A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Atividade microbiologia - PDF

Pré-visualização | Página 1 de 2

Responda aos questionamentos abaixo: 
QUESTÃO 1: Sobre as bactérias do gênero Rickettsia spp., responda: 
A) Quem são essas bactérias? Caracterize-as (forma, arranjo (se tiver), 
comportamento na coloração de Gram, fatores de virulência, se formam 
esporos, se produzem toxinas, etc). 
R: Rickettsia se refere ao grupo de microorganimos da classe 
Proteobacteria, que compreende espécies do gênero Rickettsia, 
Orientia, Ehrlichia, Anaplasma, Neorickettsia, Coxiella e Bartonella. 
É um gênero de bactérias que são carregadas como parasitas por vários 
carrapatos, pulgas e piolhos, e causam doenças tais como tifo 
epidêmico e a febre escaronodular ou botonosa em seres humanos. As 
rickettsias, tais como os vírus e as clamídias, crescem apenas dentro de 
células vivas. Tem o formato cocóide, não possuem peptidoglicano, sua 
parede celular é formada por proteínas, elas infectam as células do 
endotélio vascular, são intracelulares obrigatórios, não se coram pelo 
Gram, coram-se pelo Giemsa – inconclusivo. O gênero apresenta 
aproximadamente mais de 1.000 espécies. É transmitida por picada de 
artrópodes: piolhos, pulgas e carrapatos. Produzem bastante toxinas, 
são aeróbios estritos, seu genoma é muito pequeno, é a menor bactéria 
de todas, possui capacidade biossintética limitada. Esse grupo de 
bactérias não apresenta a capacidade de formar esporos, por isso, não 
podem sobreviver fora do organismo hospedeiro. 
Como exemplo de doenças causadas por rickéttsias pode-se citar a 
febre Q, o tifo murino endêmico e o tifo epidêmico. 
 
 
B) Como elas podem ser transmitidas aos animais e homem? 
R: As rickettsias não costumam ser transmitidas de pessoa para pessoa, 
exceto por transfusão sanguínea e transplante de órgão, embora espécies 
do gênero Coxiella também possam ser adquiridas pela placenta, durante a 
gestação, e por vias sexuais. Com exceção do tifo exantemático, o homem 
é apenas hospedeiro acidental das rickettsias. 
A forma de contágio mais comum é pela saliva e fezes de artrópodes 
infectados e contato direto com sangue, fezes e leite de animais 
contaminados. As rickettsioses são tratadas com antibióticos. 
Para evitar a disseminação das rickettsioses é muito importante que as 
pessoas evitem, ao máximo, viajar com animais de estimação para locais 
onde há registros de rickettsioses, ou que são conhecidamente infestados 
por pulgas e carrapatos, a fim de evitar que estes animais se tornem 
vetores de doenças nas suas cidades de origem. 
Os cães infectam-se ao serem parasitados pelos carrapatos vetores, 
geralmente no ambiente silvestre. Em certos casos, os cães podem servir 
de carreadores dos carrapatos, levando-os do ambiente silvestre para o 
ambiente doméstico, expondo os seres humanos à infecção. 
Cães de todas as idades podem se infectar, mas quanto mais velhos, maior 
a frequência de animais soropositivos. Em um estudo verificou-se 100% de 
cães soropositivos quando se testou animais com mais de 3 anos de idade. 
Os autores julgaram ser consequência da maior exposição aos carrapatos 
pelos animais mais velhos, enquanto os filhotes são geralmente mantidos 
dentro de casa, não tem acesso à rua e, portanto não se expõem aos 
vetores. 
A febre Q é causada pelas bactérias da espécie Coxiella burnettii, que vive 
em carrapatos e é transmitida através da picada destes em gados, que, por 
sua vez, transmitem aos seres humanos por meio do leite. O tifo murinho 
endêmico é provocado pela contaminação por Rickéttsia typhi, transmitida 
por pulgas de rato. Já o tifo epidêmico é causado pela Rickéttsia 
prowazekki, tendo o piolho-corpo como reservatório. Em geral, as infecções 
por rickéttsias provocam febre alta, que chega a perdurar por duas semanas 
ou mais. Contudo, as doenças que essas bactérias transmitem estão em 
declínio no mundo. 
 
