A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Estômago de aves - anatomia veterinária

Pré-visualização | Página 1 de 1

Anatomia, histologia e fisiologia
Epitélio de revestimento - lâmina própria -
muscular da mucosa - submucosa - muscular
Dilatação da porção mais caudal do
esôfago
Estocagem de comida 
Ausente em algumas aves, como corujas,
gaivotas e pinguins.
Ausência de atividade digestiva
2
Anatomia, histologia e fisiologia
3
Inglúvio
Anatomia, histologia e fisiologia
Filhote de calopsita (Nymphicus
hollaniducs) com papo cheio - não
é o normal.
Período de chocagem dos ovos - pombos machos e fêmas
elaboram um material friável no inglúvio (leite de papo)
O leite de papo é regurgitado e alimenta os filhotes nos
primeiros dias de vida.
Células epiteliais descamadas contendo lipídios.
4
Anatomia, histologia e fisiologia
Proventrículo (estômago glandular)
5
Ventrículo (moela)
Istmo - Junção do proventrículo com
o ventrículo.
Istmo
Anatomia, histologia e fisiologia
6
Proventrículo
Ventrículo
Espécies herbívoras: adaptado para a
redução mecânica do material mais
resistente
Espécies domésticas: estômago de segunda categoria e
exibem poucas variações interespecíficas
Anatomia, histologia e fisiologia
Espécies carnívoras: especializado
na digestão química dos alimentos
7
Mucosa esbranquiçada, pregueada e revestida
por epitélio cilíndrico simples secretor de muco
Sulcos - na base o epitélio de revestimento é cubóide
Anatomia, histologia e fisiologia
Formato fusiforme, paredes finas e
com 4cm de comprimento
8
Cranial
Anatomia, histologia e fisiologia
Papilas cônicas macroscópicas - passam ductos coletores
vindo de uma espessa camada de glândulas
Células oxintopépticas - HCl e
pepsimogênio
Células produtoras de muco
9
Anatomia, histologia e fisiologia
Transição do proventrículo para o ventrículo
Não possui glândulas
Paredes mais delgadas e menos rígidas
Papagaios (Amazona spp.) - a camada (cutícula
gástrica) que reveste a moela se estende até o
istmo
10
Anatomia, histologia e fisiologia
Contém um marcapasso
gastrointestinal
11
- Reduz as contrações ventriculares e
duadenais pela metade
 - a destruição do plexo mientério (ex: síndrome
da dilatação proventricular) elimina contrações
proventriculares.
Interior alongado, aumentado por sacos cegos
cranial e caudal - o primeiro se conecta com o
proventrículo
Anatomia, histologia e fisiologia
Duodeno surge na face direita, adjacente ao
saco cego cranial
12
Caudal - lado esquerdo do centro da cavidade
celomática
Aves herbívoras: tritura o alimento com
suas contrações
Aves granívoras: apresenta musculatura
mais fina, pois descascam e trituram as
sementes antes de engolirem
Anatomia, histologia e fisiologia
13
Anatomia, histologia e fisiologia
Volume do órgão - duas camadas espessas de músculos
que se inserem em ambos os lados
Membrana mucosa fina e resistênte - revestida
por epitélio cúbico 
Possui glândulas tubulares cuja secreção, ao
entrar em contato com o baixo pH do HCl do
proventrículo forma uma rígida cutícula de
coilina
14
Patologias
Origem viral - Bornavírus
Acomete estruturas mioentérias e do SNC
Causa neurite linfoplasmocítica - disfunção dos
nervos
Alto índice de mortalidade
15
Patologias
Sinais Clínicos
Perda de peso apesar de
continuar com apetite
Depressão
Emaciação
Regurgitação
Esvaziamento lento do
inglúvio e do proventrículo
Presença de alimento não
digerido nas fezes
Incoordenação
Tremores 16
Patologias
Diagnóstico
Exame radiográfico 
Utilização de contrastes para
visualização da fraca
contrabilidade do proventrículo
17
Patologias
Diagnóstico
18
Radiografia demonstrando
dilatação proventricular em
papagaio
Lateral e ventrodorsal
Patologias
Diagnóstico
Diagnóstico definitivo:
ganglioneurite linfoplasmocítica e
leimiosite linfocítica encontradas
através do proventrículo ou
ventrículo
19
Patologias
20
Dilatação do
proventrículo
Deslocamento das vísceras e
consequentemente
compressão dos sacos aéreos
Exame necroscópico de papagaio-
verdadeiro (Amazona aestiva)
Patologias
Tratamento
Alimentação úmida - maior quantidade de fibras e poucas sementes
Antibióticos de amplo espectro (trimetropina + sulfametoxazol)
Procinético (cisaprida)
AINE (meloxicam)
Nem todos respondem ao tratamento,
podendo apenas prolongar em
dias/meses a vida do animal.
