A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Constituição Tributária dos Negócios

Pré-visualização | Página 3 de 7

(a quantidade de votos necessários para aprová-las no Congresso Federal). 
Lei Ordinária - exige a metade dos votos dos presentes na sessão para a sua aprovação (art. 47, CF/88)
Lei Complementar - necessita de metade dos votos do total de congressistas daquela casa (art. 69, CF/88) A possibilidade de criação por meio de Medida Provisória (art. 62, CF/88) surgiu a partir da Emenda Constitucional nº 32/2001, que alterou o texto da Constituição e o art. 3º do CTN e passou a prever que os tributos que podem ser criados por meio de Lei Ordinária também podem ser criados por meio de Medida Provisória, isso porque, eles teriam “força” equivalente.
· Os tributos que expressamente exigem a criação por meio de Lei Complementar não podem ser criados por Medida Provisória.
Todos os demais atos infralegais (Portarias, Instruções Normativas, resoluções, regulamentos) precisam refletir o conteúdo legal. Essa adequação dos atos infralegais às leis alcança até mesmo outras obrigações tributárias, que não sejam o próprio pagamento de tributo, porque é uma decorrência da própria estrutura do Direito.
Certidão Negativa do Débito – exigência constante em Decreto, mas não na Lei.
Na forma do artigo 99 do Código Tributário Nacional, o conteúdo e alcance do decreto não pode dispor de forma diversa do conteúdo da lei que regulamenta. 
Todavia, a Lei nº 7.102. de 20 de junho de l983, objeto de regulamentação pelo Decreto nº 89.056/83, não fazia menção alguma quanto à necessidade de preenchimento de requisitos para a obtenção da mencionada renovação, extrapolando, assim, os limites do diploma legal que regulamenta, estando eivado de ilegalidade.
· Conhecendo os tipos de Impostos cobrados por cada Ente Federado
Imposto de Importação (II)– tributo que é usado para controle do comércio exterior e proteção do mercado nacional. Por esse motivo, suas alíquotas podem ser alteradas por ato infralegal (art. 153 ,§1º, CF).
Importação – entrada no território nacional em caráter definitivo. A operação não precisa ser onerosa. Basta a entrada do produto no território nacional.
O II não é o único tributo que incide na importação. Exige-se na importação os tributos que incidem sobre o similar nacional, destacando-se o ICMS, IPI, Pis/COFINS importação. A entrada de serviços não se sujeita ao II, podendo se sujeitar ainda ao ISS e ao Pis/COFINS importação.
Base legal: art. 19, CTN, decreto nº 6759, art 69)
Imposto de Exportação (IE) – tem por finalidade regular a saída de mercadorias do Brasil. A arrecadação não é a principal finalidade. A alíquota desse tributo é igual a zero, na maioria das vezes. A Constituição Federal adota uma política de incentivo à exportação, tornando-os imunes ao ICMS, IPI, determinado que a lei complementar restrinja a incidência do ISS e imunizando também as receitas derivadas do PIS e da COFINS.
Base legal: art. 23, CTN, 212, 213)
Imposto de Renda (IR) – a Constituição indica que é possível criar o chamado IR e proventos de qualquer natureza. IR incide sobre o acréscimo patrimonial, ou seja, sobre a diferença positiva considerando as entradas e as despesas legalmente autorizadas em um dado período de tempo. Renda (e proventos de qualquer natureza) são saldo positivo resultado do confronto entre certas entradas e certas saídas, ao longo de um dado período de tempo. Para as empresas, esse acréscimo chama-se lucro. Nem toda entrada gera IR, pois nem toda entrada pertence ao contribuinte. 
Nem toda despesa, seja de pessoa física ou jurídica, poderá ser considerada para fins de apuração do IR. A legislação aponta que serão dedutíveis as despesas “necessárias à atividade da empresa e à manutenção da fonte produtora (art 311, RIR). Fisco e o contribuinte podem ter posições profundamente antagônicas sobre o que é necessário para essas finalidades. O IR de pessoa jurídica pode ser apurado de três formas: lucro real, presumido e arbitrário. O IRPJ pode ser apurado junto do Simples Nacional. O lucro é ainda base de um outro tributo, Constituição Social sobre o lucro líquido (CSLL), considerada irmã gêmea do IRPJ. A principal diferença é que a CSLL tem uma destinação constitucional específica, estando vinculada ao financiamento da Seguridade Social (art 195, inc I, CR/88).
