A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
QUESTÕES COMENTADAS - PODER LEGISLATIVO

Pré-visualização | Página 1 de 2

QUESTIONÁRIO COMENTADO PODER LEGISLATIVO 
GABARITO: 1) A 2) B 3) C 
1. Josué, deputado federal no regular exercício do mandato, em entrevista dada, em sua 
residência, à revista Pensamento, acusa sua adversária política Aline de envolvimento com 
escândalos de desvio de verbas públicas, o que é objeto de investigação em Comissão 
Parlamentar de Inquérito instaurada poucos dias antes. 
Não obstante, após ser indagado sobre os motivos que nutriam as acaloradas disputas entre 
ambos, Josué emite opinião com ofensas de cunho pessoal, sem qualquer relação com o 
exercício do mandato parlamentar. 
Diante do caso hipotético narrado, conforme reiterada jurisprudência do Supremo Tribunal 
Federal sobre o tema, assinale a afirmativa correta. 
a. Josué poderá ser responsabilizado penal e civilmente, inclusive por danos morais, 
pelas ofensas proferidas em desfavor de Aline que não guardem qualquer relação com o 
exercício do mandato parlamentar. 
 
A questão trata da imunidade material dos Deputados e Senadores. Segundo o art. 53 da 
CF/88, os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas 
opiniões, palavras e votos, desde que tenha relação com o exercício da sua atividade. Como a 
opinião proferida pelo Deputado, foram de cunho pessoal e não guardava qualquer relação com 
o exercício do mandado parlamentar, ele poderá ser responsabilizado penal e civilmente, 
inclusive por danos morais, pelas ofensas proferidas em desfavor de Aline. De acordo com o 
entendimento do STF [Inq 2.134, rel. min. Joaquim Barbosa, j. 23-<3>-2006, P, DJ de 2-2-
2007.], os Deputados e Senadores apenas permanecem amparados pela imunidade material 
quando estiverem no exercício da sua função, nos recintos do Congresso, quando o Deputado 
ou Senador estiver fora da casa legislativa, a incidência da imunidade dependerá da 
comprovação de que o parlamentar estava no exercício da sua função. 
 
b. Josué encontra-se protegido pela imunidade material ou inviolabilidade por suas 
opiniões, palavras e votos, o que, considerado o caráter absoluto dessa prerrogativa, impede a 
sua responsabilização por quaisquer das declarações prestadas à revista. 
 
O item está incorreto pois a imunidade material não tem caráter absoluto. 
 
c. Josué poderá ter sua imunidade material afastada em virtude de as declarações terem 
sido prestadas fora da respectiva casa legislativa, independentemente de estarem, ou não, 
relacionadas ao exercício do mandato. 
 
O item está incorreto, para a imunidade material ser aplicada é necessário que as declarações 
estejam ligadas com o exercício do mandato. 
 
d. A imunidade material, consagrada constitucionalmente, foi declarada inconstitucional 
pelo Supremo Tribunal Federal, de modo que Josué não poderá valer-se de tal prerrogativa para 
se isentar de eventual responsabilidade pelas ofensas dirigidas a Aline. 
 
http://redir.stf.jus.br/paginador/paginador.jsp?docTP=AC&docID=402356
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/artigo.asp?item=709&tipo=CJ&termo=3#ctx5
http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/artigo.asp?item=709&tipo=CJ&termo=3#ctx7
O item está incorreto, pois o Supremo Tribunal Federal não declarou a imunidade material 
como inconstitucional. 
 
2. O senador João fora eleito Presidente do Senado Federal. Ao aproximar-se o fim do exercício 
integral do seu mandato bienal, começa a planejar seu futuro na referida casa legislativa. 
Ciente do prestígio que goza entre seus pares, discursa no plenário, anunciando a intenção de 
permanecer na função até o fim de seu mandato como senador, o que ocorrerá em quatro anos. 
Assim, para que tal desejo se materialize, será necessário que seja reeleito nos dois próximos 
pleitos (dois mandatos bienais). 
Sobre a intenção do senador, segundo o sistema jurídico-constitucional brasileiro, assinale a 
afirmativa correta. 
a. Será possível, já que não há limites temporais para o exercício da presidência nas casas 
legislativas do Congresso Nacional. 
 
