A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Transtornos Ansiosos

Pré-visualização | Página 1 de 2

→ Podemos classificar os transtornos ansiosos em 
dois grandes grupos: 
 
 “Ansiedade pura”: 
↪ Constante e permanente: TGA 
(Transtorno de Ansiedade 
Generalizada); 
↪ Crises de ansiedade Abrupta: 
Transtorno de Pânico (TP); 
 
 “Ansiedade como componente importante”: 
transtornos fóbicos, conversões, TEPT 
(transtorno de estresse pós-traumático), TOC 
(transtorno obsessivo compulsivo). 
 
TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada)
 
→ Sintomas ansiosos excessivos na maior parte dos 
dias, por vários meses, vivendo tenso, angustiado, 
preocupado, nervoso, além de sintomas e sinais 
percebidos no corpo. 
 
→ A pessoa considera difícil controlar a preocupação 
e a ansiedade. 
 
→ Outros sintomas: 
 Insônia 
 Angústia 
 Dificuldade de relaxar 
 Dificuldade de concentrar 
 Irritabilidade 
 
→ Sintomas mais fisiológicos (Somatização) 
 Dores musculares 
 Dores ou queimação no estômago 
 Taquicardia 
 Tontura 
 Formigamento 
 Sudorese fria 
 
→ Faz-se necessário verificar se os sintomas ansiosos 
causam sofrimento clinicamente significativo e 
prejudicam a vida pessoal, social e ocupacional do 
indivíduo, no que diz respeito ao diagnóstico. 
 
→ Transtornos da personalidade (TPs) ocorrem 
frequentemente associados ao Transtorno de 
Ansiedade Generalizada, sendo os diagnósticos de TP 
mais frequentes em borderline e paranoide. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Crises de Ansiedade, Crises de Pânico 
 
→ Crises aleatórias com a eclosão (surgimento) de 
vários sintomas ansiosos em número e intensidade 
significativos. 
 
→ Sintomas: 
 Taquicardia 
 Suor frio 
 Tremores 
 Desconforto respiratório ou sensação de 
asfixia 
 Náuseas 
 Formigamentos em membros, dedos e/ou 
lábios. 
 
→ São marcantes em níveis elevados de ansiedade. 
O indivíduo pode experimentar a despersonalização 
(não se reconhece), desrealização (se desliga do 
ambiente em que está, focaliza nos fatores que 
causou a crise), medo de ter um ataque do coração, 
medo de morrer e/ou enlouquecer.→ As crises 
ocorrem em um período de duração de 5 à 15 
Jéssica Alves - Psicologia 
 
 
minutos (o ápice), raramente mais que 1 hora 
(porque é muito desgastante pro corpo). 
 
→ Os gatilhos que geram as crises são diversos. 
 
**Obs: A diferença entre ansiedade e 
síndrome do pânico está na intensidade dos sintomas 
e na imprevisibilidade de sua ocorrência. Enquanto 
a ansiedade tem causas mais lógicas e concretas, 
como um desafio a ser enfrentado ou uma situação 
delicada que está para ocorrer, a crise de pânico não 
tem hora nem motivo para começar. 
 
 Transtorno de Pânico 
 
→ Denomina-se transtorno de pânico após as crises 
sucessivas recorrentes com o medo de novas crises, 
preocupações com possíveis implicações da crise 
(perder o controle, ter um ataque cardíaco ou 
enlouquecer) e sofrimento subjetivo significativo. 
 
→ Podendo ser ou não acompanhado com 
Agorafobia (Fobia de estar em locais abertos ou com 
muita aglomeração). São coisas diferentes, bastante 
confundidas. 
 
 Transtorno de ansiedade de separação 
 
→ Predominante em crianças. 
 
→ Caracterizado pelo medo de separar-se de seus 
cuidadores/acompanhantes. 
 
→ Apresenta-se com muito medo e ansiedade (ex.: 
escola), amedrontada, medo que algo ruim aconteça. 
 
→ É possível ser observado em adultos (ex: 
necessidade constante de ter o companheiro por 
perto // completamente diferente de dependência 
emocional). 
 
→ Os sintomas devem durar muitos meses e ser 
suficientemente graves, prejudicando o 
desenvolvimento escolar, pessoal e social da criança, 
adolescente ou adulto. 
 
 Síndromes ansiosas de base orgânica 
 
→ Com origem orgânica (em crises de pânico ou 
ansiedade generalizada) resultante de doença física, 
uso de fármacos, substâncias ou outra condição 
orgânica. 
 Uso de fármacos. 
 Doenças. Ex: hipertireoidismo e 
hipotireoidismo, DPOC, câncer, etc. 
 Uso abusivo de álcool e outras drogas. 
 
