A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
94 pág.
[LIVRO] Embriologia e Histologia Alves

Pré-visualização | Página 16 de 24

O Estado de São Paulo, 31 dez. 1989.)
RESPONDA:
 “Quem surgiu primeiro: o ovo ou a galinha?”
Estamos acostumados com uma pergunta que parece brincadeira: “Quem surgiu
primeiro: o ovo ou a galinha?” Podemos interpretar a frase da seguinte maneira: quem
surgiu primeiro na evolução dos vertebrados: o ovo ou as aves? Responda com argumentos
do texto. Aproveite a oportunidade e utilize o texto para construir um mapa conceitual,
mostrando a evolução dos vertebrados, tendo como ponto de partida o ovo.
3.....As figuras representam embriões de anfíbios, aves e mamíferos.
Que critério você usaria para identificar o embrião de cada uma das classes
mencionadas? Identifique cada um dos embriões.
56
Embriologia
e Histologia
Comparada
Leia e analise o texto: CLONAGEM DE MAMÍFEROS
Os animais vertebrados não se reproduzem assexuadamente em
condições normais; entretanto, admite-se que eles possam ser “clonados”.
Clonagem – a produção de uma cópia de individuo – é uma forma assexuada
de reprodução porque requer somente genes de uma célula genitora. As células
dos vertebrados são totipotentes, isto é, cada célula tem todos os genes
básicos de sua espécie. Entretanto, durante o desenvolvimento, certos genes são
“desligados”, à medida que as células se especializam. Células musculares, por exemplo,
especializam-se na contração; células nervosas especializam-se em conduzir impulsos
nervosos; células glandulares especializam-se em secretar. A clonagem de um vertebrado
adulto requer que todos os genes da célula escolhida possam ser “ligados” novamente.
Pensava-se que isso não fosse possível.
Apesar dos formidáveis obstáculos, os pesquisadores nunca desistiram. Até então,
sapos e mesmos macacos já haviam sido clonados, em certas circunstâncias. Em sapos,
por exemplo, podia-se extrair o núcleo da célula intestinal de um girino e transplantá-lo para
um ovo de sapo cujo núcleo havia sido removido. Em alguns experimentos, conseguiu-se
obter sapos adultos. Em macacos extraíram-se os núcleos de células de embriões muitos
jovens, com apenas algumas células. Somente nesses casos, em que a diferenciação entre
as células era mínima, obtiveram-se alguns sucessos, com o desenvolvimento de um macaco
completo. Porém, seria preferível usar núcleos adultos, porque só assim seria possível
conhecer bem as características do individuo que se deseja clonar.
Em março de 1997, Ian Wilmut, do Instituto Rosling de Edimburgo, Escócia, anunciou
que ele e seus colegas haviam clonado uma ovelha a partir da célula de uma ovelha adulta.
Para conseguir esse feito memorável, eles usaram um procedimento descrito na figura a
seguir. A célula doadora foi retirada do úbere (glândula mamária) de uma ovelha de raça
Finn Dorset, e as células-ovo receptoras eram provenientes de ovelhas Blackface. Em 29
clonagens realizadas, apenas uma – chamada Dolly – teve sucesso. Em que os procedi-
mentos de Wilmut e sua equipe diferiam de outros que haviam sido tentados, sem sucesso?
Os pesquisadores privaram de alimento as células doadoras, fazendo-as literalmente
“passar fome”. Isso fez com que elas parassem de se dividir e entrassem em um estado de
repouso, o que tornou seus núcleos mais sensíveis aos sinais enviados pelo citoplasma do
ovo para iniciar o desenvolvimento.
Os cientistas estão observando se Dolly tende a envelhecer mais rapidamente do
que uma outra ovelha normal. Afinal, ela foi produzida a partir de um núcleo 2n que já tinha 6
anos de idade. Seria Dolly mais suscetível a doenças, o que poderia encurtar sua vida?
Se as dificuldades forem superadas, haverá vantagens em clonar animais. Por
exemplo, uma experiência em que usássemos animais clonados e, portanto, geneticamente
muito semelhantes, permitiria eliminar a “variação genética”, que tanto prejudica os
experimentos científicos. A clonagem, usada em conjunto com os métodos de Engenharia
