A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
PGRSS

Pré-visualização | Página 1 de 1

PGRSS
O qu� � PGRSS?
PGRSS (Plano de Gerenciamento de
Resíduos do Serviço de Saúde) é um conjunto
de documentos que, assim como o PGRS,
apresentam ações exigidas pelos órgãos
ambientais e vigilância sanitária por parte dos
geradores de resíduos de qualquer
estabelecimento ligado à área da saúde.
Também descreve as ações relativas ao manejo
dos resíduos da saúde, identi�cando
características e riscos, contemplando os
aspectos referentes à geração, segregação,
acondicionamento, coleta, armazenamento,
transporte, tratamento e disposição �nal, bem
como as ações de proteção à saúde pública e ao
meio ambiente.
O primeiro passo para a elaboração do
PGRSS é conhecer os resíduos de saúde que o
empreendimento gera. A partir deste ponto,
analisar quais são os requisitos legais
aplicáveis:
● A Lei nº 12.305/2010, a Resolução da
Anvisa Nº 306/2004 e a Resolução
CONAMA nº 358/2005 são as
principais normas legais relacionadas
ao Gerenciamento de Resíduos de
Serviço De Saúde.
Objetiv� d� PGRSS
O objetivo do PGRSS é minimizar ou
eliminar a geração de resíduos e garantir que
os resíduos, uma vez produzidos, recebam
encaminhamento correto e e�ciente, tendo
em vista a proteção não só dos trabalhadores,
como também do meio ambiente e da saúde
pública.
Além disso, proporcionar que toda a cadeia de
geração do resíduo, da geração até sua
disposição �nal seja monitorada, que os riscos
em cada etapa sejam levantados e que planos
emergências em caso de acidentes sejam
prontamente e corretamente aplicados para
minimizar os riscos à saúdes das pessoas e os
danos ao meio ambiente.
http://projetasustentavel.com/blog/plano-de-gerenciamento-de-residuos-solidos-pgrs/
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm
http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0306_07_12_2004.pdf/95eac678-d441-4033-a5ab-f0276d56aaa6
http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0306_07_12_2004.pdf/95eac678-d441-4033-a5ab-f0276d56aaa6
http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462
Geradore� d� Resídu� d� Saúd� qu�
deve� f�er � PGRSS
Segundo a Resolução da Anvisa Nº 306/2004,
de�nem-se como Geradores de Resíduos de
Serviço de Saúde (RSS) qualquer serviço
oferecido à saúde humana ou animal,
inclusive assistência domiciliar, instituições
de ensino e pesquisa da área da saúde e, até
mesmo, unidades móveis de atendimento são
designadas como geradores de resíduos de
serviço de saúde.
● Hospitais, Clínicas, Unidades de
Saúde, Serviços que prestam
assistência à saúde humana ou animal,
incluindo os prestadores de programas
de assistência domiciliar (hospitais,
clínicas, serviços ambulatoriais de
atendimento médico e odontológico,
serviços veterinários);
● Serviços de ensino e pesquisa na área
de saúde;
● Serviços de acupuntura e de tatuagem;
● Serviços de atendimento radiológico,
de radioterapia, de medicina nuclear e
de tratamento quimioterápico;
● Serviços de hemoterapia e unidades de
produção de hemoderivados;
● Laboratórios de análises clínicas e de
anatomia patológica;
● Necrotérios e serviços que realizam
atividades de embalsamamento e de
medicina legal;
● Drogarias, farmácias, inclusive as de
manipulação;
● Unidades de controle de zoonoses;
● Indústrias farmacêuticas e
bioquímicas;
● Unidades móveis de atendimento à
saúde;
● Demais serviços relacionados ao
atendimento à saúde, que gerem
resíduos perigosos.
