A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
73 pág.
liderança e formaçao de equipes

Pré-visualização | Página 5 de 11

sentimo-nos obrigados a retribuir favores recebidos. Todas as sociedades possuem normas e regras não escritas que “obrigam” as pessoas a retribuírem, de algum modo, o que lhes foi dado, presentes, ou favores. Contudo, a reciprocidade envolve mais que presentes e favores. Inclui também concessões e compensações que umas pessoas fazem às outras. É o que ocorre quando alguém recusa uma proposta maior, por exemplo, e depois fica propenso a aceitar uma segunda oferta a título de compensação.
· Coerência: sentimo-nos obrigados a cumprir o que prometemos ou a terminar o que começamos. Quando, por alguma razão, empenhamos nossa palavra ou confirmamos nossa presença, somos levados a respeitar o que foi dito.
· Validação social (aprovação): Um dos modos básicos de decisão, ou optar por uma alternativa, é a observação e a emulação do que as outras pessoas fizeram ou escolheram. Quanto maior o grupo de validação social, maior será o número de seguidores. Esse fato valida e justifica as campanhas publicitárias que mostram e divulgam adesões, as pesquisa eleitorais com intenções de voto nos candidatos, os depoimentos etc.
· Gostar (afinidade): afinidade, empatia e afeição definem um sentimento de conexão entre as pessoas, como o “gostar” de alguém. As pessoas preferem concordar e dizer sim para aqueles de quem gostam. Alguns fatores amplificam essa tendência natural. A similaridade facilita o rapport e a empatia e, portanto, a afeição. Bons líderes descobrem elos de conexão com o liderado para convencê-los. Elogios também facilitam a decisão de “gostar”. A cooperação é outro fator que ajuda no desenvolvimento da simpatia e afeição.
· Autoridade: Ouvimos e concordamos mais facilmente com especialistas ou com quem tem posição de comando e autoridade. Diante de uma figura de autoridade, somos levados a aceitar suas opiniões e seguir suas recomendações. O poder de persuasão é aumentado com referências a autoridades ou especialistas, que validam e confirmam nossas opiniões e escolhas.
· Escassez: mercadorias, oportunidades e alternativas tornam-se mais desejadas se percebidas como pouco disponíveis, menos acessíveis ou escassas. Publicitários aproveitam muito essa característica, usando com ênfase expressões do tipo “por tempo limitado”, “últimas unidades”, entre outras com apelo similar. A escassez altera não apenas o valor de bens e produtos, mas afeta também a qualidade das informações, que, se forem exclusivas, contribuem para a credibilidade.
2. Capacidade de escolher e de optar
É a capacidade de optar por uma alternativa e abrir mão das demais. Esta competência é essencial para a liderança, nos processos de negociação e momentos de decisão. Para negociar ou mandar, é preciso ter um sentimento de certeza, e existem técnicas para racionalizar e garantir um pouco mais a definição de alternativas, o que facilita a escolha. É fundamental ressaltar que essa sensação de certeza, com um desprendimento pessoal que aceita a possibilidade do risco e do erro, vai além dos métodos e das técnicas, além de estar intimamente associada com a autoimagem e autoconfiança. Se um líder pretende melhorar sua capacidade de decidir e de escolher, é fundamental que além das técnicas e características naturais ele aprofunde o autoconhecimento e amplie sua autoconfiança. É importante buscar as razões mais profundas.
3. Capacidade de ter empatia
Empatia: é a capacidade de perceber o que os outros querem e sentem e conseguir que eles percebam o que você quer. Empatia é ser percebido (transmitir o que sou e quero), é perceber a necessidade dos outros (o que ele é e precisa) e finalmente, mesmo sem falar, estabelecer um “contrato” (eu vou fazer ou ser, o que você precisa ou quer). Não existe tarefa ou ação empresarial que prescinda da boa comunicação. Comunicação é a capacidade de ouvir o que os outros querem dizer, sobretudo, aquilo que não foi dito, e de falar para os outros, o que efetivamente você quer dizer. Alguns têm empatia e intuição como características pessoais como uma habilidade natural, mas a empatia, e a habilidade de comunicação, podem ser desenvolvidas, aprendidas. O líder só conseguirá sucesso se desenvolver uma comunicação adequada com todos os envolvidos, sejam clientes, fornecedores, subordinados e superiores, acionistas ou investidores, e com toda a comunidade que o cerca.
4. Capacidade de gestão de emoções
Outra competência essencial é a capacidade de gerenciar as reações, controlar as emoções. Isso começa sempre por manter o autocontrole, pois quem se descontrola não conseguirá controlar nada nem ninguém. Ter autocontrole não significa eliminar os sentimentos, ou deixar de sentir, mas usar adequadamente os próprios sentimentos e não reagir descontroladamente a uma situação, ou a um fato, evitando responder sem pensar. O importante é saber usar o sentimento. Autocontrole pode ser natural para as pessoas mais racionais, mas isto não quer dizer que não se possa desenvolver tal capacidade. A forma mais simples e direta é descobrir quais são os fatores e situações que disparam a perda de controle. Em seguida, é procurar criar uma nova sequência de percepção e ação.
5. Capacidade de antecipar
Antecipar é perceber hoje o que vai acontecer no futuro. A capacidade de antecipação, de pensar na frente, é uma das mais importantes. O bom líder avalia e prevê o que vai acontecer. Não é aquele que apenas reage diante do que já ocorreu. Para não ser pego de surpresa, o líder tem de estar atento e vigilante. Como é humanamente impossível estar vigilante em tudo, só dá para avaliar e antecipar naquilo que é importante e em que se decidiu se manter informado, atento. Antecipar é estabelecer prioridades e interesses. É definir aquilo que se precisa conhecer e acompanhar em detalhes, e manter uma vigília estratégica. O futuro não é uma adivinhação, mas a consequência do que já está acontecendo. Você vê o que quer ver, ouve o que quer ouvir. Portanto, para poder estar vigilante na prospecção do futuro, é fundamental definir o que é fundamental para o projeto de vida, os objetivos, e ficar atento monitorando aquilo que é importante para a carreira, a empresa etc.
 
