A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
269 pág.
RESUMAPAS OAB

Pré-visualização | Página 7 de 50

 Decreto Presidencial (art. 84, IX) 
 Oitiva do Conselho da República e do 
Conselho de Defesa Nacional (art. 90, I e 
91, §1º, II). 
 Impedem a aprovação de emenda 
constitucional (art. 60, §1º) 
 Prazo: 
Estado de Defesa: 30 + 30 (art. 136, §2º) 
Estado de Sítio: 30 + 30 (art. 137, I) 
Admitidas várias prorrogações (art 137, II, não 
há prazo extra). 
 Abrangência: ED » localizado 
 ES » localizado e todo 
território nacional. 
 Autorização C.N.: ED » NÃO. 
 ES » SIM. 
 
 30
Controle de Constitucionalidade 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Preventivo 
 
 
Repressivo 
 
 
1. IMPORTANTE: 
» Inconstitucional: deve haver dolo ou culpa, ou não 
há fato típico. 
» Não há hierarquia entre normas da CF. 
» Não há inconstitucionalidade entre normas 
constitucionais. 
» Não são objetos de controle: 
a) Normas constitucionais originárias 
b) Normas pré-constitucionais (anterior à Const. Não 
sofre controle e sim processo de recepção. 
 2. FORMAS: 
⤷ Por omissão: ausência de edição de norma por 
INÉRCIA do legislador. 
⤷ Por ação: lei ou do normativo contrário à CF. 
I- Inconstitucionalidade material: conteúdo (nomoestática) 
II- Inconstitucionalidade formal: não observância do 
devido processo legislativo (nomodinâmica) 
⤷ Por arrastamento: dispositivo que não foi objeto de 
impugnação, mas se relaciona com as normas 
declaradas inconstitucionais. 
 
3. REQUISITOS: 
» A Constituição é rígida e escrita. 
» Supremacia constitucional 
» Órgão responsável pelo controle 
» As leis são presumidamente constitucionais. 
 
4. INCONSTITUCIONALIDADE: 
» Normas constitucionais derivadas: 
I- Emendas de Revisão 
II- EC 
III- Tratados Internacionais 
» Leis e atos normativos primários: 
I- Normas legais 
II- Normas supralegais/Tratados internacionais 
sobre Direitos Humanos. 
 
5. ILEGALIDADE: leis e atos normativos 
secundários. 
» STF entende que NÃO se aplica a 
inconstitucionalidade indireta e sim a ilegalidade. 
 
 
Legislativo: analisado pelo Poder legislativo, pela CCJ ( na Câmara ou 
no Senado). 
Executivo: veto jurídico, pelo chefe do Executivo (por inconstitucionalidade). 
No Judiciário: M.S. por parlamentar no STF com direito líquido e certo. 
OBS: Controle concreto ☛ realizado a partir de caso concreto, onde há partes. É incidental e necessário para 
solucionar o caso concreto (proteção de direitos SUBJETIVOS). 
REGRA (Jurídico): 
⤷ Difuso: via de exceção/via de defesa (qualquer órgão exerce o controle) 
⤷ Concentrado: STF ou no TJ, através de: ADI, ADC, ADO, ADI Imperativa (art. 
36, III, CF), ADPF, RI (art. 125, §2º, CF), essa última, é julgada do STF. 1 órgão 
concentra o controle. 
 EXCEÇÃO: Legislativo (Susta os atos do Presidente que exorbitaram o poder regulamentar (art. 62, §5º, CF) e controle constante 
pelo CN (art. 49, V, CF). Executivo: Se recusa a cumprir uma norma que declara inconstitucional. 
 OBS: Controle abstrato: declara a inconstitucionalidade da norma em tese. Não há partes. A declaração de 
inconstitucionalidade é objeto principal da ação. 
 
Lei 9.868/99: ADI, ADC, ADO 
Lei 9.882/99: ADPF 
 
» Ocorre a fiscalização da insconst. ANTES da norma entrar em vigor. 
» Não é só o P. J. que faz o controle inconstitucional. 
Ocorre a fiscalização da insconst. DEPOIS da norma entrar 
em vigor. 
 