21
Patologias
Bactéria Chlamydia psittaci
Psitacídeos são mais sensíveis ao agente patológico
Zoonose
Transmissão através de indigestão do microrganismo ou inalação,
contato com secreções contaminadas e também no ninho, pela
regurgitação de alimento para os filhotes
Período de incubação nas aves: 13 a 106 dias
Taxa de mortalidade
variável
22
Forma aguda
Forma crônica
Forma inaparente
Variam com a espécie, estado imunológico e idade, virulência
do sorotipo envolvido, via de transmissão e possibilidade de
presença de infecções simultâneas
Patologias
Sinais Clínicos
Forma superaguda
23
Forma aguda
Forma crônica
Forma inaparente
Patologias
Forma superaguda
24
Em geral em aves jovens, ausência
de sinais clínicos antes do óbito.
Alterações fisiológicas
Depressão, anorexia, asas
pendentes, conjuntivite e tremores
Emagrecimento progressivo,
conjuntivite ocasional e alterações
respiratórias sutis
Não possui sinais clínicos
Comum em aves adultas expostas
a sorotipos de média a baixa
virulência
Isolamento e/ou detecção do
agente etiológico
Patologias
Diagnóstico
Cultura de células ou no saco
vitelino de ovos embrionados e
identificados por coloração
25
Patologias
26
Radiografia de papagaio-verdadeiro
(Amazona aestiva)
Exame com reação de cadeia da
polimerase positivo para
Chlamydophila psittaci.
Grave hepatomegalia (setas)
Antibioticoterapia - tetraciclina ou rações com clorteraciclina - 45 dias
Patologias
Tratamento
Monitorar a ave por sinal de hepatotoxicidade
Suplementação de dieta, fluidoterapia e isolamento
O tratamento não é garantia de
eliminação do patógeno, pois a ave
continua vulnerável a reinfecções
27
A clamidiose aviária é de notificação
obrigatória aos órgãos de saúde
pública no Brasil em caso de
confirmação da doença.
Patologias
(Intrução Normativa MAPA nº 50/2013).
28
Referências
29
DYCE, K. M. Tratado de anatomia veterinária. 4 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
http://www.atlashistovet.uff.br/Sistdigestoriogalinha.htm
PARDINI, Verônica. Doença da dilatação do proventrículo. Vevet. Jan, 2014. Disponível em:
http://www.vevet.com.br/2014/01/doenca-da-dilatacao-do-proventriculo.html
http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/QSY4pVoIKiGxbM9_2013-8-13-16-58-33.pdf
https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/arquivos-das-
publicacoes-de-saudeanimal/Listadedoencasanimaisdenotificacaoobrigatoria.pdf
GRESPAN, André. Clamidiose em calopsitas (Nymphcus hollandicus): perfil do proprietário e ensaio terapêutico.
Dissertação (Pós-Graduação em Epidemiologia Experimental Aplicada à Zoonoses). FMVZ-USP, São Paulo, 2009.
HARRISON. Anatomy of the Umbrella Cockatoo: Acetate overlay structure identification system. Wingers
Publishing, Lake Worth, Florida. 1994.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.