Periodicidad� d� revisã�
O prazo de vigência da respectiva licença de
operação é que determina a periodicidade de
revisão do PGRSS, visto que na obtenção da
renovação da licença de operação, um novo
PGRSS ou sua atualização deverá ser anexado
ao pedido de renovação. Entretanto, em caso
de reformas que modi�quem o layout do local
(ex.: retirada de paredes, abertura de janelas,
etc) ou em caso de ampliação do local, deve-se
rever e atualizar o PGRSS.
http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0306_07_12_2004.pdf/95eac678-d441-4033-a5ab-f0276d56aaa6
Qua� � penalidad� par� a� empresa� qu�
nã� p�sue� � PGRSS?
A ausência do PGRSS nos estabelecimentos
acarretará em uma série de sanções, das quais
podemos destacar o Art.29 da Resolução
CONAMA nº 358/2005: O não
cumprimento do disposto nesta Resolução
sujeitará os infratores às penalidades e sanções
previstas na legislação pertinente, em especial
na Lei nº 9.605/98 (Crimes Ambientais)
O art. 72 da Lei nº 9.605/98 estabelece as
penalidades administrativas, que vão de uma
advertência a multas, suspensão parcial ou
total das atividades a penas restritivas de
direitos (perda da licença, incentivos �scais,
contratar com serviço público, etc.).
Além disso, existe a possibilidade de aplicação
na esfera penal de penas de detenção e
reclusão aos responsáveis das empresas que se
omitirem de fazer o PGRSS ou não realizarem
de forma correta as etapas do manejo dos
resíduos de saúde e assim provocarem um
crime ambiental.
O qu� sã� Resídu� d� Serviç� d� Saúd�
- RSS?
Os Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) são
todos aqueles resultantes de atividades
exercidas nos serviços relacionados com o
atendimento à saúde humana ou animal. Por
suas características, necessitam de processos
diferenciados em seu manejo, exigindo ou não
tratamento prévio à sua disposição �nal.
http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605.htm
Etapa� d� Manej� d� Resídu� d�
Serviç� d� Saúd� n� PGRSS
O manejo dos resíduos de serviços de saúde é
o conjunto de ações voltadas ao
gerenciamento dos resíduos gerados. Deve
focar os aspectos intra e
extra-estabelecimento, indo desde a geração
até a disposição �nal, respeitando as diretrizes
do PGRSS e devem incluir as seguintes
etapas:
1 - Segregação dos RSS
2 - Acondicionamento dos RSS
3 - Identi�cação dos RSS
4 - Transporte interno dos RSS
5 - Armazenamento temporário dos RSS
6 - Tratamento dos RSS
7 - Armazenamento externo dos RSS
8 - Coleta e transporte externos dos RSS
9 - Disposição �nal dos RSS
O� resídu� originad� d� áre� d� saúd�
sã� dividid� entr� cinc� grup�:
● Grupo A: Resíduos com a possível
presença de agentes biológicos (vírus,
bactérias, fungos) que podem
apresentar risco de infecção.
Exemplos: algodão, gaze, espátula,
absorvente e cotonete contaminados
com materiais biológicos, entre outros.
● Grupo B: resíduos contendo
substâncias químicas que podem
apresentar risco à saúde ou ao meio
ambiente, dependendo de suas
características quanto a
in�amabilidade, corrosividade e
toxicidade, contendo substâncias
químicas que podem apresentar risco à
saúde pública ou ao meio ambiente.
● Grupo C: resíduos contaminados com
radionuclídeos, provenientes de
laboratório de análises clínicas,
serviços de medicina nuclear e
radioterapia.
● Grupo D: resíduos que não
apresentam risco biológico, químico
ou radiológico à saúde ou ao meio
ambiente. Suas características são
similares às dos resíduos domiciliares.
Podem ser subdivididos em recicláveis
e não recicláveis.
● Grupo E: materiais perfurocortantes
ou escari�cantes, tais como agulhas e
lâminas de vidro, contaminados ou
não.
@_laisac�ta�
Font� consultad�: www.projetasustentáve�.co