→ São comuns nos quadros psicopatológicos 
associados ao período pré-menstrual e ao puerpério e 
relacionados a grandes cirurgias. 
 
→ É frequente a irritabilidade e a labilidade do 
humor. 
 
 Transtornos fóbicos 
 
→ Caracterizam-se por medos intensos e 
irracionais, desproporcionais, provocados por 
situações, objetos ou animais que notoriamente não 
oferecem perigo real. 
 
 Agorafobia (o medo e a angústia relacionam-
se a um conglomerado de pessoas em 
espaços abertos ou aglomeração que seja 
difícil de escapar). 
 
 Fobia simples ou específica (medo intenso, 
persistente, desproporcional e irracional, 
como medo de animais, de ver objetos 
cortantes ou medo de ver sangue). 
 
 Ansiedade Social e a Fobia Social (medo 
intenso e persistente de situações sociais de 
se expor ao contato interpessoal, demonstrar 
capacidade de desempenho ou participar de 
situações competitivas e de cobrança). 
 
 
**Fobia social como um quadro mais grave que a 
ansiedade social. 
 
 Transtornos dissociativos e conversivos. 
 
→ Conversão: Alterações das funções sensoriais ou 
motoras que lembram alterações neurológicas, mas 
não possuem substrato biológico, havendo uma 
 
espécie de salto dos sintomas da cognição para o 
corpo. (Converteu um aspecto psicológico em um 
sintoma físico – antigo “psicossomático”). 
 
↪ Ex: “Cegueira” momentânea após um 
estresse forte. 
 
→ Dissociação: Perturbação, a separação e o 
isolamento de aspectos da mente e da personalidade 
do indivíduo, podendo ser uma memória traumática 
(amnésia dissociativa), fuga dissociativa, transtorno 
dissociativo de personalidade. 
 
→ Pode ocorrer por meio de crises em que se perde 
parcialmente a consciência (a pessoa se “desliga” do 
ambiente e de si mesma), ou em episódios em que 
parte da memória é momentaneamente apagada, 
como a memória retrógrada de eventos traumáticos 
do passado. 
↪ Ex: Mulheres que são se recordam de ter 
sido abusadas. 
 
→ Transtornos de despersonalização (estranhamento 
e sensação de irrealidade em relação ao próprio Eu) 
ou desrealização (perceber o mundo ao redor, 
pessoas e objetos conhecidos e familiares como se 
fossem irreais ou estranhos, como se estivessem em 
um sonho). 
 
→ Transtornos de transe e Transe com possessão (o 
indivíduo deve apresentar estados de transe nos 
quais há alteração de seu estado de consciência, e 
o senso de identidade pessoal é alterado. Não faz 
parte do ambiente de cunho religioso). 
 
→ Crises histéricas: Chamada de Transtorno 
Conversivo (Só acontece na presença de outras 
pessoas e sente dores quando machucados, não há 
perca de consciência. É diferente de Crises Epiléticas). 
 
 Transtorno de Estresse Pós-Traumático 
(TEPT) 
 
→ Forte componente da ansiedade, associado a 
algum evento extremamente ameaçador, traumático 
e horrível. 
 
→ Caracterizado por 
lembranças vívidas do 
ocorrido que “invadem”, 
acompanhadas por 
emoções fortes e 
profundas, com ansiedade, 
medo e/ou horror e 
sensações físicas marcantes. 
 
→ Contínua experiência de ameaça. 
 
 Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) 
 
→ Na classificação atual é um capítulo à parte dos 
transtornos ansiosos. 
 
→ Se caracterizam por ideias, fantasias e imagens 
obsessivas e por atos, rituais ou comportamentos 
compulsivos. 
 
→ Pode ser classificado em: 
 
 Quadros obsessivos: caracterizam-se por 
ideias, pensamentos, fantasias ou imagens 
persistentes que surgem de forma recorrente 
na consciência; são vivenciados com angústia 
e como algo que “invade” a consciência). 
 
 Quadros compulsivos: comportamentos e 
rituais repetitivos (Ex.: lavar as mãos 
inúmeras vezes, tomar muitos banhos, colocar 
todos os objetos do quarto em certa ordem) 
assim como atos mentais (ex.: fazer listas 
mentais, fazer determinadas contas) em geral 
em resposta a uma ideia obsessiva. 
 
 
 Hipocondria ou Transtorno Hipocondríaco 
 
→ Predomina temores de adoecer, geralmente ligado 
a uma doença grave, gerando constante ansiedade. 
 
→ O paciente não sofre de transtorno delirante, e 
possui crítica