A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE FÁRMACOS

Pré-visualização | Página 1 de 1

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DE FÁRMACOS: é determinada pelas propriedades do fármaco e 
pelos seus objetivos terapêuticos. 
A. Enteral: administração pela boca, é mais segura, comum e econômica. 
a. Oral: podem ser neutralizados em casos de dosagem excessiva, porém sofrem inativações 
devido ao pH do estomago. Os remédios podem ser preparações revestidas, que protege o 
fármaco do acido gástrico, sendo liberado no intestino; ou preparações de liberação 
prolongada, que contem ingredientes ou revestimentos que controlam a liberação. 
b. Sublingual: permite que o fármaco se difunda na rede capilar, evitando a passagem pelo trato 
gastrointestinal e a biotransformação de primeira passagem. 
B. Parental: introduz o fármaco diretamente na circulação sistêmica, sendo usada em fármacos que são 
pouco absorvidos no TGI ou que são instáveis no TGI. Também usada em tratamento de pacientes 
impossibilitados de tomar a medicação oral ou quando é necessário um inicio rápido; apresentam 
maior biodisponibilidade e não estão sujeitas a biotransformação de primeira passagem. Contudo, 
são irreversíveis e causam dor, lesões teciduais e infecções. 
a. Intravenosa (IV): pode ser injetada em bólus (rápida absorção) ou em infusão (absorção 
lenta). 
b. Intramuscular (IM): podem ser em soluções aquosas (rápida absorção) ou em preparações 
especializadas (lenta absorção). 
c. Subcutânea (SC): absorção por difusão simples é mais lenta, minimiza os riscos de hemólise 
ou trombose, proporciona efeitos lentos, constantes e prolongados. Não pode ser usada por 
fármacos que causam irritação tissular. 
C. Inalação oral: rápida oferta de fármaco através da membrana mucosa do trato respiratório e epitélio 
pulmonar, os efeitos são rápidos. 
D. Inalação nasal: administração dentro do nariz, como descongestionantes. 
E. Intratecal e intraventricular: tratamentos que precisam ultrapassar a barreira hematoencefálica, são 
introduzidos direto no liquido cerebrospinal. 
F. Tópica: efeito local do fármaco. 
G. Transdérmica: adesivo cutâneo, que proporciona efeitos sistêmicos. 
H. Retal: útil para pacientes que estejam vomitando.