A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Correlação de Neuroanatomia - Estrutura e Função

Pré-visualização | Página 4 de 4

trigêmeo (V)
Responsável pela inervação sensitiva da maxila, 
incluindo dos dentes
Ramo oftálmico do 
nervo trigêmeo (V)
Responsável pela inervação sensitiva da cavidade 
orbital
Ramo posterior do sulco 
lateral
Relacionado ao giro supramarginal, que é uma 
área cortical terciária, integra informações das 
áreas auditiva, visual e somestésica, importante 
para percepção espacial e corporal
Rostro do corpo caloso União entre os dois hemisférios
Saco dural
Formado pela dura-máter, que envolve a medula 
e protege o SNC
Seio cavernoso - 
cavidade irregular de 
cada lado da sela túrcica
Drenagem venosa das veias oftálmica superior e 
central da retina para os seios petrosos superior e 
inferior; atravessado pela artéria carótida interna, 
nervo VI, IV, III e ramo oftálmico do nervo V
Aneurisma da carótida interna: 
distúrbios no movimento do globo 
ocular; Perfuração da carótida 
interna: exoftálmico pulsátil
Seio esfenoparietal - 
face interna da asa do 
esfenoide
Drenagem venosa para o seio cavernoso
Seio occipital - pequeno 
e irregular, ao longo da 
margem de inserção da 
foice do cerebelo
Drenagem venosa
Seio petroso inferior - 
percorre o sulco petroso 
inferior, entre o seio 
cavernoso e o forame 
jugular
Drenagem venosa para a veia jugular
Seio petroso superior - 
de cada lado da inserção 
da tenda do cerebelo
Drena sangue dos seios cavernoso e sigmóide
Seio reto - ao longo da 
linha de união entre a 
foice e a tenda do 
cerebelo
Recebe sangue venoso do seio sagital inferior e da 
veia cerebral magna, desembocando na 
confluência dos seios
Seio sagital inferior - na 
margem livre da foice do 
cérebro
Drenagem venosa para o seio reto
Seio sagital superior Drenagem venosa para a confluência dos seios
Seio sigmóide - 
continuação do seio 
transverso em forma de 
"S"
Drenagem venosa de quase a totalidade da 
cavidade craniana
Seio transverso - de cada 
lado ao longo da 
inserção da tenda do 
cerebelo
Drenagem venosa; na parte petrosa do osso 
temporal passa a ser chamado seio sigmóide
Septo pelúcido
Duas lâminas delgadas de tecido nervoso; separa 
os dois ventrículos laterais
Sifão carotídeo - dupla 
curva da artéria carótida 
interna
Importante para reduzir o efeito (pressão) da 
onda sistólica
Substância cinzenta 
periaquedutal
Controla entrada de impulsos dolorosos; integra 
as vias descendentes de analgesia
Substância negra Modulação da motricidade somática
Degeneração dos neurônios 
dopaminérgicos causam diminuição 
da dopamina no corpo estriado, 
provocando perturbações motoras 
características do Parkinson
Substância perfurada 
anterior
Por onde passam os ramos centrais da artéria 
cerebral média (artérias estriadas), que irrigam a 
maior parte do corpo estriado e cápsula interna
Lesão grave: já que pela cápsula 
interna passam quase todas as fibras 
de projeção do córtex cerebral
Sulco basilar Aloja a artéria basilar
Sulco bulbo-pontino - 
ventral
Separa o bulbo da ponte; por onde emergem os 
nervos abducente, facial, intermédio e vestíbulo-
coclear
Sulco calcarino Lábios compõem a área visual primária
Sulco central
Separa os giros pré-central e pós-central; separa 
os lobos frontal e parietal
Sulco colateral Divide os giros occípito-temporais medial e lateral
Sulco do cíngulo
Separa o giro do cíngulo do restante do córtex 
cerebral; relacionado ao comportamento 
emocional e memória
Sulco do corpo caloso