 
Liderança e Formação de Equipes /
Características e competências do Líder
1
2
3
4
O que é “ter empatia”?
a
É ter a capacidade de fazer uma mudança nos outros.
b
É ter a capacidade de perceber o que os outros querem e sentem e conseguir que eles percebam o que você quer.
c
É ter a capacidade de garantir a fidelidade dos outros.
d
É ter a capacidade de conseguir agradar os outros.
e
É ter a capacidade de ser simpático e agradável.
Liderança e Formação de Equipes /
Características e competências do Líder
1
2
3
4
O que fazer para melhorar sua Capacidade de escolher e de optar?
a
Para melhorar sua capacidade de decidir e de escolher, é fundamental que além das técnicas e características naturais aprofundar o autoconhecimento e ampliar sua autoconfiança.
b
Desenvolver a capacidade de aceitação dos erros.
c
Desenvolver a capacidade de conseguir bons resultados.
d
Ter sorte de fazer boas escolhas.
e
Nenhuma das anteri
Liderança e Formação de Equipes /
Características e competências do Líder
1
2
3
4
Quais são os princípios – chaves ou “atalhos” para a Capacidade de influenciar?
a
São três os princípios-chave para a influência; a capacidade de mandar, de ser impor, e de punir.
b
São dois os princípios-chave para a influência; saber escolher, saber convencer.
c
É apenas uma; a capacidade de obrigar as pessoas a cumprir suas ordens.
d
Todas as anteriores.
e
São seis os princípios-chave para a influência social: reciprocidade, coerência, validação social (aprovação), gostar (afinidade), autoridade e escassez.
Liderança e Formação de Equipes /
Características e competências do Líder
1
2
3
4
Descreva em poucas palavras o que é e como se pode desenvolver a capacidade de antecipação.
a
Antecipar é perceber hoje o que vai acontecer no futuro. A capacidade de antecipação, de pensar na frente, é uma das mais importantes. O bom líder avalia e prevê o que vai acontecer. Não é aquele que apenas