Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
221 pág.
Didática e Metodologia do Ensino de Educação Física

Pré-visualização | Página 38 de 50

paralelas possam ocorrer, pois é por meio do 
aprendizado de habilidades motoras que os seres humanos se adaptam aos problemas do 
dia a dia, ou seja, resolvendo problemas motores.
A Educação Física, na visão desenvolvimentista, evidencia as características 
únicas de cada aluno e fundamenta-se no princípio de que, “embora o 
desenvolvimento motor seja relacionado com a idade, ele não é dependente da 
idade” (GALLAHUE, 2001, p. 7). Diante disso, as decisões do professor referentes 
ao que ensinar, quando ensinar e como ensinar, baseiam-se, primeiramente, na 
adequação da atividade para o indivíduo, e não na adequação para um determinado 
grupo.
Recomendamos a leitura do livro: TANI, G.; MANOEL, E. J.; KOKUBUN, E.; 
PROENÇA, J. E. Educação física escolar: fundamentos de uma 
abordagem desenvolvimentista. São Paulo: EPU/EDUSP, 1988. v. 
1. 
O livro visa estabelecer uma fundamentação teórica para a 
Educação Física Escolar. Para tanto, parte de um pressuposto 
básico: se existe uma sequência normal nos processos de 
crescimento, de desenvolvimento e de aprendizagem, isto 
significa que as crianças necessitam ser orientadas considerando-
se estes processos, pois só assim as suas reais necessidades e 
expectativas serão alcançadas. Em outras palavras, este trabalho 
procura mostrar que, para o estabelecimento de objetivos, métodos e conteúdos de ensino 
apropriados, é importante considerar as necessidades que advêm do próprio processo de 
mudanças no comportamento motor humano ao longo da vida.
IMPORTANT
E
DICAS
TÓPICO 1 | MÉTODOS DE ENSINO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
133
Abordagens Críticas
Diferente das abordagens abordadas até então, apresenta-se a denominada 
Educação Física Crítica. É uma abordagem diferente, pois ela propõe que a 
responsabilidade da disciplina em questão seria a de tratar dos conhecimentos 
relativos à “Cultura Corporal do Movimento”.
Para a Antropologia, cultura se refere à capacidade que só os seres humanos têm 
de dar significados às ações que praticam, à realidade que os cerca e aos comportamentos 
de animais e pessoas. É um mundo de significados, um código simbólico construído 
socialmente, ou seja, cultura é algo que se adquire na convivência em grupo (FREIRE, 2007).
Segundo Coletivo de Autores (1992, p. 27),
é preciso que o aluno tenha noção de historicidade da cultura corporal, 
que ele entenda que o homem não nasceu pulando, correndo, jogando 
etc. todas essas atividades corporais foram sendo construídas em 
determinadas épocas históricas em respostas aos estímulos, desafios ou 
necessidades humanas.
Elenor Kunz (1996), em sua abordagem critico-emancipatória, reflete 
sobre a possibilidade do ensino de esportes de forma crítica e emancipada, onde o 
aluno, além de aprender as habilidades, técnicas e fundamentos, possa entender e 
questionar por que executar um movimento dessa e não de outra maneira, ou por 
que é melhor passar a bola ao invés de tentar o drible.
Ainda de acordo com Kunz, o ensino deve ser norteado na desmistificação 
da imagem negativa interiorizada pelo aluno do esporte como prática autoritária 
e domesticadora.
Em outra perspectiva crítica, o esporte, enquanto tema da cultura corporal, 
é tratado pedagogicamente na escola, de forma crítico-superadora, evidenciando-
se o sentido e significado dos valores que indica e as normas que o regulamentam 
dentro de nosso contexto sócio-histórico (COLETIVO DE AUTORES, 1992).
Ainda de acordo com os autores, esta forma de organizar o conhecimento 
não desconsidera a necessidade do conhecimento e domínio de técnica e tática, no 
entanto não os coloca como os únicos conteúdos da aprendizagem.
