A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Aula 3 - gametogênese

Pré-visualização | Página 1 de 2

ARA0022– Histologia e Embriologia
Aula 3: Gametogênese Masculina e Feminina
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Gametogênese
É o processo de formação e 
desenvolvimento das células 
germinativas especializadas – os 
gametas (Moore, 2012, p.14).
O desenvolvimento embrionário se 
inicia quando um ovócito é 
fertilizado por um espermatozoide, 
formando uma célula – ZIGOTO.
O Zigoto possui 46 cromossomos 
(2n) dispostos em 23 pares.
Formação de gametas masculinos 
(espermatozoides) e femininos 
(ovócitos ou oócitos).
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Gametogênese
Formação de gametas masculinos (espermatozoides) e femininos (ovócitos ou oócitos)
• Ocorre nas gônadas: ovários e testículos.
• Existem dois tipos de divisão celular: Mitose e meiose.
• A mitose é o tipo de divisão celular em que o número de cromossomos é mantido – células 
somáticas.
• A meiose é o tipo de divisão celular em que o número de cromossomos é reduzido – células 
germinativas ou gametas.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Divisão celular: Mitose x meiose
A meiose envolve dois processos de 
divisão celular:
• A primeira divisão meiótica é 
classificada como reducional, 
pois envolve a redução pela 
metade, do número de 
cromossomos. (2n → n) 
Diploide para haploide.
• A segunda é equacional, isto é, 
mantém o número de 
cromossomos.
MEIOSE MITOSE
Célula em que ocorre Células da linha germinativa para formar 
gametas ou esporos
Células somáticas
Nº de divisões 2 1
Nº de células-filhas 4 (haploides) 2 (haploides ou diploides)
Relação do DNA Uma vez (na interfase que antecede o início 
do processo)
Uma vez (na interfase que 
antecede o início do processo)
Quantidade de 
cromossomas das células-
filhas em relação à célula-
mãe
Metade Igual
Quantidade de DNA das 
células-filhas em relação à 
célula-mãe (após 
replicação)
¼ da célula-mãe Metade
Qualidade dos 
cromossomos das células-
filhas
Diferente informação genética
relativamente à célula-mãe, devido ao 
fenômeno crossing-over e à separação ao 
caso dos cromossomas homólogos na 
anáfase I.
A informação genética é 
idêntica à da célula-mãe.
Emparelhamento de 
homólogos
Ocorre (prófase I) Não ocorre
Divisão do centrômetro Ocorre (anáfase II) Ocorre (anáfase)
Diferenças na metáfase Ocorrem duas metáfases. Metáfase I: os 
cromossomas colocam-se aos pares na 
placa equatorial com os pontos de quiasma 
no centro e os centrômeros voltados para 
os polos. Metáfase II: Igual à metáfase
Metáfase: os centrômeros 
estão na placa equatorial e os 
braços dos cromatídios estão 
voltados para os polos
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Divisão celular: Mitose x meiose
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Importância da meiose
Possibilita a constância do número de 
cromossomos de geração a geração pela 
redução do número de diploide para 
haploide – gametas haploides.
Possibilita o arranjo ao acaso dos 
cromossomos materno e paterno.
Reposiciona os segmentos dos 
cromossomos através de cruzamentos dos 
segmentos cromossômicos – crossing-over.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Gametogênese masculina: espermatogênese
Sequência de eventos pelos quais as células germinativas primitivas se transformam em 
espermatozoides.
Início na puberdade quando o organismo começa a secretar altos níveis de testosterona – intensa 
produção até a velhice.
Ocorre no interior dos túbulos seminíferos.
As células-tronco chamadas de espermatogônias são transformadas em espermatozoides.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
• Espermatogônias
• Espermatócito primário 
• Espermatócito secundário
• Espermátides
• Espermatozoides
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Espermatogênese.
