A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
POSSIBILIDADE DE FRACIONAMENTO

Pré-visualização | Página 1 de 1

POSSIBILIDADE DE FRACIONAMENTO 
 
Em regra, as férias devem ser concedidas de uma só vez, em um único período. 
Somente em casos excepcionais poderão as férias ser concedidas em dois períodos, 
um dos quais não poderá ser inferior a 10 (dez) dias corridos (CLT, art. 134, § 1.°). 
Embora não haja consenso a respeito, parece-nos que a doutrina dominante propugna 
que a exigência de duração mínima de 10 (dez) dias refere-se, tão-somente, a um dos 
períodos de gozo (e não, necessariamente, aos dois períodos de gozo). Assim, desde 
que respeitado o requisito “casos excepcionais”, poderão ser concedidas as férias em 
dois períodos, por exemplo, um de 22 (vinte e dois) e outro de 8 (oito) dias, pois 
resultaria cumprida a exigência da CLT (um dos períodos não inferior a dez dias 
corridos). Essa inteligência decorre de inteipretação sistemática do texto consolidado, 
combinando-se os artigos 134, § 1.° (que fixa a regra do fracionamento das férias 
individuais do empregado), e 139, § L° (que fixa a regra do fracionamento das férias 
coletivas). Com efeito, ao referir-se ao fracionamento 
das férias individuais (art. 134, § 1.°), o legislador utilizou-se da expressão 
“um dos quais não poderá ser inferior a 10 (dez) dias” e, diferentemente, 
ao regrar o fracionamento das férias coletivas (art. 139, § 1.°), determinou 
que “desde que nenhum deles seja inferior a 10 (dez) dias”. Assim, considerando que 
tais preceitos encontram-se no mesmo texto consolidado, parece-nos que 
estabelecem regras distintas, a saber: (a) no fracionamento das férias individuais, 
basta que um dos períodos não seja inferior a dez 
dias; (b) no fracionamento das férias coletivas, nenhum dos períodos poderá ser 
inferior a dez dias. 
Não se admite o fracionamento das férias dos menores de 18 anos e dos maiores de 
50 anos de idade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.