QUESTÃO 2: Durante o semestre falamos de bactérias que causam 
toxinfecções alimentares, como a Escherichia coli. Sobre as toxinfecções 
alimentares responda: 
A) Cite dois outros agentes capazes de produzir toxinfecção alimentar em 
humanos. 
R: Salmonella→ A salmonelose está entre uma das toxinfecções 
alimentares mais importantes, sendo que esta doença é causada por 
bactérias do gênero da Salmonella. 
O gênero Salmonella é amplamente distribuído na natureza, sendo o trato 
intestinal do homem e dos animais o principal reservatório natural. Em 
função da sua capacidade de disseminação no meio ambiente, essa 
bactéria pode ser isolada de locais variados, e consequentemente, de 
diversas matérias-primas alimentares. Pode ser veiculada pelo próprio 
homem sem sintomas clínicos, sendo neste caso caracterizada a condição 
de portador assintomático. 
As doenças causadas por Salmonella podem ser subdivididas em três 
grupos: a febre tifoide, doença que tem como agente etiológico a 
Salmonella Typhi; as febres entéricas que são causadas pela Salmonella 
Paratyphi e as enterocolites ou salmoneloses, que são ocasionadas pelos 
demais sorotipos de Salmonella. 
Clostridium perfringens→ É uma bactéria em forma de bastão, imóvel, 
anaeróbica e formadora de esporos resistentes à desidratação e 
tratamentos térmicos. Ela pode ser encontrada no solo, como um 
componente normal da vegetação apodrecida, em sedimentos marinhos, no 
trato intestinal de seres humanos e outros vertebrados e insetos. O 
Clostridium perfringens produz uma toxina no intestino delgado de 
indivíduos que tenham ingerido alimentos contaminados com alta taxa de 
contagem, causando enterite (quando presente e ingerida por meio de 
alimentos contaminados) e gangrena gasosa, quando afeta feridas expostas 
e cirúrgicas. 
A bactéria pode ser encontrada em alimentos à base de carne bovina e de 
carne de frango, principalmente com molhos, e mantidos, após o cozimento, 
em temperatura ambiente ou até 50ºC. A maioria dos surtos relatados é 
associada à alimentação em estabelecimentos institucionais (restaurantes, 
hospitais, escolas). Também podem ser encontrados em legumes cozidos e 
derivados a que se tenha seguido aquecimento lento, permitindo a 
germinação rápida dos esporos e a produção de toxinas. 
O Clostridium perfringens é responsável por dois tipos diferentes de 
toxinfecção alimentar: Intoxicação alimentar do tipo A e Enterocolite 
necrótica. 
 
B) Para cada agente escolhido explique como o homem pode adquirir essa 
infecção. 
R: A ingestão de alimentos contaminados é a principal forma de 
transmissão de salmoneloses para os humanos. Também pode ocorrer ao 
ingerir água ou alimentos contaminados com restos de fezes de animais 
infectados. Ao serem ingeridas, as bactérias penetram no epitélio do 
intestino delgado, provocando inflamações. 
Os alimentos apontados como maiores responsáveis por casos de 
salmoneloses são: 
 Leite e queijos 
 Ovos e seus derivados 
 Carnes bovinas, suínas e de aves 
 
https://www.todamateria.com.br/bacterias/
Quando as medidas de higiene e de manuseio correto desses alimentos 
não são adotadas, podem favorecer o aparecimento e multiplicação 
de Salmonella. 
 
C. perfringens está distribuído amplamente nas fezes, no solo, no ar e 
na água. A carne contaminada causa muitas epidemias. Os esporos do 
C. perfringens algumas vezes sobrevivem ao cozimento; podem 
germinar e se multiplicar, resultando em grandes números de bactérias 
quando a carne cozida contaminada pelo C. perfringens é mantida em 
temperatura ambiente ou mesmo até 50 °C. Epidemias tipicamente 
ocorrem em estabelecimentos comerciais e raramente em residências. 
Depois que entra no trato GI, C. perfringens produz uma enterotoxina 
que age no intestino delgado. Somente o C. perfringens tipo A foi 
definitivamente relacionado com essa síndrome de intoxicação 
alimentar. 
Gastrenterite leve é muito comum, com início dos sintomas ocorrendo 6 
a 24 h após a ingestão de alimentos contaminados. Os sintomas mais 
comuns são diarreia aquosa e cólicas abdominais. Vômitos e febre não