A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
87 pág.
AULA 6

Pré-visualização | Página 3 de 3

gondii
Ciclo Biológico	
Fase Assexuada
Disseminação ocorre por taquizoítos livres na linfa ou sangue
Fase	inicial	–	aguda	–	com	evolução	pode	levar	à	morte	ou diminuir e cessar
Alguns	evoluem	para	formação	de	cistos	–	diminui	a sintomatologia
BIOLOGIA
Toxoplasma gondii
Ciclo Biológico	
Fase Coccidiana
Ocorre nas células epiteliais do intestino de felídeos
Ocorre	uma
fase	assexuada(merogonia)	e	outra
sexuada(gamogonia)
Penetram no epitélio, sofre multiplicação. 
Rompimento da célula libera merozoítos
BIOLOGIA
Toxoplasma gondii
Transmissão	
Constitui uma das mais difundida zoonoses do mundo
Em	alguns	locais	40	a	70%	dos	adultos	apresentam-se positivos para toxoplasmose
BIOLOGIA
Toxoplasma gondii
Transmissão	
O ser humano adquiri a infecção por três vias principais:
1.Ingestão de oocistos 2.Ingestão de cistos 3.Congênita ou transplacentária
Mais raramente pode ocorrer por ingesta de taquizoíto
BIOLOGIA
Toxoplasma gondii
Mecanismos	imune	mediados	por	células	desempenham	um papel de destaque na resistência à doença
Durante	o	período	de	disseminação,	inicia-se	a	formação	de
anticorpos e de mecanismos imune celulares
Na fase crônica, somente bradizoítos persistem
IMUNIDADE
Toxoplasma gondii
Em	humanos	parece	estar	ligada	a fatores importantes	como cepa do parasita, resistência da pessoa e o modo como ela é infectada
Transmissão	congênita	é	a	mais	grave	e	a	adquirida	pode apresentar uma evolução variável
Com	uso	de	quimioterapia	e	o	surgimento	da	AIDS,	a incidência de infecção oportunista por T. gongii tem aumentado
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose Congênita
É necessário que a mãe esteja na fase aguda ou reagudização da mesma na gravidez
As consequências dependem do grau de exposição do feto aos toxoplasmas, da capacidade dos anticorpos maternos protegerem o feto e o período da gestação
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose Congênita
As	alterações	ou	lesões	fetais	mais	comuns	variam	com	o
período da gestação:
1º trimestre – aborto
2º trimestre – aborto ou nascimento prematuro
3º trimestre – pode nascer normal e apresentar evidencias da doença após o parto
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose pós natal
o Ganglionar ou Febril Aguda
Mais frequente, pode ocorrer em crianças e adultos
Há	um	comprometimento	ganglionar	generalizado	ou	não, com febre alta
Curso	crónico	e	benigno,	podendo	levar	a	complicações	de outros órgãos
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose pós natal
o Ocular
Retinocoroidite é a lesão mais frequente, consequência de uma infecção aguda(taquizoítos) ou crônica(cistos - bradizoítos) locaalizados na retina
T. Gondii alcança a retina através da corrente sanguínea(taquizoítos livres ou em macrófagos circulantes); taquizoítos são liberados e podem invadir a retina subjacente
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose pós natal
o Cutânea
Forma lesões generalizadas na pele
Rara e os casos conhecidos foram de evolução rápida e fatal
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose pós natal
o Meningoencefálica
Pouco frequente em imunocompetentes
Os parasitas atacam células nervosas e provocam lesões focais múltiplas, principalmente no hemisfério cerebral ou no gânglio basal e cerebelo
Pode causar cefaleia, febre, paralisias leve até perda da capacidade de coordenação muscular, confusão mental, convulsões, pode progredir para coma e até morte
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose pós natal
o Generalizada
Rara	mas	de	evolução	mortal	em	pacientes	com	resposta imune normal
Em	imunodeficientes,	têm-se	registrado	casos	de
toxoplasmose sistêmica
PATOGENIA
Toxoplasma gondii
Pode ser clínico ou laboratorial
Diagnóstico clínico difícil de se realizar pois casos agudos podem levar à morte ou evoluir para a forma crônica. Sendo que esta pode ser assintomática ou se assemelhar a outras patologias
Suspeita clínica deverá ser confirmada pelo diagnóstico
laboratorial
DIAGNÓSTICO
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose Congênita
Principal forma é a pesquisa de anticorpos tipo IgM no soro do
recém nascido
DIAGNÓSTICO
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose no Adulto
Teste sorológicos a intervalos de 2 a 3 semanas
Utiliza-se	testes
imunoenzimáticos;	em	caso	de	ascensão
constante, indicará doença
Anticorpos	IgM,	IgA	ou	IgG	de	baixa avidez	também	podem indicar infecção aguda
DIAGNÓSTICO
Toxoplasma gondii
Toxoplasmose em Indivíduos Imunodeficientes
Recomenda-se realização de testes sorológicos anti-IgG
É importante a verificação da soropositividade no paciente Realização de tomografia para localização de lesões cerebrais
DIAGNÓSTICO
Toxoplasma gondii
Apesar	de	vivermos	em	um	“mar	de	toxoplasma”	podem	ser inferidos os seguintes procedimentos:
Não comer carne crua ou mal cozida
Controle da população de gatos
Incinerar fezes de gatos
Exames pré-natal para toxoplasmose em gestantes
Desenvolvimento de vacinas
PROFILAXIA
Toxoplasma gondii
As pessoas assintomáticas geralmente não necessitam de tratamento
Os medicamentos para tratar a infecção incluem drogas antimaláricas e antibióticos. Os pacientes com AIDS devem continuar o tratamento enquanto o sistema imunológico estiver debilitado para evitar que a doença se manifeste novamente
A toxoplasmose congênita deve ser tratada com terapêutica específica: pirimetamina e sulfadiazina
TRATAMENTO
Toxoplasma gondii

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.