outras camadas 
para os ciclos seguintes. 
2. Camada média (esponjosa): é a camada do meio, a 
mais espessa, formada pelo corpo das glândulas. 
Junto com a camada compacta, formam as 
camadas funcionais do endométrio, que 
prontamente respondem aos estímulos 
hormonais dos esteroides ovarianos. 
3. Camada compacta (superficial): é a mais superficial 
das camadas. É formada pelo colo das glândulas 
endometriais e suas superfícies. 
 
 
 
Figura 1 - Lembrar da camada esponjosa. 
 
Camada basal: não funcional 
Camada esponjosa + camada compacta: funcionais. 
As camadas funcionais descamam e forma o 
conteúdo da menstruação. Se renovam no ciclo 
seguinte sob efeito dos hormônios secretados pelo 
ovário. 
 
Desenvolvimento folicular 
 
Os folículos primordiais são criados nas mulheres 
ainda intrauterina por volta da 20ª semana de 
gestação. Os folículos primordiais são o gameta com 
células o arrodeando chamadas camada da granulosa. 
A mulher nasce com cerca de 1 milhão de folículos 
que vão se atresiando ao longo do tempo. Na 
puberdade, há cerca de 500.000 folículos. 
 
 
 
 
C
ic
lo
 m
en
st
ru
al
 
♘RESUMOS – YVS♞ 
E-mail: yorkvalentinodossantos@onedrive5tb.com 
O ovócito primário cessa sua divisão meiótica na fase 
prófase I (na subfase diplóteno). Já o folículo 
secundário está estacionado na segunda meiose na 
fase metáfise II, até receber o gameta masculino e 
terminar sua divisão. 
 
Na puberdade, ocorre transformação nesses folículos 
primordiais: as células da granulosa estratificam 
(criam mais camadas) e ao redor da camada da 
granulosa agrupa uma outra camada mais externa, 
chamada de camada da TECA. Esse processo ocorre 
independentemente de qualquer hormônio. 
Durante o ciclo menstrual, o FSH recruta de 8 a 10 
folículos primários e apenas 01 destes, se tornará o 
folículo dominante, se tornando o folículo secundário 
(ou folículo antral). O folículo antral se cria um halo 
(rico em estrogênio e prostaglandinas) em seu 
interior preenchido por líquido, chamado de antro. 
 
 
Figura 2 - Evolução folicular no ciclo menstrual. 
 
Esteroidogênese ovariana: teoria das duas células, duas 
gonadotrofinas 
 
O hormônio luteinizante (LH) age nas células da TECA 
através de receptores de membrana, convertendo o 
colesterol (LDL) da circulação em andrógenos 
(testosterona e androstenediona). O andrógenos por 
difusão, atravessam a membrana e vão para a 
camada da granulosa. 
 
Macete: lembrar de TELHA (TE=Teca; LH=Hormônio 
luteinizante; A=Androgênios) 
 
O hormônio folículo estimulante (FSH) age nos 
receptores de membrana das células da granulosa, 
produzindo a enzima aromatase. Essa enzima 
converte os andrógenos produzidos