A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
296 pág.
Manual de laboratório de autoria da OMS para exame e processamento do sêmen humano

Pré-visualização | Página 1 de 50

iii 
 
 
 
 
 
 
Manual de laboratório da OMS 
 
 
Exame e processamento do 
sêmen humano 
 
 
QUINTA EDIÇÃO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
iv 
 
Manual de laboratório da OMS para o exame e 
processamento do sêmen humano - 5ª ed. 
 
 
 
 
Publicado pela Organização Mundial de Saúde em 2010 
sob o título “ WHO laboratory manual for the 
examination and processing of human sêmen - 5th ed.” 
 
 
 
A Organização Mundial da Saúde concedeu direitos de 
tradução e publicação de uma edição em português para o 
Programa Nacional de Controle de Qualidade, que é o 
único responsável pela qualidade e fidelidade da versão 
em português. 
No caso de qualquer inconsistência entre as versões em 
inglês e português, a versão original em inglês será a 
versão obrigatória e autêntica. 
 
© Programa Nacional de Controle de Qualidade – 2018 
 
Programa Nacional de Controle de Qualidade - 2018. 
Tradução: Global Translation 
Revisão técnica: 
Assessor Dr. Orildo dos Santos Pereira 
Revisão ortográfica e visualização: 
Superintendente: Dr. Francisco Edison Pacifici Guimarães 
Diretor de Administração: Dr. José Abol Corrêa 
 
 
 
 
 
 
 
 
v 
 
 
 
 
CONTEÚDO 
 
Agradecimentos xiv 
Siglas e abreviaturas usadas neste manual vi 
 
Capítulo 1 Antecedentes 1 
1.1 Introdução 1 
1.2 A quinta edição 1 
1.3 Alcance do manual 3 
 
PARTE I. ANÁLISE DO SÊMEN 
 
Capítulo 2 Procedimentos padrão 5 
2.1 Introdução 5 
2.2 Coleta da amostra 8 
2.2.1 Preparação 8 
2.2.2 Coleta de sêmen para fins de diagnóstico ou pesquisa 9 
2.2.3 Coleta estéril de sêmen para reprodução assistida 9 
2.2.4 Coleta estéril de sêmen para análise microbiológica 9 
2.2.5 Coleta de sêmen em casa 10 
2.2.6 Coleta de sêmen com preservativo 10 
2.2.7 Manipulação segura de amostras 11 
2.3 Exame macroscópico inicial 11 
2.3.1 Liquefação 11 
2.3.2 Viscosidade do sêmen 12 
2.3.3 Aparência do ejaculado 13 
2.3.4 Volume do sêmen 13 
2.3.5 pH do sêmen 14 
2.4 Investigação microscópica inicial 15 
2.4.1 Mistura completa e amostragem representativa do sêmen 15 
2.4.2 Fazendo uma preparação úmida 15 
2.4.3 Agregação de espermatozoides 16 
2.4.4 Aglutinação de espermatozoides 17 
2.4.5 Elementos celulares que não sejam espermatozoides 18 
2.5 Motilidade espermática 19 
2.5.1 Categorias de movimento de esperma 19 
2.5.2 Preparando e avaliando uma amostra para motilidade 20 
2.5.3 Exemplos práticos 22 
2.5.4 Limite inferior de referência 23 
2.6 Vitalidade do esperma 23 
2.6.1 Teste de vitalidade usando eosina-nigrosina 24 
2.6.2 Teste de vitalidade usando apenas eosina 26 
2.6.3 Teste de vitalidade usando inchaço hipo-osmótico 27 
2.7 Número de espermatozoides 29 
2.7.1 Tipos de câmara de contagem 30 
2.7.2 O hemocitômetro de Neubauer melhorado 31 
2.7.3 Usando a grade do hemocitômetro 32 
2.7.4 Cuidado da câmara de contagem 32 
2.7.5 Fixador para diluir o sêmen 33 
vi 
2.7.6 A importância de contar suficientes espermatozoides 33 
2.8 Procedimento de contagem de rotina 34 
2.8.1 Determinar a diluição necessária 34 
2.8.2 Preparar as diluições e carregar as câmaras do hemocitômetro 36 
2.8.3 Avaliação do número de espermatozoides nas câmaras de contagem 37 
2.8.4 Cálculo da concentração de espermatozoides no sêmen 39 
2.8.5 Exemplos práticos 39 
2.8.6 Limite inferior de referência para a concentração de espermatozoides 40 
2.8.7 Cálculo do número total de espermatozoides no ejaculado 40 
2.8.8 Limite inferior de referência para o número total de espermatozoides 40 
2.9 Números espermáticos baixos: criptozoospermia e suspeita de 
azoospermia 40 
2.10 Quando uma avaliação precisa de um baixo número de 
espermatozoides não é necessária 41 
2.10.1 Não realizar nenhuma ação 41 
2.10.2 Exame de amostras centrifugadas para detectar espermatozoides 41 
2.10.3 Exame de amostras não centrifugadas para detectar espermatozoides 
móveis 42 
2.11 Quando uma avaliação precisa de um baixo número de 
espermatozoides é necessária 43 
2.11.1 Avaliação do baixo número de espermatozoides em toda a câmara 
melhorada de Neubauer (microscopia de fase com contraste) 44 
2.11.2 Avaliação do baixo número de espermatozoides em lâminas 
descartáveis de grande volume (microscopia de fluorescência) 48 
2.12 Contagem de células não espermáticas 53 
2.12.1 Cálculo da concentração de células redondas no sêmen 53 
2.12.2 Sensibilidade do método 53 
2.12.3 Exemplos práticos 53 
2.13 Morfologia espermática 55 
2.13.1 O conceito de espermatozoides normais 55 
2.13.2 Preparação de esfregaços de sêmen 56 
2.14 Métodos de coloração 60 
2.14.1 Fixação tradicional e coloração sequencial 60 
2.14.2 Procedimento de coloração de Papanicolaou para morfologia 
espermática 61 
2.14.3 Procedimento de coloração Shorr para morfologia espermática 63 
2.14.4 Procedimento de coloração rápida para morfologia espermática 64 
2.15 Examinando a preparação corada 65 
2.15.1 Classificação da morfologia normal dos espermatozoides 65 
2.15.2 Classificação da morfologia anormal dos espermatozoides 66 
2.16 Placas morfológicas 1–14 70 
2.17 Analisando a morfologia do esperma 108 
2.17.1 Avaliação da morfologia dos espermatozoides normais 108 
2.17.2 Exemplos práticos 109 
2.17.3 Limite inferior de referência 109 
2.17.4 Avaliação da morfologia dos espermatozoides anormais 109 
2.17.5 Exemplo prático 110 
2.17.6 Avaliação dos defeitos espermáticos específicos 110 
2.18 Avaliação de leucócitos no sêmen 111 
2.18.1 Coloração de peroxidase celular usando orto-toluidina 111 
2.19 Avaliação de células germinativas imaturas no sêmen 116 
2.20 Teste para revestimento de anticorpos para espermatozoides 116 
2.20.1 O teste de reação mista de antiglobulina 117 
2.20.2 Teste direto immunobead (imunoesferas) 119 
2.20.3 Teste indireto immunobead (imunoesferas) 122 
vii 
 
