A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Sistema Genital Masculino

Pré-visualização | Página 1 de 3

13 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
 
O sistema genital masculino é composto pelos 
testículos, pelo epidídimo, pela bolsa escrotal, pelo 
pênis, pelas glândulas sexuais acessórias, sendo 
elas as vesículas seminais, a próstata e as glândulas 
bulbouretrais, pelo ducto deferente e pela uretra. 
 
O testículo é uma glândula sexual par, que possui 
uma parte endócrina, responsável por produzir 
hormônios, e uma parte exócrina, responsável por 
produzir espermatozoides. 
Os testículos têm como principal função produzir os 
gametas masculinos. Eles possuem a forma ovoide, 
quase vertical e é achatado lateromedialmente. 
Além disso, os testículos ficam alojados em uma 
bolsa músculo cutânea, chamada de bolsa escrotal. 
Os testículos ficam localizados fora da cavidade 
pélvica, para que eles fiquem em uma temperatura 
mais baixa que a temperatura corporal do animal. 
Isso é necessário, pois para que os espermatozoides 
sejam viáveis, eles precisam ser produzidos e 
armazenados em uma temperatura mais baixa que o 
corpo. 
 
Os testículos ficam posicionados de formas 
diferentes de acordo com a espécie de animal 
doméstico. Sendo assim: 
 No caso dos suínos e dos felinos, os 
testículos ficam na posição perineal, ou seja, 
próximos ao ânus, na região do períneo. 
 No caso dos cães, os testículos ficam em uma 
posição intermediária, ou seja, entre a 
posição perineal e a posição inguinal. 
 No caso dos equinos e dos ruminantes, os 
testículos ficam na posição inguinal, ou seja, 
entre os membros posteriores do animal. 
 
Sistema Genital Masculino 
 
 
 
14 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
no caso dos equinos, os testículos ficam em 
uma posição horizontal acompanhando a parede 
abdominal. Além disso, eles ficam localizados na 
região inguino-escrotal. 
 
no caso dos bovinos e dos pequenos 
ruminantes, os testículos ficam posicionados de 
forma perpendicular, na região inguino-escrotal, de 
forma pendular. 
 
no caso dos suínos, os testículos ficam 
posicionados de forma oblíqua na região perineal. 
Além disso, os testículos dos suínos são bem 
desenvolvidos, uma vez que eles são grandes 
proporcionalmente ao tamanho desses animais. 
 
no caso dos cães, os testículos ficam em uma 
posição oblíqua na região intermediária inguino 
escrotal. 
 
no caso dos gatos, os testículos ficam em uma 
posição oblíqua, na região caudal ao períneo. 
 
 
Os testículos são divididos em duas faces: a medial, 
que entra em contato com o septo que separa os dois 
testículos na bolsa escrotal, e a lateral, que entra em 
 
15 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
contato com a bolsa escrotal; duas bordas, a livre, a 
qual não possui nada inserido, e a epididimária, a 
qual é inserida no epidídimo; e, por fim, duas 
extremidades, a cranial ou capitata, que é a porção 
mais cranial, relacionada com cabeça do epidídimo, 
e a caudal ou caudata, que é a porção mais caudal, 
relacionada com a cauda do epidídimo. 
 
Os testículos são formados por três camadas 
principais: 
 é a camada mais externa dos 
testículos. Ela tem aspecto liso, úmido e 
escorregadio. 
 é uma cápsula de tecido 
conjuntivo fibroso, muito resistente. Além 
disso, essa túnica emite trabéculas para o 
interior do testículo, auxiliando na sua 
sustentação.
 é formado pelos túbulos 
seminíferos contorcidos, que se 
anastomosam e formam os túbulos retos. 
Esses túbulos retos chegam ao ducto 
deferente, que, por fim, chega na cabeça do 
epidídimo. 
O epidídimo é um órgão aderido a porção medial do 
testículo. Ele tem a função de armazenamento, 
transporte e maturação dos espermatozoides, que 
são produzidos nos testículos. 
O epidídimo é revestido por uma membrana serosa 
que o prende a porção medial do testículo. Além 
disso, o epidídimo é dividido em três partes: a 
cabeça, o corpo e a cauda. 
 
local das anastomoses dos túbulos 
retos, para formar o ducto deferente. 
 
