A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Modificações gravidicas

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ginecologia e Obstetrícia 
A partir do momento da nidação começam as 
modificações gravídicas. É importante saber reconhecer 
o que é e o que não é normal para que haja orientação 
e a vivência com a gravidez seja positiva. 
A mudanças ocorrem pela carga fisiológica aumentada 
pelos ajustes funcionais., que são: aumento de hormônios 
e enzimas, aumento do volume e circulação uterina e 
alterações no metabolismo materno. 
Essas mudanças revertem-se rapidamente, exceto as 
mamas. 
 
 
Endocrinismo da gravidez 
É dividido em duas fases: 
Ovariana (primeiras 7 semanas) -> corpo amarelo 
gravídico estimulado pelo HCG (HCG transforma corpo 
lúteo em corpo amarelo), assegura a secreção de 
esteroides (estrógeno e progesterona) 
Placentária (após a 7ª semana)_> placenta elabora 
esteroides em quantidades crescentes, hormônios 
proteicos 
 
Hormônios 
HCG -> gonadotrofina coriônica humana, mantem 
condições do endométrio para a implantação e 
desenvolvimento do zigoto, estimula produção de 
testosterona que é importante na diferenciação sexual 
do feto. Atua até que a placenta seja suficiente para 
mantem a gravidez. 
HCS -> somatotrofina coriônica humana e HLP -> 
hormônio lactonegio placentário, asseguram suprimento 
de nutrientes para o feto, fornece energia a mulher 
diminuindo a utilização de carboidratos, aumenta a 
disponibilidade de glicose para o feto, favorecendo seu 
crescimento, reduz uso de produtos de degradação pela 
mãe e aumenta disponibilidade de aminoácidos para o 
feto. Além de influenciar o crescimento e 
desenvolvimento das mamas. 
Progesterona -> na segunda metade do ciclo faz o 
preparo para a implantação do embrião, tem efeito 
calmante sobre contrações uterinas com ação no SNC 
e centro respiratório, atua no desenvolvimento alveolar. 
Estrógeno-> sua produção depende de percursor 
produzido pela suprarrenal. Tem função de controlar o 
crescimento e função uterina, provoca hiperplasia e 
hipertrofia do músculo uterino e mamas, vasodilatação no 
miométrio e tem influência sobre o centro respiratório. 
 
Sistema Cardiovascular 
As mudanças nesse sistema protegem as funções 
normais da mãe, adaptando seu corpo às exigências da 
gravidez, proporcionando crescimento e 
desenvolvimento adequados ao feto, garantindo aporte 
de nutrientes. 
Há um aumento do volume sanguíneo, a partir da 10/12ª 
semana, atinge o máximo com 32/34 semanas e retorna 
ao estado pré-gravidico 2-3 semanas pós-parto. Isso para 
o preenchimento do sistema vascular aumentado do 
útero., como resultado aumenta o plasma e eritrócitos, 
diminui concentrações de Hb que pode gerar anemia 
fisiológica. 
O débito cardíaco também aumenta para suprir a 
demanda do útero, placenta e órgãos com funções 
aumentadas. 
A PA diminui no 1° trimestre e 2°, n restante da gravidez 
aumenta até níveis pré-gravídicos. A queda é resultado 
do tônus muscular diminuído. 
A frequência cardíaca aumenta no 1° trimestre (até 15 
batidas a mais por min). O coração é empurrado para 
cima, esquerda e rodado para frente. 
Essas mudanças podem levar a vertigens, desmaios, 
palpitações, edema, varizes e trombose. 
 
Sistema urinário 
As mudanças anatômicas são a dilatação dos ureteres, 
estagnação de urina (que favorece ITU), ação da 
progesterona (na anatomia dos músculos lisos) devido 
aumento da progesterona e vasos dilatados e aumento 
do útero). As mudanças funcionais são aumento 
acentuado de urina, fluxo plasmático renal, filtração 
glomerular em resposta às maiores demandas 
metabólicas e circulatórias 
 
Sistema digestivo 
Relaxamento de toda a musculatura lisa do TGI, há 
diminuição do tônus e motilidade + produção de 
secreção gástrica diminuída, levando a diminuição do 
tempo de esvaziamento gástrico. 
Pode ocorrer hipersecreção de saliva, edema gengival e 
alterações no apetite. 
O estomago é deslocado para cima e para baixo, intestino 
grosso e ceco para cima e o restante para os lados. 
As mudanças podem levar a náuseas, vômitos, sialorreia, 
pica-malácia, azia/pirose, sangramento gengival, 
meteorismo, obstipação intestinal e hemorroidas. 
 
Sistema respiratório 
Alterações precoces e não causadas por compressão 
mecânica. Elevação do diafragma, alargamento do tórax 
(facilitada pelo relaxamento dos ligamentos), diminuição 
da expansão dos pulmões e mucosa de revestimento. 
Tem um discreto aumento da FR e devido aumento de 
capilares pode haver obstrução nasal, epistaxes e 
alteração de voz 
 
Sistema musculoesquelético 
Alterações consequentes à ação dos hormônios da 
gravidez; amolecimento das cartilagens pélvicas, aumento 
da motilidade das articulações sacro-ilíaca, sacrococcígea 
e da sínfise púbica; relaxamento acentuado dos 
ligamentos; mudança do centro de gravidade para a 
frente (hiperlordose). Todo o peso vai para o assoalho 
pélvico e MMII 
 
Pele 
Proliferação de vasos cutâneos, aumento da 
permeabilidade capilar e de fluxo sanguíneo na pele -> 
dissipa calor -> pele quente e úmida, temperatura 
aumentada. Pode haver desconfortos na autoimagem, 
prurido, transpiração excessiva e ruborização. 
Ocorre a hiperpigmentação devido ação do hormônio 
melantrópico da hipófise e do estrógeno, cloasma da 
face, linha Negra, sinal de Hunter, sinal de jacker-kluge, 
víbice ou estrias, atividade secretora aumentada 3° 
trimestre, hipertrofia das glândulas perimamilares 
 
Sistema Nervoso e psíquico 
Inconsciente, hormonal, afetividade modificada, medo, 
irritabilidade, melancolia, sonolência, fadiga 
 
Útero 
As mudanças começam logo após a nidação, muda a 
consistência, forma, posição. Espessura, peso e tamanho. 
O colo do útero tem aumento de vascularização, há 
hipertrofia e hiperplasia das glândulas cervicais, 
espessamento do revestimento do muco. 
A vagina também tem aumento de vascularização, cor 
rosa passa para violácea -> sinal de kluge. 
Há o preparo para a distensão no parto: mucosa mais 
espessa, hipertrofia dos músculos e tecido conjuntivo 
mais frouxo. 
 
Mamas 
Aumentam de tamanho e firmeza, tornando-se nodulares 
(hipertrofia dos alvéolos), há aumento da vascularização 
0> rede de Haller, podem aparecer estrias, os mamilos e 
aréolas ficam mais proeminentes, a cor da aréola é 
intensificada (sinal de Hunter), e tubérculos de 
Montgomery maiores e secretam substância lipoide.