Capítulo 3 Procedimentos Opcionais 124 
3.1 Índices de múltiplos defeitos espermáticos 124 
3.1.1 Cálculo de índices de múltiplos defeitos morfológicos 124 
3.1.2. Exemplo prático 125 
3.2 Coloração imunocitoquímica de pan-leucócitos (CD45) 126 
3.2.1 Princípio 126 
3.2.2 Reagentes 126 
3.2.3 Procedimento 127 
3.3 Interação entre espermatozoides e muco cervical 130 
3.3.1 Teste in vivo (pós-coital) 130 
3.3.2 Testes in vitro 133 
3.3.3 Teste de lâmina simplificado in vitro 134 
3.3.4 Teste de tubo capilar 135 
3.4 Ensaios bioquímicos para a função dos órgãos sexuais acessórios
 138 
3.4.1 Medição de zinco no plasma seminal 139 
3.4.2 Medição de frutose no plasma seminal 140 
3.4.3 Medição de α-glucosidase neutra no plasma seminal 142 
3.5 Análise de esperma assistida por computador (CASA) 145 
3.5.1 Introdução 145 
3.5.2 Uso de CASA para avaliar a motilidade dos espermatozoides 146 
3.5.3 Uso de CASA para estimar a concentração de espermatozoides 149 
3.5.4 Avaliação morfométrica espermática auxiliada por computador 149 
 
Capítulo 4 Procedimentos de pesquisa 151 
4.1 Espécies que reagem ao oxigênio 151 
4.1.1 Introdução 151 
4.1.2 Medição de espécies reativas de oxigênio geradas por suspensões de 
espermatozoides 152 
4.2 Testes de interação espermatozoide-oócito humano 156 
4.3 Testes de ligação da zona pelúcida humana 156 
4.4 Avaliação da reação acrossômica 156 
4.4.1 Procedimento para a avaliação da fluorescência do estado acrossomal157 
4.4.2 Ensaio de reação acrossômica induzida 159 
4.5 Teste de penetração de oócitos de hamster sem zona 161 
4.5.1 Protocolo 162 
4.6 Avaliação da cromatina espermática 167 
 
PARTE II. PREPARAÇÃO DO ESPERMA 
 
Capítulo 5 Técnicas de preparação de esperma 169 
5.1 Introdução 169 
5.1.1 Separação dos espermatozoides do plasma seminal 169 
5.1.2 Escolha do método 169 
5.1.3 Eficiência da separação de espermatozóides do plasma seminal e 
organismos contagiosos 170 
5.2 Princípios gerais 170 
5.3 Lavagem simples 171 
5.3.1 Reagentes 171

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.