A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Psicologia e a Exclusão Social

Pré-visualização | Página 1 de 1

Psicologia e a Exclusão Social.
Entendemos que psicologia é o estudo de todo comportamento do indivíduo, e quando falamos da psicologia no âmbito social, podemos compreender como uma psicologia que estuda o indivíduo no meio social, ou seja, entende os comportamentos do indivíduo dentro da sociedade, assim esse objeto de estudo da psicologia social se torna a relação do ser humano e a sociedade.
Um ponto bastante relevante dentro da nossa sociedade que está enraizado por anos, é a exclusão social, que se caracteriza pela exclusão do indivíduo no meio social, por questões como estereótipos, cor, religião, raça, deficiência física ou mental, podemos perceber que quando tratamos deste tema a primeira coisa que vem à mente são pessoas pobres, devido ser elas que mais sofrem com essa exclusão, em virtude de não conseguirem ter como se sustentar ou de terem oportunidades dentro do meio social. Desta maneira observamos que a exclusão tende a criar contextos de desigualdade na sociedade, preconceito, racismo, divisão de classe.
Compreendemos também a visão da personalidade autoritária, onde percebemos um ser humano incapaz de lidar com a mudança, ou seja, preso dentro de seu “grupinho”, e que quem não faz parte é julgado, e recebe todo o ódio, percebemos isso atualmente na nossa sociedade quando vemos grupos como os LGBT, que sofrem constantemente por preconceito e exclusão, devido a alguns indivíduos e grupos que tem essa personalidade autoritária, passamos um pouco também a analisar a questão do racismo simbólico onde entendemos como uma forma de resistência a mudanças de status.
Decorrente desta visão que ganhamos sobre a personalidade autoritária podemos ver que noções conservadoras são como um retrocesso dentro de nossa sociedade, pois impedem a mudança, além de querer fazer as pessoas serem obrigadas a seguir normas, regras, sem tirar o fato de que os que forem contrário a isso, sofreram a violência desta sociedade conservadora.
Por fim podemos concluir que a desigualdade é um forte alicerce para a exclusão social, devido ser ele um dos principais geradores de uma divisão de classe, e criação de uma sociedade sem oportunidade para quem pertencem a classe das minorias ou dos mais pobres dentro da nossa sociedade, entendemos também que o preconceito é uma forma de julgamento que segundo Mezan citado por Sérgio Gomes (2003) “é o conjunto de crenças, atitudes e comportamentos que consiste em atribuir a qualquer membro de determinado grupo humano uma característica negativa”, e que estereótipos é como uma impressão sólida que o indivíduo tem sobre o outro, assim, percebemos que é mais que fundamental debater a respeito destes assuntos que se remetem a artimanhas da exclusão, para podermos ajudar a sociedade em que vivemos, buscando formas de compreender e acabar com todo o preconceito, racismo, desigualdades e estereótipos que permeiam dentro da nossa sociedade por décadas.