31
Controle Difuso 
 
 
 
 
 
 
 
 
Controle Concentrado 
 
 
 
 
 
 
» Nasceu na CF de 1891. 
» A inconstitucionalidade compõe a 
fundamentação, não é o objeto da ação. 
» REALIZADO POR QUALQUER JUIZ OU 
TRIBUNAL. 
» INFORMATIVO 848, STF: 
Uma norma que não se aplica ao caso não 
é a mesma coisa de afastá-la de incidência 
por incompatibilidade com CF. 
» OBS: Câmaras, Turmas, Seções não 
podem julgar inconstitucionalidade. 
» SÚMULA VINCULANTE 10. 
Cláusula do Plenário 
Art. 97, CF. 
» Apenas com voto da maioria ABSOLUTA dos 
membros (Tribunal, Pleno e Órgão Especial) poderão 
os Tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou 
ato normativo do Poder Público. 
 NÃO SE APLICA: 
» Se houver pronúncia prévia de inconstitucionalidade 
pelo próprio Tribunal ou STF. 
» Se houver pronúncia de constitucionalidade. 
» Nos casos julgados por juiz singular. 
» Em decisões de Turma Recursal de Juizados 
Especiais. 
» Para as normas pré-1988, porque seriam declaradas 
não recepcionadas. 
» Quando julgar sobre a técnica da interpretação 
conforme a CF. ⤷ julgador define qual é 
 constitucional. 
 
» Essa cláusula se aplica às Turmas 
do STF? 
Jurisprudência 2010, 2017. 
O controle difuso pelo STF não está sujeito 
à essa cláusula, é uma decisão de aspecto 
prático. 
 
» Realizada pelo STF (parâmetro CF) ou 
pelo TJ (parâmetro por Constituição 
Estadual). 
» Normas: 
1) Federais 
 (controle STF/parâmetro 
 CF/impugnadas por ADI) 
2)Estaduais 
 
 (controle TJ/ parâmetro 
 CE/impugnadas por RI: 
 vedada atribuição de 
 legitimação para atingir 
 órgão (art. 125, §2º, CF). 
3) Municipais. 
» ADI em face de norma do DF só cabe naquelas proferidas com 
base em competência estadual (art. 32, CF). 
» Em regra, só cabe ADI contra normas pós-1988 e estejam em 
vigor. 
» Se for ação contra normas revogada? 
STF não conhece. 
» Se a norma perde vigor no curso do processo? 
STF declara perda do objeto. 
» Normas pré-1988, SE FOREM INCOMPATÍVEIS, são ditas não 
recepcionadas pela CF. 
» Se incompatíveis? Será controlado por ADPF, regida pelo princípio 
da subsidiariedade. 
» ATOS NORMATIVOS: 1) Cabe ADI contra decreto que 
invadiu matéria reservada à lei e contra decreto autônomo, 
que tem fundamento direto na CF. 
2) Não cabe contra CCT, respostas do TSE ou contra 
súmulas e não cabe contra constitu. originárias. 
32
Ações de controle concentrado 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Legitimados 
ART. 103, CF. 
 
 
 
ADI ADC ADO ADPF 
Ação Direta de 
Inconstitucionalidade 
» Art. 102, I, a, CF. 
» Não há prazo decadencial 
» Atuação da AGU 
» Efeitos erga omnes; ex 
tunc; vinculantes; 
repristinatórios. 
» Só cabe amicus curiae 
» Quórum: 
Instauração: 8 ministros 
Decisão: 6 ministros 
» Não cabe recurso, salvo 
embargos de declaração. 
» Não cabe ação rescisória. 
» Basta declarar a 
inconstitucionalidade de lei ou 
ato normativo. 
» OBJETO: lei ou ato 
normativo FEDERAL e 
ESTADUAL. 
 
 
Ação Direta de 
Constitucionalidade 
» Art. 102, I, a, CF. 
» Existência de 
controvérsia judicial, não 
basta controvérsia 
doutrinária. 
» Busca declarar a 
constitucionalidade de lei ou 
ato normativo, 
transformando a 
presunção de 
constitucionalidade relativa 
em ABSOLUTA (efeito 
vinculante e cabe 
reclamação pelo 
descumprimento). 
» OBJETO: lei ou ato 
normativo FEDERAL. 
 
Ação Direta de 
Inconstitucionalidade por 
Omissão 
» Art. 103, §2º, CF. 
» Art. 12, Lei 9.868/99 
» Omissão total ou 
parcial. 
» Oitiva da AGU é 
facultativa. 
» Permite o exercício do 
direito previsto na 
Constituição que não 
pode ser usufruído por 
falta da lei 
regulamentadora. 
» OBJETO: normas 
constitucionais de 
eficácia limitada. 
 
Arguição de 
Descumprimento de 
Preceito Fundamental 
» Art. 102, §1º, CF. 
» Lei 9.882 e art. 2 
» Ação residual 
» Somente cabível 
quando o objeto não 
for abrangido por 
outra ação. 
» OBJETO: leis 
municipais e normas 
anteriores à CF. 
 
1. Universais: 
» Podem impugnar qualquer norma. 
 Presidente da República 
 Mesa do Senado Federal 
 Mesa da Câmara dos Deputados 
 Procurador-Geral da República 
 Conselho Federal da OAB 
 Partido Político com representação 
no Congresso Nacional. 
2. Especiais: 
» Precisam comprovar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.