16 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
O epidídimo é dividido em três partes: 
 fica firmemente aderida ao testículo. 
Além disso, é na cabeça do epidídimo que 
chegam os ductos deferentes. 
 local onde se encontra o ducto 
do epidídimo, formado pelas anastomoses 
dos ductos deferentes). Eles são formados 
por fibras musculares lisas e por um epitélio 
ciliado, que auxilia na condução dos 
espermatozoides. Além disso, é na cauda do 
epidídimo que fica armazenado o esperma. 
 
O epidídimo é fixado através de dois ligamentos: 
 fixa o testículo 
na cauda do epidídimo. 
 fixa a cauda do 
epidídimo na parede da bolsa escrotal. 
A bolsa escrotal é um divertículo da pele, com 
aspecto frio, devido ao tecido muscular que a 
compõem. A sua forma é determinada de acordo com 
o formado do testículo, por exemplo, se o animal 
possuir o testículo pendular, a sua bolsa escrotal 
também será pendular. Além disso, a sua localização 
também é dada de acordo com a posição do testículo, 
sendo assim, quando o testículo está na região 
inguino escrotal, a bolsa escrotal também vai se 
localizar na região inguino escrotal. 
 
A bolsa escrotal é formada por várias camadas: 
 
 camada de tecido fibroelástico 
intimamente aderida a pele. A túnica dartos 
forma o septo escrotal, que separa os dois 
testículos dentro da bolsa escrotal. 
 a fáscia escrotal permite a 
mobilidade do testículo dentro da bolsa 
escrotal. Além disso, ela é dividida em três 
outras fáscias: 
 relacionada 
com as fáscias dos músculos mais 
externos da cavidade abdominal. 
 tem origem do 
músculo oblíquo abdominal interno, 
que emite fibras para acompanhar o 
testículo, formando o músculo 
cremásterico que auxilia a tensionar 
a bolsa escrotal. 
 relacionada 
diretamente a fáscia do músculo 
transverso abdominal. 
 essa túnica, também, auxilia 
na mobilidade do testículo dentro da bolsa 
escrotal. Ela é uma expansão do peritônio 
dentro da bolsa escrotal. A túnica vaginal é 
separada em duas lâminas: a lâmina parietal 
que tem contato com a parede da bolsa, e a 
lâmina visceral que tem contato com o 
testículo. 
Estratigrafia da bolsa escrotal dos animais domésticos. 
 
17 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
 
 
18 Anatomia II | Bárbara C. Rovaris 
Inguinal 
 
Inguino-
escrotal 
(bastante 
pendular) 
 
Perineal 
 
Região 
intermediária 
inguino-
escrotal 
 
Região 
caudal 
perineal 
 
 
O ducto deferente é a continuação da cauda do 
epidídimo. Sendo assim, ele é um canal 
musculomembranoso que conduz os 
espermatozoides desde a cauda do epidídimo até a 
uretra pélvica. 
O ducto deferente é dividido em quatro partes: a 
escrotal que tem contato com o escroto, a funicular 
que tem contato com o funículo espermático, a 
inguinal e a pélvica. Além disso, a parte final do 
ducto deferente, que fica caudalmente a bexiga, se 
alarga e forma a ampola do ducto deferente, a qual 
se abre na origem da uretra. A ampola do ducto 
deferente possui uma parede glandular, que secreta 
uma substância que auxilia na liberação dos 
espermatozoides na uretra. 
A ampola do ducto deferente termina se unindo ao 
ducto da vesícula seminal, e com a junção desses 
dois ductos, forma-se o ducto ejaculatório. 
 
O funículo espermático é um conjunto de estruturas 
que são essenciais na movimentação, proteção, 
nutrição, manutenção da termorregulação e do 
retorno sanguíneo. Ele é composto pelas seguintes 
estruturas: 
 Artéria testicular. 
 Veia testicular: plexo pampiniforme. 
 Vasos linfáticos. 
 Nervos. 
 Fibras musculares. 
Os animais nascem com os testículos retidos 
dentro da cavidade abdominal. E com o passar do 
tempo, eles descem para a bolsa escrotal. Sendo 
assim, formam-se estruturas quando isso 
acontece. 
 abertura na túnica vaginal. 
 abertura na musculatura. 
 espaço entre a parede da 
bolsa escrotal e o testículo. 
 reveste o canal inguinal. 
 
 
19 Anatomia II | Bárbara C.