A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Sistema Muscular

Pré-visualização | Página 1 de 3

Sistema muscular 
Juntamente do sistema esquelético e articular, 
forma o aparelho locomotor do corpo. O 
movimento é efetuado por células especializadas 
denominadas fibras musculares, cuja energia 
latente é ou pode ser controlada pelo sistema 
nervoso. As fibras musculares são alongadas e 
fusiformes, agrupando-se em feixes para formar 
massas macroscópicas denominadas músculos. O 
tecido conjuntivo associado conduz fibras 
nervosas e capilares para as células musculares e 
une-as em feixes ou fascículos. Quanto maior for 
o número de fibras, mais forte será o músculo. Do 
mesmo modo, quanto maior for o comprimento da 
fibra muscular, maior será a capacidade de 
contração do músculo ao qual pertence. 
 
Enquanto os ossos e articulações são considerados 
elementos passivos do movimento (alavancas 
biológicas), os músculos são elementos ativos. 
Eles se encontram fixados pelas suas 
extremidades e, portanto, movem os segmentos do 
corpo por encurtamento da distância que existe 
entre suas extremidades fixadas, ou seja, por 
contração. Em resumo, os músculos são, em sua 
maioria, estruturas individualizadas que cruzam 
uma ou mais junturas e, pela sua contração, são 
capazes de transmitir-lhes movimento. O músculo 
vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a 
existência de pigmentos e de grande quantidade de 
sangue nas fibras musculares. Alguns músculos 
são carnosos em toda sua extensão, mas a maioria 
também tem porções brancas não contráteis 
(tendão), compostos principalmente de feixes 
colágenos organizados, que garantem um meio de 
inserção. Os músculos representam 40-50% do 
peso corporal total. Eles convertem energia 
quimicamente armazenada em trabalho mecânico. 
Número de músculos: 656; sendo 327 pares e 2 
ímpares (diafragma e próscero). 
 
 Produção dos movimentos corporais 
 Estabilização das posições corporais: a 
contração dos músculos esqueléticos 
estabilizam as articulações e participam da 
manutenção das posições corporais, como 
a de ficar em pé ou sentar 
 Regulação do volume dos órgãos: a 
contração sustentada das faixas anelares 
dos músculos lisos (esfíncteres) pode 
impedir a saída do conteúdo de um órgão 
oco 
 Movimento de substancias dentro do 
corpo: as contrações dos músculos lisos 
das paredes dos vasos sanguíneos regulam 
a intensidade do fluxo. Os músculos lisos 
também podem mover alimentos, urina e 
gametas do sistema reprodutivo. Os 
músculos esqueléticos promovem o fluxo 
de linfa e o retorno do sangue para o 
coração. 
 Produção de calor: quando o tecido 
muscular se contrai ele produz calor e 
grande parte desse calor liberado pelo 
musculo é usada na manutenção da 
temperatura corporal 
 
Cada músculo possui o seu nervo motor, o qual se 
divide em muitos ramos para poder controlar 
todas as células do músculo. As divisões mais 
delicadas destes ramos terminam num mecanismo 
especializado conhecido como placa motora. 
Quando o impulso nervoso passa através do 
nervo, a placa motora transmite o impulso às 
células musculares determinando a sua contração. 
Se o impulso para a contração resulta de um ato 
de vontade, diz-se que o músculo é voluntário; e, 
se não, é involuntário. 
1) Músculo estriado esquelético: músculo 
somático voluntário inervado pelo SNC. 
Suas fibras musculares são alongadas, 
 
 
multinucleadas e apresentam estriações 
transversais, produzindo no tecido faixas 
alternadas claras e escuras visíveis no 
microscópio óptico. Apesar de 
classificados como voluntários, muitas das 
suas ações são automáticas, e alguns deles 
têm ação reflexiva e apenas parcialmente 
submetida ao controle voluntário. Como 
por exemplo, tem-se o diafragma e os 
músculos da respiração (é possível, 
voluntariamente, suspender a respiração 
por algum tempo, mantendo o diafragma 
fixo). 
 
2) Músculo estriado cardíaco: músculo 
visceral involuntário inervado pelo SNA. 
Forma a maior parte das paredes do 
coração e partes adjacentes dos grandes 
vasos, como a aorta, e bombeia o sangue. 
Possui contração rítmica, contínua, rápida 
e forte. Fibras musculares mais curtas, 
estriadas e núcleo único e central. 
 
