A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Cenários Econômicos

Pré-visualização | Página 2 de 5

de oferta e demanda no mesmo diagrama. Uma vez determinados o preço e a quantidade que equilibram o mercado (que igualam a oferta e a demanda por determinado bem ou serviço) não quer dizer que eles não possam ser alterados. 
Exemplo de uma situação em que o equilíbrio de mercado inicial é alterado:
Consideremos o mercado de sorvetes. Partindo de um ponto de equilíbrio inicial, suponhamos que haja um aumento no preço do açúcar, que é um dos insumos utilizados na produção do sorvete. O que irá acontecer nesse mercado? 
Um aumento no preço do açúcar reduz a oferta do sorvete, pois fica mais caro produzir tal bem.  Assim, a curva de oferta é deslocada para a esquerda, como se segue:
Ao preço inicial do sorvete (R$2,00), haverá um excesso de demanda por sorvetes (visto que a oferta reduziu e a demanda não alterou). Com isso, haverá pressão para aumentar o seu preço. À medida que o preço aumenta, haverá deslocamento AO LONGO das curvas de oferta e de demanda (refletindo um aumento da oferta e uma redução da demanda), até que se chegue a um novo equilíbrio, com o preço do sorvete mais elevado: R$ 2,50.
No final das contas, o mercado de sorvetes sofrerá um aumento no preço e uma redução na quantidade de equilíbrio transacionada, como função da elevação do preço do açúcar.Exercício:
Em um dado mercado, a oferta (Qs) e a demanda (Qd) de um produto são dadas, respectivamente, pelas seguintes equações:
Qs = 10 + 5P    e     Qd = 70 – 7P, onde P = preço do bem.
Qual é a quantidade transacionada nesse mercado, quando ele estiver em equilíbrio?
Resposta:
Para se chegar ao equilíbrio de mercado, deve-se igualar a curva de oferta à de demanda. Assim, 70 – 7P = 10 + 5P Daí se chega em P = 5. Substituindo esse preço em quaisquer das duas curvas, chega-se ao resultado, que é 35.
Tema 3: Elasticidades
· Elasticidade preço da demanda
É uma medida de sensibilidade. Já sabemos que a demanda depende do seu preço, bem como da renda do consumidor e dos preços de outras mercadorias. Por exemplo, se o preço do café cair, haverá um aumento na sua quantidade demandada. Porém, muitas vezes queremos saber quanto vai aumentar ou cair a demanda. Até que ponto a demanda por café poderá ser afetada? Utilizamos a elasticidade para responder a essas perguntas.
A demanda por determinado bem ou serviço pode ser classificada em 3 grupos, de acordo com o módulo de sua elasticidade-preço:
Demanda inelástica: |Ep| < 1
Demanda elástica: |Ep| > 1 
Demanda de elasticidade unitária: |Ep| = 1.
Existem ainda dois casos extremos:
Demanda totalmente inelástica: |Ep| = 0
Demanda totalmente elástica: |Ep| = ∞
Quando a demanda por um bem é totalmente inelástica, que dizer que a quantidade demandada não varia com o seu preço. A demanda pelos bens essenciais se aproxima desse caso. (por exemplo, a insulina, que é um bem essencial para um diabético. Independente do preço, ele terá que compra-la. Então a gente diz que a demanda por insulina é insensível ao seu preço)
Outro exemplo, que se aproxima de demanda totalmente inelástica é o de um torcedor fanático por um time de futebol qualquer. Ele pagaria qualquer preço para assistir à final do campeonato da qual o seu time esteja participando. Independente do preço que estiver o ingresso, ele vai comprar.
Já o outro caso especial: demanda totalmente elástica. Nessa situação, a curva de demanda é vertical, indicando que a quantidade demandada não varia nada com o preço. 
E, considerando um caso normal, em de curva de demanda negativamente inclinada (e não os casos extremos), quanto mais vertical ela for, a gente diz que ela tende a ser mais inelástica e quanto mais horizontal for a curva, mais elástica em relação ao preço é a demanda.
