A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
269 pág.
RESUMAPAS OAB

Pré-visualização | Página 44 de 50

indireta para a 
consecução de objetivos comuns (MARIA SYLVIA 
DI PIETRO) 
 
» Estabelece-se a criação de uma comissão 
executiva encarregada de sua administração e a 
responsabilidade recairá em TODOS os partícipes 
do consórcio. 
» Correspondem ao ajuste de vontades firmados 
por entidades estatais da MESMA ESPÉCIE 
(Municípios e estados-Membros), visando 
interesses comuns, na execução haverá emprego 
de RECURSOS PÚBLICOS (fiscalizado pelo Tribunal 
de Contas) 
 
178
Parceria Público Privada 
Lei Federal nº. 11.079/2004 
 
 
 
 
 
 
 
Controle da Administração Pública 
 
 
 
 
 
 
» Conceito: 
» É o contrato administrativo de concessão na 
modalidade patrocinada ou administrativa, instituído 
pela Lei Federal nº. 11.079/2004. 
» É um tipo de concessão. 
 
» Modalidades: 
1) PATROCINADA: 
⤷ Tipo de concessão cujos serviços são desfrutados 
diretamente por PARTICULARES, através de TARIFAS, mas 
com parte do serviço entregue para a POPULAÇÃO PAGA 
pelo PARCEIRO PÚBLICO. 
⤷ Ex: Metrô. 
 
2) ADMINISTRATIVA: 
⤷ Tipo de concessão em que a administração pública é 
USUÁRIA direta ou indireta do serviço público concedido. 
⤷ O parceiro privado será remunerado pelos recursos 
públicos orçamentários após a entrega do contratado. 
⤷ Ex: Concessão para remoção do lixo, construção de 
presídio, etc. 
» Conceito: 
» Faculdade de vigilância, orientação e correção 
que um poder. Órgão ou autoridade exerce sobre 
a conduta funcional de outro. 
 
» Maria Sylvia di Pietro: 
A finalidade do controle é “assegurar que a 
administração atue em consonância com os 
princípios que lhe são impostos pelo ordenamento 
jurídico, como os da finalidade pública, moralidade, 
legalidade, publicidade motivação, impessoalidade; 
em determinadas circunstâncias, abrange também 
o controle chamado de mérito e que diz respeito 
aos aspectos discricionários da atuação 
administrativa”. 
 
 
 
» Como é regulamentado? 
Através de vários atos normativos, que trazem 
regras, modalidades e instrumentos para a 
organização desse controle. 
 
» Art. 37, CF 
Assegura a atuação da adm. de acordo com os 
princípios jurídicos, abrangendo os poderes 
legislativo, executivo e judiciário. 
 
 
» O controle da adm. é exercitável em todos os 
Poderes do Estado, devendo-se estender à toda 
atividade administrativa e todos seus agentes. 
 
 
 
 
179
Classificação das formas de controle 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quanto ao fundamento: 
» Hierárquico: Relacionado aos órgãos do Poder 
Executivo. 
⤷ Os órgãos inferiores estão subordinados aos 
superiores. 
⤷ Dele decorrem as faculdades de supervisão, 
coordenação, orientação, fiscalização, aprovação, 
revisão e avocação das atividades administrativas. 
⤷ As autoridades fazem o acompanhamento, 
orientação e reveem as atividades dos servidores. 
» Finalístico: 
⤷ É o controle da administração direta sobre a indireta 
⤷ Controle de legalidade da atuação administrativa 
⤷ Apuração do cumprimento do programa geral do 
Governo determinado em lei 
⤷ Não tem fundamento hierárquico, porque não há 
subordinação entre a órgão controlador e controlado. 
⤷ Ex: A administração Indireta controlada pela Direta, 
ausente a hierarquia entre elas. 
 
 
Quanto ao momento do exercício: 
» Controle prévio ou preventivo: 
⤷ Praticado ANTES do início ou da conclusão do ato 
administrativo 
⤷ Verificada a eficácia e validade. 
» Controle concomitante: 
⤷ Praticado DURANTE o ato, acompanhando a realização 
dele. 
⤷ É verificada a regularidade de sua formação. 
» Controle subsequente ou corretivo: 
⤷ Exercido APÓS a conclusão do ato. 
⤷ Deve corrigir eventuais defeitos; 
⤷ Deve declarar a sua nulidade; 
⤷ Deve possuir eficácia. 
⤷ Ex: A homologação na licitação 
⤷ O controle judicial dos atos administrativos, por via de 
REGRA, é um controle subsequente. 
 
 
 
» Quanto ao órgão que o exerce: 
 
» Controle Administrativo: 
É o controle que o Poder Executivo e os órgãos de administração dos outros poderes quando praticam suas próprias atividades, sob 
os pilares da legalidade e do mérito, para conservá-las dentro da lei, por iniciativa própria ou por provocação. 
1) Fiscalização hierárquica: efetuada pelos órgãos superiores sobre os inferiores da mesma administração. 
2) Recursos administrativos: Meios que oportunizam a provocação do reexame de decisões internas tomadas pela administração. É 
possível a intervenção de terceiros e pode a interposição “ex officio” ou pelas partes. Também podem ter efeito devolutivo ou 
suspensivo. 
 
