A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Biotransformação dos fármacos

Pré-visualização | Página 2 de 2

transformará o fármaco alterando sua capacidade de excreção (melhora sua 
eliminação) 
Quase sempre essa ligação resulta na diminuição da potência e meia-vida, exceto a morfina, 
pois passando por esse processo a morfina conjugada a glucorónido se torna 100 vezes mais 
potente 
Essa conjugação forma compostos inativos (exceto a morfina) e hidrossolúveis que podem ser 
eliminados na urina ou bile 
Nesta etapa as reações são mais rápidas do que as de oxidação da fase 1 e ocorrem no fígado 
 
Dependente de cofatores: 
É necessário que exista cofator para que as reações ocorram como é o caso da UDP que precisa 
do glicuroniltransferase 
 
 
Glicuronidação – reação de conjugação 
Catalisado pela enzima UDP-glicuroniltransferases (presente no lúmen do reticulo liso). Essas 
enzimas catalisam a transferência do ácido glicurônico do cofator UDP-ácido glicurônico para 
um substrato. 
Pode ocorrer a partir de ligações hidroxila, carboxila, aminas 
Exemplo: paracetamol, morfina, oxazepam, lorazepam 
▪ Exemplos de biotransformação pela conjugação glicuronidação: 
Um exemplo de glicuronidação é a produção de bilirrubina - a bilirrubina quando não conjugada 
irá se acumular (icterícia) e pode se ligar a albumina, de como que consegue ultrapassar a 
barreira hematoencefálica se tornando perigoso gerando lesão neurológica 
Metabolismo da codeína (analgésico potente usado na odontologia): é considerado um pró-
fármaco, é ativada pelo CYP 2D6, uma parte formando um composto com potência analgésica 
maior que é a morfina, e uma pequena quantidade sofre glicuronidação tornando o composto 
inativo para ser excretado na urina. 
Biotransformação da irinotecana: conjugação com ácido glicurônico. A irinotecana sofre ação 
de algumas enzimas para formar seu composto ativo SN38 que sofre a conjugação com ac 
glicurônico inativando seu composto – fármaco usado para câncer 
Biotransformação da Fenitoina: anticonvulsivante, cyp vai transformar essa molécula mais 
hidrossolúvel e na sequencia sofrerá conjugação pela UDP com ac glicurônico alterando 
fortemente sua solubilidade se tornando altamente hidrossolúvel. 
 
Conjugação com glutationa 
A glutationa é um tripeptídeo envolvido na desintoxicação de compostos ou intermediários 
reativos eletrofílicos. 
As glutationa-S-transferases (GST) catalisam a transferência da glutationa aos eletrofílicos 
reativos, função que serve para proteger as macromoléculas celulares da interação com 
eletrófilos que contenham heteroátomos eletrofilicos (-O, -N e -S) e, por sua vez, proteger o 
ambiente celular contra danos. 
▪ Exemplo de conjugação com glutationa: 
Biotransformação do paracetamol: 
Envolve a conjugação com glutationa 
O paracetamol pode sofrer conjugação com ácido glicurônico ou sulfatação (biotransformação 
preferencial), enquanto uma pequena parcela do paracetamol pode agir com a CYP 
2E1(biotransformação secundária) formando um metabolito potencialmente tóxico sendo um 
composto eletrofílico exercendo efeito sobre proteínas hepáticas e ácidos nucleicos, em grande 
quantidade gera a morte de células hepáticas e por isso irá sofrer uma conjugação com 
glutationa. 
Ao tomar muita dose de paracetamol a biotransformação preferencial será saturada abrindo 
caminho para uma biotransformação secundária gerando o composto eletrofílico causando 
morte das células hepáticas sendo uma lesão grave irreversível 
O álcool eleva a hepatotoxicidade do paracetamol aumentando o agravamento. 
 
Fatores que afetam a biotransformação de fármacos: 
Idade: ou imaturidade de sistemas enzimáticos de bebes, ou redução de capacidade metabólica 
de idosos 
Sexo 
Fatores genéticos 
Enfermidades: doenças hepáticas, insuficiência cardíaca congestiva, hipertireoidismo, 
hipotireoidismo 
Dieta 
Indutores 
Inibidores 
 
Impacto do polimorfismo genético na biotransformação dos fármacos: 
Enzimas podem ser polimórficas, logo variam na quantidade, ou atividade das enzimas, como 
ocorre na biotransformação da codeína devido o polimorfismo da CYP 2D6 
Quando ocorre uma menor expressão dessa enzima devido a genética esse indivíduo vai ter 
alterações relacionadas ao efeito desse fármaco, logo mostrando um efeito menor, não tendo a 
transformação adequada de codeína para morfina comprometendo o efeito analgésico 
 
Enzimas que sofrem indução: 
 
 
 
 
 
Indução enzimática: 
Aumenta a velocidade de biotransformação hepática dos fármacos. Logo, diminui a meia-vida 
séria do fármaco, reduz os efeitos farmacológicos se os metabólitos forem inativos. 
Aumenta a toxicidade se os metabólitos forem tóxicos (paracetamol). 
O citocromo P450 é rapidamente induzido por muito fármacos.