A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Fecundação

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fecundaçã�
Maturidad� espermátic�
Durante a passagem do epidídimo
- Aquisição do movimento progresssivo
- Maturação dos receptores da membrana
espermática: importante para o
reconhecimento das proteínas da zona
pelúcida, visto que a ligação
espermatozóides-zona pelúcida é específica.
- Motivo de não ocorrer fecundação
interespecífica
- No caso de fecundação entre espécies
parecidas (ex: equino e jumento), o feto
será infertil.
Capacitaçã� espermátic�
Secreções = plasma seminal
- da glândula ampolar, da vesícula seminal, da
próstata e do bulbo uretral serão lançadas na
uretra junto com os espermatozóides
Descapacitação
- Quando o espermatozóide entra em contato
com as proteínas do plasma seminal, se ligam
aos receptores dele, ficando
momentaneamente incapaz de fecundar, pois
os receptores precisam estar livres para se
ligarem na zona pelúcida do oócito.
Após ejaculação: capacitação
- Ocorre no trato reprodutor feminino
- A medida que o espermatozóide passa pelos
cílios do oviduto, as proteínas do sêmen que
estavam ligadas aos receptores do
espermatozóide vão sendo retiradas.
Reaçã� d� acr�som�
O espermatozóide tem que passar por todas as
camadas de células para chegar na zona pelúcida.
Acrossoma
- Vesícula com enzimas proteolíticas
- Acrosina: degrada proteínas da zona
pelúcida
- Hialuronidase: retira as células da
granulosa
Zona pelúcida
- Tem um arranjo formado por 3 proteínas de
zona pelúcida: zp1, zp2 e zp3, a maioria das
espécies, algumas tem 4
- Se organizam de forma tridimensional
- Fazem polímeros de zp2 e zp3 e a zp1 faz
papel de ligação entre eles, forma rede
protéica
- Cada espécie tem associado a zp3 uma cadeia
de oligossacarídeo que é específico e será
reconhecido pelos receptores dos
espermatozóides
A reação:
- Ligação primária:
- O espermatozóide liga suas endoproteinas
de zona pelúcida com a parte glicosilada
da zp3
- Quando faz essa ligação, ele sofre a
reação do acrossomo e com isso a
membrana se desfaz
- Ligação secundária:
- Será feita com a parte proteica da zp3, e
a medida que degrada a zp3 fica preso na
zp2
- Os receptores se ligam na zona pelúcida
na porção glicosilada
- Fusão das membranas do acrossomos e
do espermatozóide.
- Fragmentos de membranas retiradas,
enzimas liberadas e só resta membrana na
porção equatorial, por isso entra de forma
perpendicular e depois deita quando se
prende a zp2.
Fecundação:
- É a fusão das membranas plasmáticas, o
conteúdo nuclear é lançado para dentro do
ovócito.
Reaçã� cortica�
Ocorre para evitar que o espermatozóide faça mais de
1 fusão com a membrana plasmática do oócito.
- Se fizesse o embrião teria o núcleo de mais de
um espermatozóide, sendo polissêmico e não
compatível com vida.
Fusão das membranas:
- No momento em que ocorre, há um grande
fluxo de Ca+ e ocorre a fusão dos grânulos
corticais com a membrana plasmática do
próprio oócito, fica um poro e as enzimas
hidrolíticas são lançadas: alteram a zona
pelúcida e degradam a zp2, assim a zp3 não
vai ter parte glicosilada exposta.
Oócito secundário ( em metáfase II):
- Quando fecundado o núcleo entra e ocorre a
meiose II, metade dos cromossomos são
lançados para fora do citoplasma: núcleos
haplóides.
Os pró núcleos XX e Xy começam o processo de
migração para se encontrarem e fazerem a primeira
divisão do embrião.
- Iniciam a prófase da mitose antes de se
encontrarem.
- Mamíferos: não ocorre cariogamia: primeiro
fusão e depois prófase, quando se encontram
as membranas se rompem e se organizam
para fazer metáfase.