» Controle Legislativo: 
Atinge os órgãos do Poder Executivo, as entidades da administração indireta e o poder judiciário, quando executada a função 
administrativa. 
1) Controle político: Congresso Nacional, Assembleia legislativa e Câmaras Municipais ou por comissões parlamentares. 
2) Controle financeiro: Fiscalização financeira e orçamentária. A TCU auxilia no controle externo, buscando confirmar a probidade da 
administração, a regularidade da guarda e do emprego dos bens, valores e dinheiro público e a fiel execução do orçamento. 
 
» Controle Judiciário: 
Praticado pelos órgãos do Poder Judiciário sobre os atos administrativos dos poderes Executivo, Legislativo e do próprio Judiciário, 
quando efetivadas as atividades administrativas. 
⤷ Os atos da Adm. Pública podem ser examinados, no aspecto da legalidade e legitimidade do impugnado. 
⤷ Averiguada a conformidade do ato com a norma legal que o guia 
⤷ CF prevê ações específicas de controle da adm. púb.: REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS (garantem os direitos fundamentais). 
Meios de controle do P. Judiciário: 
HC; HD; M. de S. Individual; M. de S. Coletivo; 
Ação Popular e Ação Civil Pública 
180
 
 
Personalidade 
Jurídica 
C
riação 
F
inalidades 
Responsabilidade 
C
ivil 
Im
unidade 
T
ributária 
V
ínculo de 
T
rabalho 
C
om
petência 
Jurisdicional 
A
u
ta
rq
u
ia
s 
PÚ
B
L
IC
O
 
LEI C
RIA
 
por: 
» 
C
oncurso 
Público 
» Licitação 
» 
C
ontrato 
adm
. 
» 
B
ens 
públicos 
A
tividades 
T
ípicas 
D
o 
Estado 
O
B
JET
IV
A
 
SIM
 
EST
A
T
U
T
O
 
8.102/90 
Justiça 
C
om
um
: 
JEF
 
JE 
Fu
n
d
a
ções 
P
ú
b
lica
s 
PRIV
A
D
O
 
Pública: 
A
utarquia 
LEI 
A
U
T
O
RIZ
A
 
+
 
REG
IS
T
RO
 
SE
M
 
F
IN
S
 
LU
C
RA
T
IV
O
S
 
Lei 
C
om
plem
entar 
O
B
JET
IV
A
 
SIM
 
EST
A
T
U
T
O
 
Justiça 
C
om
um
: 
JF
 
JE 
Em
p
resa
s P
ú
b
lica
s 
PRIV
A
D
O
 
 
L
IC
IT
A
Ç
Ã
O
 
LEI 
O
RD
IN
Á
RIA
 
+
 
REG
IS
T
RO
 
Regim
e 
H
íbrido =
 
norm
as 
públicas e 
privadas 
PSP 
Prestadora de 
Serviço Público 
(N
orm
as de D
ir. 
Público) 
ou 
EA
E
 
Exploradora de 
atv. Econôm
ica 
(N
orm
as de D
ir. 
Privado) 
O
B
JET
IV
A
 
 
SU
B
JET
IV
A
 
SIM
 
 
N
Ã
O
 
 
C
L
T
 
J. do T
rabalho 
 
JC
: 
JF
 
JE 
Socied
a
d
es 
D
e 
Econ
om
ia
 
M
ista
 
PRIV
A
D
O
 
 
L
IC
IT
A
Ç
Ã
O
 
LEI 
O
RD
IN
Á
RIA
 
Regim
e 
H
íbrido =
 
norm
as 
públicas e 
privadas 
 
PSP 
ou 
EA
E
 
 
 
O
B
JET
IV
A
 
 
SU
B
JET
IV
A
 
 
SIM
 
 
N
Ã
O
 
 
C
L
T
 
J. do 
T
rabalho 
JC
: JE
 
181
Súmulas 
Vinculantes 
 
Súmula 3: Nos processos perante o Tribunal 
de Contas da União asseguram-se o 
contraditório e a ampla defesa quando da 
decisão puder resultar anulação ou 
revogação de ato administrativo que 
beneficie o interessado, excetuada a 
apreciação da legalidade do ato de concessão 
inicial de aposentadoria, reforma e pensão. 
 
Súmula 4: Salvo nos casos previstos na 
Constituição, o salário mínimo não pode ser 
usado como indexador de base de cálculo de 
vantagem de servidor público ou de 
empregado, nem ser substituído por decisão 
judicial. 
 
Súmula 5: A falta de defesa técnica por 
advogado no processo administrativo 
disciplinar não ofende a Constituição. 
 
Súmula 6: Não viola a Constituição o 
estabelecimento de remuneração inferior

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.