· Outros tipos de elasticidade
A demanda por um determinado bem ou serviço depende, além do seu próprio preço, dos preços de outras mercadorias e da renda do consumidor. Por exemplo, pelo fato de a manteiga e a margarina poderem facilmente ser substituídas uma pela outra, a demanda para cada uma delas depende do preço da outra. A elasticidade preço cruzada da demanda nos dá a medida dessa sensibilidade.
Temos também que a demanda da maioria dos bens normalmente aumenta quando a renda agregada se eleva. A medida desse impacto nos é dada pela elasticidade renda da demanda por determinado bem ou serviço.
Elasticidade-preço cruzada da demanda - parecida com a elasticidade preço da demanda, representa a 
Se 0: bens x e y são substitutos ou concorrentes. (o aumento do bem y fará com que aumente o consumo do bem x);
Se 0: bens x e y são complementares (a variação da quantidade demandada por x se dá em sentido contrário a variação do preço de y – se aumenta o preço de y, reduz a quantidade demandada por x).
Elasticidade renda da demanda – parâmetro relevante para se projetar as vendas de acordo com as perspectivas de crescimento da renda das famílias 
Se = + 0,4, significa que para cada aumento (redução) de 1% na renda do consumidor, a quantidade demandada por ingressos irá aumentar (ou reduzir) em 0,4%;
Se 0: bem x é um bem normal (se aumenta a renda, aumenta a demanda pro consumidor);
Se 1: bem x é superior ao de luxo (significa que a variação percentual na quantidade demandada é mais do que proporcional a variação na renda);
Se 0: bem x é um bem inferior (aquele cuja demanda aumenta quando a renda cai ou cuja a demanda cai quando a renda aumenta);
Se =0: bem x é um bem saciado (seu consumo não varia com o aumento da renda)
· Receita total e elasticidade
Compensa para o empresário reduzir preço, para aumentar o volume de vendas? Ou seria melhor aumentar o preço, ainda que venda menos? A resposta a essas questões vai depender do efeito que isso vai ter na demanda e, consequentemente, no seu faturamento.
- Existência de bens substitutos:
Quanto mais bens substitutos um bem tiver, mais elástica vai ser a sua demanda, em relação ao preço. Se você demanda um bem, que tem muitos substitutos, e os substitutos são bons, então você tem mais alternativas de escolha na hora de comprar.  Mais importância você vai dar ao aumento de preço, ou seja, mais sensível você vai ser ao aumento de preço. Podemos dizer, nesse caso, que a existência de bens substitutos aumenta a elasticidade-preço da demanda pelo bem.
- Essencialidade do bem:
Quanto mais essencial for um bem, mais inelástica é a sua demanda e quanto menos essencial, quanto mais supérfluo, mais elástica a sua demanda.
-Peso do bem no orçamento do consumidor:
Quanto maior o peso do bem no orçamento, maior vai ser a elasticidade da sua demanda, em relação ao preço. Isso porque, quanto mais o consumidor gastar com determinado produto, mais ele será afetado por alterações no seu preço.  
-Horizonte temporal de análise:
Os bens tendem a ter uma demanda mais elástica quando consideramos grandes horizontes temporais. Quando o preço da gasolina aumenta, a demanda por gasolina cai pouco nos primeiros meses. No entanto, com o passar do tempo, as pessoas vão comprar carros mais econômicos, vão comprar carros flex, vão passar a usar o transporte coletivo e vão se mudar para mais perto do trabalho. Então, em alguns anos, mantido o preço elevado da gasolina, a quantidade demandada de gasolina vai cair significativamente.
Quanto mais tempo os consumidores tiverem para procurar substitutos maior será a intensidade de sua reação.
Unidade 2 – Tema 1: Teoria da Firma: ProduçãoProdutividade Média
dada pela relação entre o produto total e a quantidade utilizada de cada fator
PM = 
(contribuição média do trabalho)
PM = 
(contribuição média do capital)
Produtividade Marginal:
é o acréscimo na quantidade de produto, obtido por uma unidade adicional do fator
PM
Produtividade marginal do capital
PM
· Função de produção e os conceitos de produção total, produto médio e produto marginal
Para começar os estudos sobre a teoria da produção, precisamos distinguir o curto prazo do longo prazo. Esse conceito, em economia, é diferente do que a gente considera na contabilidade, por exemplo. Em economia, a diferença entre o curto e o longo prazo está na existência