Aloja a artéria cerebral anterior; separa o corpo 
caloso do córtex cerebral
Sulco frontal inferior Separa os giros frontais médio e inferior
Sulco frontal superior Separa os giros frontais superior e médio
Sulco hipotalâmico Divide tálamo e hipotálamo
Sulco intermédio 
posterior
No tronco encefálico: separa os tubérculos do 
grácil e do cuneiforme no bulbo; na medula: 
separa os fascículos grácil e cuneiforme
Sulco intraparietal Divide o lobo parietal
Sulco lateral Separa os lobos frontal e temporal
Sulco lateral anterior
 Limite anterior da oliva, local de emergência do 
nervo hipoglosso (XII); na medula: onde emergem 
as raízes motoras dos nervos espinhais
Sulco lateral posterior
No tronco encefálico: limite posterior da oliva, 
onde emergem os nervos glossofaríngeo, vago e 
acessório; na medula: por onde chegam as raízes 
sensitivas dos nervos espinhais
Sulco limitante
Sulco mediano
Sulco mediano posterior
Sulco rinal
Sulco occípito-temporal
Divide os giros occípito-temporal lateral e 
temporal inferior
Sulco olfatório
Separa o giro olfatório dos giros orbitários (muito 
irregulares)
Sulco parieto-occipital Divide os lobos parietal e occipital do cérebro
Sulco pós-central Área somestésica 
Sulco pré-central
Separa o giro pré-central do restando do lobo 
frontal; relacionado com as áreas motoras 
primária e secundária
Sulco temporal inferior Separa os giros temporais médio e inferior
Sulco temporal superior Separa os giros temporais superior e médio
Tálamo
Modula vias aferentes ao córtex cerebral; 
motricidade, sensibilidade e ativação do córtex
Tenda do cerebelo
Prega de dura-máter que separa o cérebro do 
cerebelo
Tonsila do cerebelo
 Compõe o espino-cerebelo, responsável pela 
correção do movimento
Trato olfatório Conduz fibras responsáveis pelo olfato
Trato óptico Conduz fibras responsáveis pela visão
Trígono das habênulas
Abriga a habênula, relacionada com a inibição das 
áreas de prazer; importante no comportamento 
emocional
Hiperestimulação: depressão severa
Trígono do hipoglosso - 
medial
Assoalho do IV ventrículo; abriga o núcleo do 
hipoglosso, relacionado com a inervação motora 
da língua
Trígono do vago - lateral
Assoalho do IV ventrículo; abriga o núcleo do 
vago, relacionado com a inervação motora das 
vísceras abdominais e torácicas
Tronco do corpo caloso União entre os dois hemisférios
Túber cinéreo - atrás do 
quiasma e dos tratos 
ópticos
Assoalho do III ventrículo, prende-se à hipófise 
pelo infundíbulo; região entre o infundíbulo e os 
corpos mamilares
Tubérculo do núcleo 
cuneiforme - lateral
 Local de sinapse das fibras do trato cuneiforme, 
responsável pela propriocepção consciente, pelo 
tato epicrítico e sensibilidade vibratória dos 
membros superiores
Tubérculo do núcleo 
grácil - medial
Local de sinapse das fibras do trato grácil, 
responsável pela propriocepção consciente, pelo 
tato epicrítico e sensibilidade vibratória dos 
membros inferiores
Túber Coordenação dos movimentos delicados
Úncus - final do giro para-
hipocampal, quando ele 
dobra em si mesmo
Área primária da olfação (parte anterior); integra 
o circuito de Papez, importante para a memória 
(sistema límbico)
Crises uncinadas: alucinações 
olfatórias; hipertensão craniana pode 
causar hérnia do úncus que leva à 
morte por comprimir o bulbo
Veia cerebral magna
Drena sangue das veias cerebrais internas para o 
seio reto
Veia tálamo estriada
Vérmis
Divide o cerebelo em dois hemisférios; integra o 
espino-cerebelo, responsável pela correção do 
movimento