A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
COLUNA VERTEBRAL

Pré-visualização | Página 2 de 3

É mais largo em sua extremidade inferior do que na superior e mais espesso na coluna torácica quando comparado a coluna lombar e cervical. Está fixado no corpo do Áxis, onde é contínuo ao ligamento atlantoaxial anterior, se estende abaixo até e extremidade superior e anterior do Sacro, o promontório.
Durante essa extensão tão longa, tornando-o um dos maiores ligamentos do corpo humano, ele muda sua espessura conforme reveste os corpos vertebrais. Está intimamente aderido aos discos intervertebrais e as margens proeminentes das vértebras, mas no meio do corpo vertebral é mais frouxo, permitindo sua dissecção. É nessa parte, no meio do corpo vertebral, onde fica mais espesso preenchendo a concavidade da face anterior das vértebras fazendo co que toda a face anterior da coluna vertebral seja mais lisa, ou igual.
· Ligamento longitudinal posterior (ligamentum longitudinale posterius)
Está situado na face posterior do corpo vertebral, dentro do canal vertebral; se estende desde o corpo do Áxis, onde é contínuo a membrana tectoria, até a face posterior das vértebras sacrais. . É mais largo em sua extremidade inferior do que na superior e mais espesso na coluna torácica quando comparado a coluna lombar e cervical. É composto por fibras longitudinais lisas e reluzentes, mais densas e compactas do que as do ligamento anterior.
· Ligamento amarelo (ligamentum subflava)
Conecta as lâminas vertebrais adjacentes, desde o Áxis até a primeira vértebra sacral. Podem ser melhor apreciado após a abertura do canal vertebral, já que são anteriores as lâminas e estão encobertos pelos corpo vertebrais.
Quando vistos pela face posterior da coluna vertebral ficam encobertos pelas lâminas vertebrais, parecendo serem mais curtos do que realmente são.
Cada ligamento é composto por duas porções laterais de tecido elástico amarelado, suas fibras são paralelas e saem da face anterior da lâmina da vértebra superior para se fixar na superfície posterior da lâmina da vértebra inferior. A elasticidade de suas fibras desempenham fundamental papel em manter a postura ereta e assitir a musculatura para vertebral em reassumir essa postura após flexão da coluna vertebral.
· Discos Intervertebrais ou Fibrocarilagens intervertebrais (fibrocartilagines intervertebrales)
Estão interpostos entre os corpos vertebrais contíguos. Existem desde o Áxis até o Sacro e são considerados as peças fundamentais nas articulações intervertebrais.
Variam de tamanho, forma e espessura nas diversas regiões da coluna vertebral. São maiores e mais espessos na coluna lombar do que na região cervical, já que acompanham o tamanho das vértebras que eles articulam.
Variam de espessura também dentro da mesma fibrocartilagem, são mais largos na região anterior do que na posterior nas colunas cervicais e lombares contribuindo para lordose dessas regiões.
Esses discos são responsáveis por um quarto (1/4) do comprimento da coluna vertebral. Mas essa distribuição de espessura não é igual em todas as regiões da coluna; a coluna cervical e lombar possuem discos mas espessos, em proporção as suas vértebras, do que a coluna torácica. Isso propicia uma maior mobilidade à coluna cervical e lombar quando comparada as coluna torácica.
As cartilagens intervertebrais são fixadas à cartilagem hialina que reveste a superfície superior e inferior dos corpos vertebrais, em sua superfície externa os discos intervertebrais se fixam fortemente aos ligamentos longitudinais, de forma que a superfície anterior ao ligamento longitudinal anterior e a superfície posterior ao ligamento longitudinal posterior.
Na coluna torácica elas estão unidas lateralmente, por meio dos ligamentos interarticulares, à cabeça das costelas que fazem articulação com essas vértebras.
· Articulação atlantoccipital
É a articulação que une o crânio à coluna vertebral. Ela ocorre entre as faces articulares superiores do Atlas e o côndilo do occipital, sendo uma articulação sinovial condilar. Permite a flexão e a extensão e um diminuto movimento de lateralidade.
Meios de união:
· Membrana atlantoccipital anterior: ampla e constituída de fibras densas e entrelaçadas.
· Membrana atlantoccipital posterior: ampla porem delgada, apresenta uma abertura por onde passam a artéria vertebral e o nervo suboccipital.
· Ligamentos laterais: são continuações das cápsulas articulares.
· Articulação atlantoaxial
É a articulação entre o Atlas e o Áxis, ocorre em dois pontos: entre o Atlas e o dente do Áxis (articulação atlantoaxial mediana) e entre os processos articulares dos dois ossos (articulação atlantoaxial lateral).
· Articulação atlantoaxial mediana
Entre o dente do Áxis e o anel formado pelo arco anterior do Atlas e o ligamento transverso, havendo duas cavidades sinoviais: uma entre a face posterior do arco anterior do Atlas e o dente do Áxis e outra entre o ligamento transverso e face articular posterior do dente do Áxis.
Trata-se de uma articulação sinovial (diartrose) trocóide que permite a rotação lateral e medial do Atlas e com ele o crânio, a extensão desse movimento é limitada pelos ligamentos alares.
· Articulação atlantoaxial lateral
Encontra-se entre as faces articulares superiores do Áxis e as faces articulares inferiores do Atlas, é uma articulação sinovial (diartrose) plana que permite um pequeno deslizamento do Atlas e com ele o crânio sobre o Áxis.
Os ligamentos dessas articulações são:
· Ligamentos alares: Os ligamentos alares têm o aspecto de corda e se originam das partes laterais do dento do Áxis indo fixar-se nas faces mediais do côndilo do occipital.
· Ligamento atlantoaxial anterior: fixado à borda inferior do arco anterior do Atlas e à face ventral do corpo do Áxis.
· Ligamento atlantoaxial posterior: é mais delgado que o anterior e estende-se do arco posterior do Atlas às laminas do Áxis, substituindo o ligamento amarelo.
· Ligamento transverso: fixa o dente do Áxis ao arco anterior do Atlas, vai de uma face medial da massa lateral do Atlas à outra.
 