Base legal: art 153, inc II, CTN, art 43)
Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) - é um tributo que incide sobre operações onerosas de compra e venda de produtos industrializados, nas sucessivas etapas de uma cadeia produtiva, sendo exigido do vendedor. não incide propriamente sobre os produtos industrializados, mas sobre a sua comercialização após uma etapa industrial do processo produtivo.
O IPI só é exigido nas etapas industriais, enquanto o ICMS é exigido nas etapas comerciais. É possível que ICMS e IPI incidam sobre uma mesma etapa da cadeira produtiva, quando houver a venda de algo que seja, ao mesmo tempo, um produto industrializado e uma mercadoria. Etapas da cadeia produtiva podem se sujeitar a um outro tributo: o ISSQN. Nesse caso, o ICMS e o IPI não poderão incidir. O Código Tributário Nacional indica que “considera-se industrializado o produto que tenha sido submetido a qualquer operação que lhe modifique a natureza ou a finalidade, ou o aperfeiçoe para o consumo". (art. 46)
Base legal: Art. 153, inc. IV, art. 46, CTN, Regulamento do IPI
Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) - tributo que incide sobre diversas operações (negócios bilaterais onerosos), destacadamente:Não esteja localizado em área urbana, caso em que incide o IPTU:
Art. 32. O imposto, de competência dos Municípios, sobre a propriedade predial e territorial urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município.
§ 1º Para os efeitos deste imposto, entende-se como zona urbana a definida em lei municipal; observado o requisito mínimo da existência de melhoramentos indicados em pelo menos 2 (dois) dos incisos seguintes, construídos ou mantidos pelo Poder Público:
I - Meio-fio ou calçamento, com canalização de águas pluviais;
II - Abastecimento de água;
III - sistema de esgotos sanitários;
IV - Rede de iluminação pública, com ou sem posteamento para distribuição domiciliar;
V - Escola primária ou posto de saúde a uma distância máxima de 3 (três) quilômetros do imóvel considerado.
§ 2º A lei municipal pode considerar urbanas as áreas urbanizáveis, ou de expansão urbana, constantes de loteamentos aprovados pelos órgãos competentes, destinados à habitação, à indústria ou ao comércio, mesmo que localizados fora das zonas definidas nos termos do parágrafo anterior.
· Crédito: popularmente conhecemos como empréstimo, mútuo ou financiamento. É quando alguém entrega a outrem recurso financeiro na expectativa de recebimento futuro.
· Câmbio: Negócios de Compra e Venda de moeda estrangeira ou nacional.
· Seguro: Contrato pelo qual alguém se compromete a ofertar garantia a alguém diante de riscos. Para que essa garantia exista e a possível indenização, paga-se ao segurador um valor chamado, tecnicamente, de prêmio.
· Operações relativas a título e valores mobiliários: compra e venda de ações, debêntures e similares
É importante lembrar que algo pode não ter o nome das operações supra descritas e ainda assim se encaixar como fato gerador do IOF.
Base legal: Art. 153, inc. v, CF, art. 63 e seguintes, CTN, Lei nº 5.143/66.
Imposto Territorial Rural (ITR) - tributo inteligente que incorpora a ideia de extrafiscalidade (o uso tributos para induzir comportamentos) de modo a incentivar o cumprimento da função social da propriedade, seja por meio da exploração da terra, seja por respeito à proteção ambiental. É um tributo em que se concentra na terra (territorial), não tendo seu valor elevado em virtude dos prédios (construções) agregados pelo ser humano.
Sua incidência atinge imóveis rurais, compreendidos como aqueles localizados nas áreas rurais ou como aqueles que tenham destinação típica rural, ainda que localizados em área urbana.O imóvel tenha destinação