A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Imagenologia - Radiobiologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

A radiobiologia é o termo de estudo dos diversos efeitos das radiações ionizantes
sobre células e tecidos vivos
Em 1876 Grubbe já percebeu efeitos biológicos da radiação x, notando a
capacidade que os raios tinham de matar uma célula ou tecido, assim começou a
ser utilizado para tratamento de câncer de mama avançado (primeiro tratamento
com radioterapia registrado poucos anos depois)
O elemento radioativo era usado cotidianamente em todos os produtos possíveis
devido não estarem cientes sobre os efeitos nocivos da radiação
Mecanismos de ação da radiação ionizante: exposição -> absorção (pelos
componentes da célula ou por água) -> ionização/excitação -> efeito biológico
Efeitos da radiação no seres vivos podem ser direto ou indireto
Direto: energia (fóton) atua sobre material genético, molécula de DNA, RNA e
enzimas
Indireto: atua sobre molécula de água -> forma radicais livres (H e OH) ->
reagem com moléculas de O2 (estabilidade) -> forma HO2 -> reage com H -
>H2O2 (peróxido de hidrogênio - agente oxidante) -> provoca alterações
significativas nas moléculas biológicas e causa destruição celular no DNA
O direto é responsável por ⅓ dos efeitos biológicos e o indireto ⅔
Os efeitos biológicos podem ser classificados de acordo com o comportamento
frente a dose recebida ou de acordo com a linhagem celular atingida
Tipos de comportamento biológicos frente a dose recebida: efeito determinístico
e efeito estocástico
Efeito determinístico: efeito que acontece quando a exposição excede um limiar
particular, onde a partir de um ponto L (limiar) a gravidade da lesão é
proporcional à dose recebida (radioterapia funciona dessa forma); altas doses são
necessárias para provocar seu aparecimento (ex.: eritema, catarata, epilação,
infertilidade)
Efeito estocástico: é quando a exposição à radiação causa danos subletais ao DNA
da célula, não existe limiar, qualquer dose pode induzir dano, mas aumenta a
probabilidade de dano com aumento de dose, pode ter longo período de latência
até emitir os primeiros sinais (câncer ou mutações), há a relação linear sem
limiar de dose (qualquer dose é capaz de aumentar o risco de mutações e danos,
não existe dose segura para que não haja esse efeito, há sempre uma
probabilidade)
imagenologia
RADIOBIOLOGIA
Giovanna Maria - Odontologia UFRN
Determinístico pode acontecer a nível nuclear (mais sensível) ou citoplasmático,
e pode provocar ligação cruzada, por exemplo a ligação errada entre os
filamentos de DNA ou quebra do filamento (ocorre reparo se o dano não for tão
grande) ou perda de uma base nitrogenada (ATCG), pode romper as pontes de
hidrogênio, também pode ocorrer danos aos cromossomos (na interfase na fase
G1 é o mais importante, pois quando ocorrer a fase S terá aberração nas 2
cromátides), a maioria das quebras simples são reparadas por processos
biológicos (por enzimas de reparo do DNA); também pode ocorrer danos às
células, pois podem sofrer falência reprodutiva, necrose (morte celular) ou
apoptose (suicídio)
Fatores que interferem na resposta celular: dose (melhor q seja menor dose e de
forma fracionada), frequência de aplicação, oxigênio (menor taxa de oxigênio
aumenta a radioresistência do órgão - dificultando o tratamento) e transferência
linear de energia (nêutrons têm maior transferência, destruindo mais)
Radioterapia gera mais danos determinísticos na cavidade oral: mucosite (atinge
células da camada basal), degeneração das papilas (perda do paladar) e da
glândula salivar (hipossalivação -> xerostomia e cárie), osteorradionecrose
(prejudica a vascularização no local, então se ocorrer manipulação óssea pode
ocorrer essa necrose)
Estocásticos tem como consequência mais importante o câncer induzido pela
radiação, pode ocorrer a acumulação de mutações genéticas induzidas por
radiação que se perpetuam
Efeitos somáticos atingem células somáticas, efeitos manifestados na pessoa
irradiada, há a radiossensibilidade tecidual (células maduras são menos
radiossensíveis do que células tronco, tecidos jovens são mais radiossensíveis
que os velhos, com mais atividade metabólica mais sensível, maior taxa de
crescimento e proliferação celular é mais sensível)
Efeitos genéticos geram mutações que irão perpetuar nas próximas gerações e
indução de câncer
O risco dos exames é em dose baixa, precisaria de muitos exames para causar
altos efeitos
imagenologia
Giovanna Maria - Odontologia UFRN