Azevedo e Shigunov (2001, p. 80) completam que essa abordagem “[...] 
embasa-se no discurso da justiça social no contexto da sua prática. Busca levantar 
questões de poder, interesse e contestação, faz uma leitura dos dados da realidade 
IMPORTANT
E
UNIDADE 3 | METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA
134
à luz da crítica social dos conteúdos” e entende o ensinar não como um ato 
de transferir conhecimento, mas de criar meios em que o aluno se aproprie e 
transforme este conhecimento de maneira crítica valorizando o contexto dos fatos 
e seu resgate histórico. 
A aula de Educação Física escolar deve, então, servir como espaço 
democrático onde todos possam acessar, partilhar, produzir, reproduzir, e 
transformar as práticas que caracterizam a área em questão desde a Educação 
Infantil até o Ensino Médio, cabendo ao professor a reflexão sobre a melhor forma 
de viabilizar um aprendizado significativo.
Vários são os autores e as abordagens defendidas e estudadas na área da 
Educação Física escolar. Você poderá saber mais lendo o estudo: Didática Aplicada à 
Educação Física. Disponível em:
<http://www.intaead.com.br/ebooks1/livros/ed%20fisica/14.%20Didatica%20aplicada%20
a%20EF.pdf>.
É preciso que os professores valorizem o tempo e o momento em aula. Sua 
função é contribuir para o crescimento do repertório cultural dos alunos e criar 
condições para uma autonomia maior em relação aos conhecimentos abordados.
A autonomia do aluno é algo a ser buscado ao longo de todo o ensino, 
construindo uma de suas principais metas e preocupações. A Educação Física 
escolar pode contribuir muito para que essa autonomia seja alcançada.
DICAS
135
Neste tópico, você estudou que:
• Método é um caminho para se atingir um objetivo.
• Estilo de ensino é a atitude que o comportamento de ensino que se refere às 
diversas decisões que o educando deve tomar no processo educativo.
• A Educação Física já teve a finalidade praticamente única de formar atletas, sem 
a preocupação maior com os conhecimentos produzidos e sua utilidade para a 
vida diária.
• Você conheceu Muska Mosston e sua teoria sobre os estilos de ensino.
• Várias são as abordagens pedagógicas que norteiam a Educação Física escolar 
no Brasil, as quais podem ser classificadas a partir de duas características: 
preditivas e não preditivas.
RESUMO DO TÓPICO 1
136
1 Defina Método.
2 As abordagens pedagógicas podem ser classificadas a partir de duas 
características: preditivas e não preditivas. Diferencie estas características.
3 Enumere os três conjuntos de categorias possíveis de decisões que devem 
ser feitas em qualquer transação de ensino-aprendizagem.
4 Vimos que, segundo Mosston e Ashworth (1986), cinco estilos formam um 
conjunto que representa as opções de ensino que promovem a reprodução 
de informações e conhecimentos existentes. Quais são?
5 Elenor Kunz defende qual tipo de abordagem pedagógica de ensino em 
Educação Física?
AUTOATIVIDADE
137
TÓPICO 2
EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: CONTEÚDOS 
E OBJETIVOS
UNIDADE 3
1 INTRODUÇÃO
Como já vimos no tópico anterior, a Educação Física escolar está repleta 
de diferentes abordagens pedagógicas e que a linha Tecnicista/Tradicional ainda 
impera em muitas escolas brasileiras, mas um olhar crítico vem mudando esta 
situação e a cultura corporal do movimento vem, cada vez mais, ganhando espaço 
nas aulas de Educação Física escolar.
Neste tópico abordaremos a Educação Física e sua atuação no contexto 
escolar, os desafios e as conquistas dos professores desta área, por muitas vezes 
questionada de sua validade na formação e desenvolvimento dos alunos, indicando 
os objetivos e conteúdos que norteiam o processo de ensino-aprendizagem.
2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR
A Educação Física, ao longo de sua história escolar, vem sofrendo influências 
do período histórico que passava, as quais refletem em seus conteúdos e práticas 
pedagógicas. Há muito era vista pela sociedade como uma aula sem importância 
pedagógica, onde o aluno estava presente para brincar, jogar e não para estudar.
O termo Educação Física era relacionado com a prática de exercícios 
físicos com um fim em si mesmos, ou seja, a atividade
Página1...343536373839404142...50