3) Músculo liso: localizado nas paredes dos 
vasos sanguíneos, vias aéreas e maioria 
dos órgãos da cavidade abdômino-pélvica. 
É o músculo visceral involuntário inervado 
pelo SNA. Contração fraca, lenta e rítmica. 
Fibras fusiformes e sem estriações, núcleo 
único e central. O músculo liso responde 
mais devagar do que o músculo estriado e 
com uma contração tardia e mais suave. 
Pode sofrer contração parcial durante 
longos períodos e tem capacidade muito 
maior do que o músculo estriado de 
alongar sem sofrer lesão paralisante: esses 
dois fatores são importantes no controle do 
tamanho dos esfíncteres e do calibre do 
lúmen das estruturas tubulares. Nas 
paredes do sistema digestório, das tubas 
uterinas e dos ureteres: peristalse (conjunto 
de contrações rítmicas que impulsionam o 
conteúdo ao longo dessas estruturas 
tubulares). 
 
 ENDOMÍSIO: cada fibra muscular é 
revestida pelo endomísio. As fibras 
musculares se agrupam em fascículos 
 PERIMÍSIO: envolve os fascículos 
 EPIMÍSIO: bainha conjuntiva que 
envolve os músculos 
 FÁSCIA: lâmina de tecido conjuntivo que 
envolve cada músculo (externamente ao 
epimísio). A espessura da fáscia muscular 
varia de músculo para músculo, 
dependendo da sua função. Às vezes, é 
muito espessa e pode contribuir para 
prender o músculo ao esqueleto. 
 SEPTOS INTERMUSCULARES: 
projeções da fáscia que separam os grupos 
musculares e ocorrem frequentemente nos 
membros. Têm como funções: controlar e 
direcionar a disseminação de infecções, 
compartimentalizar os músculos em 
grupos musculares e permitir o 
deslizamento de músculos entre si. 
 
 VENTRE MUSCULAR: é o corpo do 
músculo (ente origem e inserção). É a 
porção média, carnosa e contrátil do 
músculo; nele predominam as fibras 
musculares. No indivíduo vivo, em 
repouso, o corpo muscular apresenta tônus, 
ou seja, certo grau de contração reflexa. 
 TENDÕES E APONEUROSES: 
esbranquiçados e brilhantes, muito 
resistentes e praticamente inextensíveis, 
constituídos por tecido conjuntivo denso. 
Servem para fixar o músculo ao esqueleto. 
Os tendões, ricos em fibras colágenas, 
possuem formas de fita, enquanto que as 
aponeuroses são laminares. As 
aponeuroses são membranas que envolvem 
grupos musculares. 
 BAINHAS TENDÍNEAS: são estruturas 
que formam pontes ou túneis entre as 
superfícies ósseas sobre as quais deslizam 
 
 
os tendões. Sua função é conter o tendão, 
permitindo-lhe um deslizamento fácil. 
 BOLSAS SINOVIAIS: estão presentes 
onde os tendões sofrem atrito com os 
ossos, ligamentos ou outros tendões, ou 
onde a pele move sobre uma saliência 
óssea. Possibilitam o deslizamento 
muscular. 
 
*Rigidez cadavérica: enrijecimento dos músculos 
devido à perda de adenosinatrifosfato pelos 
músculos após a morte* 
 
A maior parte dos músculos está ligada 
diretamente ou por intermédio de seus tendões ou 
aponeuroses aos ossos, cartilagens, ligamentos ou 
fáscias, ou a uma combinação destes. Outros 
músculos estão ligados a órgãos, como o bulbo do 
olho, e outros à pele. Quando um músculo se 
contrai e encurta, uma de suas conexões 
geralmente permanece fixa, enquanto que a outra 
se movimenta. O ponto fixo é denominado 
“origem” e o móvel, “inserção”. Nos membros, as 
porções mais distais de regra possuem maior 
motilidade. Por essa razão, é a ligação distal 
geralmente denominada inserção. Contudo, os 
termos origem e inserção são convenientes apenas 
com propósitos descritivos. Frequentemente, a 
inserção anatômica permanece fixa, enquanto a 
origem de movimenta. Às vezes, ambas as 
extremidades permanecem fixas; nesses casos, o 
músculo tem como função estabilizar uma juntura. 
 
*O aumento prolongado da intensidade do

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.