As espermatogônias ficam quiescentes até a puberdade quando são estimuladas a se proliferarem e 
crescerem. Dão origem aos espermatócitos primários (2n).
Os espermatócitos primários entram na primeira divisão meiótica dando origem aos espermatócitos 
secundários (n).
Os espermatócitos secundários entram na segunda divisão meiótica e dão origem às espermátides (n).
Ao final, cada espermatogônia (2n) dará origem a 4 espermátides (n).
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Controle hormonal da espermatogênese.
Ainda no embrião, já se inicia a produção de 
testosterona pelas células de Leydig e que é 
importante para o desenvolvimento dos 
caracteres sexuais primários e secundários.
Por volta da puberdade, ocorre a maturação das 
células hipofisárias e se inicia a produção dos 
hormônios do eixo hipotálamo e da hipófise.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Controle hormonal da espermatogênese.
O hipotálamo inicia a produção do hormônio 
estimulante das gonodotrofinas (GnRH), que 
vai estimular a hipófise a produzir os 
hormônios LH e FSH – hormônios 
gonadotrópicos.
LH – hormônio luteinizante
Estimula as células de Leydig a produzir mais 
testosterona.
FSH – hormônio folículo estimulante
O FSH e a testosterona ativam as células de 
Sertoli que, por sua ve,z estimulam as 
espermatogônias a iniciarem a 
espermatogênese.
LH
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Espermatogênese
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Espermiogênese
A série de transformações que as espermátides sofrem até adquirirem formato de espermatozoides:
A. Formação do 
acrossomo;
B. Condensação do 
núcleo;
C. Formação do colo, 
parte média e cauda;
D. Eliminação da maior 
parte do citoplasma.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Gametogênese feminina: ovocitogênese
Processo que abrange a formação dos gametas femininos. Inicia-se ainda no período pré-natal e 
termina depois do fim da maturação sexual (puberdade).
As células-tronco são as ovogônias que migraram do saco vitelino ainda no período embrionário e 
interrompem sua divisão celular na fase de prófase da meiose I.
Dentro de cada folículo primordial existe um ovócito primário.
No sétimo mês de desenvolvimento fetal, as ovogônias degeneram. A partir dessa fase não há mais 
formação de folículos.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Ovogênese
Células germinativas (2n)
Meiose II (só se completa se ocorre fecundação)
Período 
germinativo
Período de 
crescimento
Período de 
maturação
Ovogônias (2n)
2n
Mitose
Ovogônias (2n)2n 2n
Crescimento sem 
divisão celular
Ovócito I (2n)
Meiose I
2n
Ovócito II (n 
cromossomos 
duplicados)
n
Primeiro glóbulo polar (n cromossomos 
duplicados)n
n n glóbulos polares (n)n nÓvulo (n)
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
• Aumento das células 
germinativas por mitose;
• Crescimento das 
espermatogônias;
• Redução do material 
germinativo por meiose;
• Maturação estruturas e 
funcional.
Fases da gametogênese masculina
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Espermatozoides
Células móveis que nadam livremente. 
• Cabeça: contém núcleo haploide e é revestida pelo acrossomo (forma de capuz) que possui 
enzimas cuja a função é a penetração na corona radiata e zona pelúcida do ovócito.
• Peça intermediária (da cauda): possui mitocôndrias – energia para o movimento da cauda.
• Cauda: motilidade.
Histologia e Embriologia
AULA 3: GAMETOGÊNESE MASCULINA E FEMININA
Epidídimo
Após sua produção no testículo são transportados passivamente 
até o epidídimo.
Funções:
• Armazenamento dos espermatozoides;
• Reabsorção do fluido testicular e de espermatozoides 
“velhos”;
• Maturação dos espermatozoides: motilidade progressiva e 
aptidão para fertilizar o ovócito.
• Inserção de glicoproteínas na superfície celular e perda da 
gota citoplasmática.
Gota citoplasmática distal – defeito