· Articulações Intervertebrais
São constituídas de uma série de sínfises entre os corpos vertebrais e uma série de junturas entre os arcos vertebrais.
Durante essas articulações a superposição dos forames vertebrais forma o canal vertebral por onde passa a medula espinhal e as superposições das incisuras vertebrais formam os forames intervertebrais, por onde passam os nervos espinhais.
As vértebras se articulam por dois meios, através dos corpos vertebrais e através dos arcos vertebrais.
São anfiartrose do tipo sínfise, projetadas para suportar peso e garantir resistência. Elas são formadas por discos intervertebrais que variam de forma, tamanho e espessura nas diferentes regiões da coluna vertebral, sendo maiores entre as vértebras lombares e memores entre as vértebras cervicais.
Os discos intervertebrais são compostos de anéis fibrosos com lâminas concêntricas de fibrocartilagem e possuem no seu centro o núcleo pulposo. O núcleo pulposo é uma massa gelatinosa que atua como uma mola que absorve os impactos.
Essas sínfises permitem um diminuto movimento, mas quando esses pequenos movimentos se somam a coluna vertebral apresenta notável mobilidade, tendo movimentos de flexão, extensão, flexão lateral e rotação.
· Disco Intervertebral
As estruturas que unem os corpos vertebrais são:
Ligamento longitudinal anterior: é uma forte faixa fibrosa que une as faces antero-laterais dos corpos vertebrais e dos discos intervertebrais. Ele mantem a estabilidade da coluna vertebral e ajuda a impedir a sua hiperextensão.
Ligamento longitudinal posterior: é mais estreito e mais fraco que o ligamento longitudinal anterior, estende-se ao longo da face dorsal dos corpos vertebrais e discos intervertebrais dentro do canal vertebral desde o Áxis até o sacro. Ajuda a impedir a hiperflexão da coluna vertebral.
· Articulações dos Arcos Vertebrais
São articulações sinoviais planas entre os processos articulares dos arcos vertebrais. A amplitude do movimento é determinada pelo tamanho do disco intervertebral, quando maior o disco menor o movimento. As laminas, os processos