O item está incorreto, pois há limite temporal para o exercício da presidência nas casas 
legislativas do Congresso Nacional. O mandato é de dois anos e é proibida a recondução para 
o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente, conforme determina o § 4o do art. 57 
da CF/88; 
 
b. Não será possível, pois a Constituição proíbe a reeleição para esse mesmo cargo no 
período bienal imediatamente subsequente. 
A Constituição, em seu art. 57, § 4°, proíbe a recondução para esse mesmo cargo no período 
bienal imediatamente subsequente. De acordo com o citado dispositivo, cada uma das Casas 
reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1 de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, 
para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de 2 (dois) anos, 
vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente; 
c. É parcialmente possível, pois, nos moldes da reeleição ao cargo de Presidente da 
República, ele poderá concorrer à reeleição uma única vez. 
 
O item está incorreto, pois mais uma vez, é proibida a recondução para o mesmo cargo na 
eleição imediatamente subsequente; 
d. Não é possível, pois o exercício da referida presidência inviabiliza a possibilidade de, 
no futuro, vir a exercê-la novamente. 
 
O item está incorreto, pois é possível que o exercício da referida presidência ocorra novamente 
no futuro. O que o texto constitucional proíbe é a recondução para o mesmo cargo na eleição 
imediatamente subsequente 
 
3. Ocorreu um grande escândalo de desvio de verbas públicas na administração pública federal, 
o que ensejou a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), requerida pelos 
deputados federais de oposição. Surpreendentemente, os oponentes da CPI conseguem que o 
inexperiente deputado M seja alçado à condição de Presidente da Comissão. Por não possuir 
formação jurídica e desconhecer o trâmite das atividades parlamentares, o referido Presidente, 
sem consultar os assessores jurídicos da Casa, toma uma série de iniciativas, expedindo ofícios 
e requisitando informações a diversos órgãos. Posteriormente, veio à tona que apenas uma de 
suas providências prescindiria de efetivo mandado judicial. Assinale a opção que indica a única 
providência que o deputado M poderia ter tomado, prescindindo de ordem judicial. 
 
a. Determinação de prisão preventiva de pessoas por condutas que, embora sem flagrância, 
configuram crime e há comprovado risco de que voltem a ser praticadas. 
 
O item está incorreto, pois de acordo com o art. 5º, LXI, da CF/88: Ninguém será preso senão 
em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, 
salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei; 
 
b. Autorização, ao setor de inteligência da Polícia Judiciária, para que realize a 
interceptação das comunicações telefônicas (“escuta”) de prováveis envolvidos. 
 
O item está incorreto, pois de acordo com o art. 5º, XII, da CF/88: É inviolável o sigilo da 
correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, 
salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para 
fins de investigação criminal ou instrução processual penal; 
 
c. Quebra de sigilo fiscal dos servidores públicos que, sem aparente motivo, 
apresentaram público e notório aumento do seu padrão de consumo. 
 
Em regra, as Comissões Parlamentares de Inquérito têm os mesmos poderes de investigação do 
juiz (art. 1º da Lei 1.579/52, com redação dada pela Lei 13.367/2016). Mas os seus poderes 
encontram limites nas hipóteses de reserva de jurisdição, quase todas previstas no art. 5º da 
Constituição. 
 
d. Busca e apreensão de documentos nas residências de sete pessoas supostamente 
envolvidas no esquema de desvio de verba. 
 
O item está incorreto, por conta da incidência das vedações do art. 5º, XI (a casa é asilo 
inviolável