A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Revolução Francesa

Pré-visualização|Página 1 de 1

Revolução Francesa - RESUMO AUTORAL

Revolução Francesa

Ocorreu entre 1789 e 1799, provocou várias mudanças políticas e sociais na França. Foi marcada como o fim do Antigo Regime e a sociedade aristocrática.

Contexto Social

A sociedade da França pré-revolucionária estava dividida em três classes: clero, nobreza e o restante da população.

1°Estado: Alto clero: Bispos e abades / Baixo clero: sacerdotes

2°Estado: Nobreza:

Nobreza cortesã – Pessoas que viviam em torno do rei

Nobreza provincial – Nobres que viviam nas províncias (região autônoma de um Estado)

Nobreza de toga – Burgueses que compraram os títulos de nobres.

3°Estado: Burguesia, Sans-culottes ( “sem calça” - trabalhadores comuns urbanos que lutaram na revolução, que deram a vida pela mudança política e social) e camponeses.

Só o Terceiro Estado pagava impostos e sofria com as obrigações do governo, enquanto o clero e a nobreza eram privilegiados, não pagavam impostos e podiam exercer cargos políticos.

Contexto Político

A França estava vivendo uma crise econômica gravíssima nessa época, por causa de seu envolvimento guerras anteriores (Sete Anos e Independência dos EUA). Como o Estado iria se sustentar, manter o estilo de vida do clero e da nobreza e pagar os prejuízos da guerra se só a parte mais pobre pagava os impostos.

Além da crise de seca que se passou antes da Revolução que aumentou a fome.

O que a Revolução queria?

Igualdade em todos os setores da sociedade, combater o absolutismo, o favorecimento do desenvolvimento capitalista e acabar com os privilégios da nobreza e do clero.

 1788 ­­– Assembleia dos Estados Gerais

Com a situação ficando agravando, ele convocou os representantes do primeiro, do segundo e do terceiro estado para discutir a situação que a França se encontrava. Porém o sistema de votação usado nessa assembleia era por classe, cada estado contava um voto só. O terceiro estado pressionou que a votação deveria ser individual, pois somente assim ia conseguir sugerir leis que os favorecessem. No entanto, o rei recusou a oferta.

Desta forma, os representantes do Terceiro Estado se reuniram e se autoproclamaram a Assembleia Nacional Constituinte.

1789 – Tomada da Bastilha

Protestos nas ruas acompanharam a convocação e o fracasso da Assembleia dos Estados Gerais. Porém teve seu ápice no dia 14 de julho quando tomaram a Bastilha.

A tomada da bastilha é um evento importante da revolução pois a prisão significava um símbolo do absolutismo francês, sendo que vários intelectuais e políticos foram presos em seus cárceres. Foi atacada e tomada pelos revolucionários, em 14 de julho. Os presos políticos foram libertados.

O Grande Medo

Com o fracasso da Assembleia, iniciou-se o período do Grande Medo, que foi a revolta dos camponeses, atacaram propriedades da aristocracia, saqueando-as e queimando-as. A Assembleia Constituinte foi convocada para acalmar a violência dos revolucionários, em troca, foi aprovado algumas medidas como: o fim dos direitos senhoriais sobre os camponeses, fim dos privilégios tributários do clero e da nobreza, o fim do regime feudal francês, redução do poder do clero e a confiscação das terras da Igreja.

Em seguida, foi proclamado a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Nela foi estabelecido: O respeito pela dignidade das pessoas, liberdade e igualdade dos cidadãos, direito a propriedade individual, direito de resistência a opressão política e liberdade de pensamento e opinião.

Monarquia Constitucional – 1791

O rei ainda governa, porém tem o poder limitado pela constituição. De acordo com constituição, foi instalado na França a igualdade jurídica, a liberdade de produção e de comércio, a separação da Igreja e do Estado e a criação dos três poderes (executivo, judiciário e legislativo).

Porém, o rei Luís XVI não se agradou muito com as mudanças, e com o objetivo de reinstalar a monarquia absolutista, começou a conspirar com outros países. Ao tentar fugir da França, o monarca e sua família são capturados.

Em abril de 1792, os franceses entram em guerra contra a Áustria e a Prússia, que temiam a propagação da revolução. O rei e os contrarrevolucionários apoiaram a guerra acreditando que a França seria derrotada e eles poderiam restaurar o Antigo Regime. Diante disso, o rei foi acusado de traição e destituído, e com sua família preso.

Então formou-se a nova assembleia, a Convenção Nacional, que era composta por diferentes grupos. Os Jacobinos; a pequena burguesia e os de classe média, apoiavam uma sociedade igualitária e defendiam as ideias iluministas. Os Girondinos; republicanos moderados, representavam os interesses da grande burguesia comercial e de nobres liberais. E a Planície; a burguesia oportunista.

Então, a primeira república francesa é proclamada pelo povo francês, após a criação de um exército popular que derrotou os invasores e os monarquistas internos.

A República - 1792

Por pressão dos jacobinos e do povo, em 1793, o rei Luís XVI é guilhotinado. No inicio da República, os jacobinos e os girondinos decidiam os rumos que a França estava tomando, mas aos poucos a influências dos jacobinos cresceu e ganhando o poder dos girondinos.

Em abril de 1793, foi criado o Comitê de Salvação Pública, órgão responsável pela segurança interna da França. Os líderes jacobinos, como Robespierre, combateram todos os seus opositores, prendendo-os e executando-os. Esse período ficou conhecido como o Terror. 

O terror jacobino

Durou de 1793 a 1794. As decisões do Tribunal Revolucionário, órgão responsável por julgar os condenados de traição, atingia os girondinos, monarquistas aos mais próximos dos jacobinos. Com as perseguições, os jacobinos perderam o apoio de muitos grupos, como os sans-culottes.

No entanto, o governo jacobino também adotou várias reformas, como aprovar o sufrágio universal masculino, confiscou terras da nobreza e distribuiu entre os camponeses pobres, aboliu a escravidão nas colônias francesas e vão criar uma lei chamada Lei do Máximo, que coloca um preço máximo nos itens de primeira necessidade. Além disso, foi criada a nova Constituição da República.

Diretório

Os girondinos expulsaram os jacobinos da Convenção, e reassumiram o poder. Mataram todos, inclusive Robespierre. Em 1795, foi eleito o Diretório, governo formado por cinco deputados, e uma nova constituição foi elaborada, que restabeleceu o voto censitário e consagrou-se a liberdade econômica.

O governo do diretório, entretanto, foi incapaz de estabilizar o povo e a burguesia. A moeda francesa estava desvalorizada e a desorganização na cobrança de impostos esvaziou os cofres públicos. Além das ameaças dos países vizinhos de invadir a França.

Acreditando que só um governo forte restabeleceria a ordem, a grande burguesia apoiou a golpe para que o general Napoleão Bonaparte assumisse o poder. Assim, em 1799, o golpe de 18 de Brumário, dissolveu o diretório e estabeleceu um novo governo, o consulado. Dando um fim na revolução Francesa.