Genética, poderia ajudar a criar organismos transgênicos. Poderia, também, salvar espécies
ameaçadas de extinção, e muito mais.
O publico é fascinado pela idéia de ser possível clonar seres humanos. Isso levou o
presidente americano Bill Clinton a publicar um decreto que impede a aplicação de fundos
federais para financiamento de projetos de clonagem em seres humanos. Os biólogos
querem ter certeza de que o publico realmente compreende que um clone não seria uma
copia exata da pessoa que foi clonada. O clone começaria a vida como criança, viveria em
outra família e em condições muito diferentes das que viveu o “original”. Seres humanos,
além de tudo, são não apenas o produto da expressão de seus genes, mas também do
ambiente em que vivem.
(Traduzido de Mader Sylvia S., Biology 6th edition, Boston, WCB/McGraw-Hill, 1998, p. 897.)
4.....
57
Após a leitura do texto acima, analise atentamente o desenho esquemático para
responder as questões. Com a fusão das células retiradas das ovelhas Finn Dorset e
Blackface aconteceram alguns fenômenos embriológicos.
a) Esquematize na ordem de acontecimento esses fenômenos desde a fusão das
células até a formação do organismo adulto.
b) Lembre-se dos conhecimentos construídos ao estudar a disciplina Genética para
responder este item. O organismo resultante desta fusão terá quais características genéticas:
a ovelha Finn Dorset ou da Blackface? Justifique sua resposta.
As figuras abaixo mostram as fases iniciais do desenvolvimento embrionário do
anfioxo:
5.....
Identifique essas fases e, em seguida, descreva as diferenças de cada uma delas
em relação à fase anterior.
Aprendemos que os animais podem ser classificados de acordo com a estrutura em
que se transforma o blastóporo. Aplique este conhecimento realizando a classificação da
espécie animal a qual pertence a questão 3.
6.....
58
Embriologia
e Histologia
Comparada
Caracterize blástula, empregando os termos blastoderma e blastocela.6.....
O que significa dizer que a segmentação é meroblástica?7.....
Responda, em uma só frase, a estas duas perguntas:
O que é clivagem?
O que são blastômeros?
8.....
59
FUNDAMENTOS DE HISTOLOGIA
Este bloco temático dará inicio ao estudo dos tecidos animais, com suas
particularidades, como possuir células especiais para funções determinadas. Será formado
por dois temas: o surgimento da multicelularidade e os tecidos conjuntivos e o tema 4 que
abordará os aspectos morfo-funcionais dos tecidos não conjuntivos. Mergulhe de cabeça
na ciência dos tecidos!
 O SURGIMENTO DA MULTICELULARIDADE E
OS TECIDOS CONJUNTIVOS
HISTOLOGIA – a palavra tem origem do grego hydton, que significa tecido. Assim
costuma-se definir Histologia, como a parte da biologia que estuda os tecidos biológicos.
Mas, o que é Tecido?
As definições para tecidos são inúmeras, como você pode verificar:
“Tecido é uma especialização morfológica, físico-químico e fisiológico de células”
(GRASSE).
“Tecido é um conjunto de células da mesma natureza, diferenciadas em
determinado sentido para poderem realizar a sua função própria”
(SCHUMACHER).
“Tecido é um grupo de células que apresentam a mesma função própria”
(MENEGOTTO).
O que tem em comum esses três conceitos?
Só para deixá-los tranqüilos, todos os conceitos acima estão corretos. Os tecidos
do corpo dos animais vertebrados desempenham variadas funções que por sua vez são
formados por células especializadas. No corpo dos animais pluricelulares, exceto
espongiários, são constituídos por células agrupadas e organizadas, formando os tecidos.
Precisa-se de requisito para termos um tecido que seja composto de um grupo de
células, que devera apresentar a mesma função.
Vamos pensar...
Agora, você já é capaz de construir um conceito para tecido?
Então, mãos à obra!
Processos de Formação e Estrutura dos Tecidos Animais
Um indivíduo adulto possui trilhões de células oriundas da célula-ovo, por isso todas
as células do organismo possuem o mesmo conjunto de genes (genoma). O que

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.