A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Trabalho Pediatria (Displasia) (6)

Pré-visualização | Página 1 de 1

DISPLASIA DO 
QUADRIL
Docente: Pollyana Amorim
Discentes: 
 Amanda Araújo
 Ana Caroline Jansen
 Aline Galiza 
 Beatriz Karoliny Vieira
 Claudia de Jesus Santos Rosario
 Jamili Almeida 
 João Oliveira Souza
 Maria C. Barreiros
Disciplina: Pediatria
Curso: Fisioterapia 
Feira de Santana - BA
A displasia de Quadril no bebê, também é chamada de
Displasia do Desenvolvimento do Quadril (DDQ), consiste na
alteração de encaixe do fêmur com a cavidade acetabular.
Faz com que a articulação fique mais solta e cause diminuição
da mobilidade do quadril e alteração no comprimento dos
membros.
Definição
Quadro clínico
Geralmente indolor.
Importante que sejam realizados exames físicos na criança.
Pernas com diferentes comprimentos ou virada para fora.
Menor mobilidade e flexibilidade de uma das pernas.
Dobras de pele na coxa e na nádega com tamanhos muito
diferentes.
Maneira de sentar, engatinhar ou andar.
Sinais da displasia:
Causas
É mais comum de acontecer quando existem baixos níveis de
líquido amniótico durante a gravidez.
Quando o bebê fica na posição sentada na maior parte da
gestação.
A posição que o bebê nasce também pode interferir no
desenvolvimento da articulação, sendo mais frequente quando
a primeira parte a sair durante o parto são as nádegas e depois
o resto do corpo.
Causa da patologia ainda desconhecida.
Fatores de risco:
Atuação do Fisioterapeuta
Sinal de Galeazzi ou de Allis.
Uso do suspensório de Pavlik, em bebês até o sexto mês de vida,
cuja função é manter os joelhos voltados para frente e para cima
em direção ao tórax.
Nesse primeiro momento a melhora do paciente e que caso não
ocorra, outras medidas poderão ser tomadas para a correção dos
movimentos da articulação.
Sinal de Ortolani.
Exames complementares: Radiografia convencional, ultrassonografia do
quadril e tomografia axial computadorizada.
Atuação do Fisioterapeuta
0 a 2 meses
02 a 18 meses
2 a 6 anos
Acima de 6
As possibilidades de tratamento são divididas conforme as diferentes faixas etárias:
Referências
Guille JT, Pizzutillo PD, MacEwen GD. Development dysplasia of the hip from birth to six 
months. J Am Acad Orthop Surg. 2000;8(4):232-42.
Staheli LT. Ortopedia pediátrica na prática. 2 a. Porto Alegre: Artmed; 2008.
Guarniero R, Lage LAA, Luzo CAM, Romano D. Complicações no tratamento da displasia do 
desenvolvimento do quadril (DDQ): revisão da literatura e princípios de tratamento. Acta Ortop
Bras. 1994;2(1):47-9.
Guarniero R, Montenegro NB, Vieira PB, Peixinho M. Sinal de Ortolani: resultado do exame 
ortopédico em 9171 recém-nascidos na Associação Maternidade de São Paulo. Rev Bras Ortop. 
1988;23(5):125-8.