A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
ESTUDO DE CASO Processos Patológicos

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material ESTUDO DE CASO Processos Patológicos - página 1
Pre-visualização do material ESTUDO DE CASO Processos Patológicos - página 2

ESTUDO DE CASO Processos Patológicos

ESTUDO DE CASO 
As manifestações apresentadas pelo paciente, que são rubor, inchaço e 
calor no local, são características comuns de uma reação inflamatória. Essa 
manifestações ocorrem por meio das reações causadas por conta da inflamação 
aguda, que podem ser divididas em: reações dos vasos sanguíneos e reações 
celulares. As primeiras reações que ocorrem são as dos vasos sanguíneos, elas 
são responsáveis por direcionar o exsudato (líquido com alta concentração de 
proteínas e restos celulares e alta densidade) ao local injuriado. A primeira 
reação é a vasodilatação, que ocorre pela ação de mediadores químicos 
liberados, histamina e óxido nítrico. Em seguida, ocorre o aumento da 
permeabilidade da microvasculatura, que leva a um aumento de células de 
defesa ao local da inflamação, isso faz com que ocorra o aumento da 
temperatura (calor) e vermelhidão (rubor) no pé do paciente. O aumento da 
permeabilidade, aumenta os espaços entre as células da membrana do vaso, o 
que permite o extravasamento do exsudato ao local lesado. 
As reações celulares ocorrem em duas fases, uma dentro do vaso 
sanguíneo e outra fora dele. A fase que ocorre dentro do vaso, consiste em 
marginação, rolamento e adesão. Em seguida ocorre o deslocamento pelo 
endotélio e migração nos tecidos, para então realizarem as funções de 
eliminação do agente agressor. 
Na fase que ocorre dentro do vaso, temos a marginação, que consiste na 
saída dos leucócitos do centro dos vasos para as paredes. Em seguida, os 
leucócitos são capturados e aderem-se ao endotélio, para depois migrar pelas 
paredes das vênulas. A captura, o rolamento e a adesão desses leucócitos são 
mediadas por moléculas de adesão que estão presentes na superfície do 
endotélio e dos leucócitos. Portanto se o paciente possui uma deficiência na 
adesão leucocitária, ele apresentará defeitos no processo de adesão dos 
leucócitos, e isso impede que os leucócito migrem para o tecido lesado e 
realizem fagocitose do agente agressor da inflamação, resultando em 
complicações no processo de cura. 
Fonte: UNINGÁ. Processos Patológicos: Inflamações e Neoplasias. Disponível 
em: www.uninga.br. Acesso em: 26 jan. 2021.