A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
empreendedorismo aula 01

Pré-visualização | Página 8 de 10

pelo sucesso ou fracasso afeta a conduta de 
realização. Se uma pessoa atribui consistentemente os resultados de suas realizações 
a forças externas, não experimenta a satisfação necessária para a persistência e o es-
forço necessários ao alcance ou superação dos objetivos ou desafios estabelecidos.
Karen Horney e a autoimagem idealizada
Na opinião de Karen Horney, todos nós – normais ou neuróticos – criamos 
uma autoimagem (ou realidade interior) que pode ou não se basear na realidade 
(realidade objetiva). Nas pessoas normais, a imagem do self (eu) é construída com 
base numa avaliação realista de nossas habilidades, potências, fraquezas, metas e 
relações com outras pessoas. Essa imagem é flexível e dinâmica, adaptando-se à 
medida que o indivíduo vai se desenvolvendo e mudando: reflete os pontos fortes 
e fracos, assim como o crescimento pessoal. A imagem realista é uma meta, algo 
a se buscar e, como tal, conduz a pessoa à autorrealização.
As pessoas neuróticas criam uma imagem ilusória do self. Para elas, a 
imagem real é tão indesejável que chegam a negá-la: veem a si mesmas sob uma 
luz extremamente positiva, como pessoas virtuosas, honestas e corajosas, por 
exemplo. Embora a imagem neurótica não coincida com a realidade, ela é real 
para a pessoa que a criou. As outras pessoas podem facilmente captar essa falsa 
imagem, mas a pessoa neurótica, não.
Um modo pelo qual os neuróticos tentam se defender dos conflitos internos 
provocados pela discrepância entre autoimagem idealizada (realidade interior) 
e a realidade (objetiva) é a exteriorização, projetando o conflito para o mundo 
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
45
exterior. Esse processo pode aliviar temporariamente a ansiedade provocada pelo 
conflito, mas não faz nada para resolver a distância entre a realidade interior e a 
realidade objetiva.
Garcia (2004), baseado nas observações realizadas em processos de terapia 
com empreendedores, afirma que o insucesso de alguns deles se deve a processos 
neuróticos. Partindo do “mito do empreendedor de sucesso” ou do “gênio inven-
tivo”, eles criam uma imagem extremamente positiva de si mesmos e de sua em-
presa, adotando atitudes e tomando decisões baseadas em uma imagem distorcida 
da realidade. Queimam etapas como a busca de informações de mercado por con-
siderarem que seus insights12 não necessitam de validação. Mais: ao serem alerta-
dos por pessoas próximas, reagem negativamente, acusando-as de “pessimistas” 
ou “pessoas de visão limitada”. Quando ocorrem os insucessos, não procuram 
avaliar suas falhas (afinal, eles são perfeitos...), mas atribuem-nos a fatores como 
“crise econômica”, “governo” ou “clientela medíocre”.
Comentários finais
Deve-se compreender que os empreendedores são, acima de tudo, humanos. 
Partindo-se dessa premissa, estudar o perfil psicológico de um empreendedor é 
uma tarefa tão complexa quanto estudar a personalidade humana.
Cada teórico da personalidade pode nos ajudar a entender o porquê de as 
pessoas agirem de forma diferente na condução de negócios, e principalmente 
ajudar a entender como você age.
A Psicologia pode ser dividida em duas correntes no tocante à natureza 
humana: os otimistas, que acreditam que o ser humano nasce para procurar e 
encontrar o aperfeiçoamento contínuo e ser feliz; e os pessimistas, que acreditam 
que a natureza humana é destrutiva e sombria.
Eu confesso ser um otimista. Como pesquisador e empresário, vejo a vida 
cheia de possibilidades, desafios e principalmente como uma grande escola em 
que a cada dia me é brindada a oportunidade de aprender com meus acertos e 
meus erros. O contato com os teóricos da personalidade me ajudou muito como 
pessoa e como profissional. Espero que o conteúdo deste capítulo ajude você tam-
bém. Como afirmou o general chinês Sun Tzu:
Se conheceres o teu inimigo, vencerás cinquenta batalhas.
Se conheceres a ti mesmo, vencerás cem batalhas.
Mas se conheceres a ti mesmo e a teu inimigo, serás invencível. 12
Insight: capacidade de 
entender verdades 
ocultas, especialmente no 
tocante a situações.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
46
1. Responda ao teste a seguir.
Inventário de orientação
(PAREEK; RAO, 1992)
Instruções
Cada questão possui um par de afirmações. Imagine que você tem cinco pontos nas mãos para 
distribuir entre as duas afirmações de cada uma das questões. Atribua a sua pontuação dando mais 
pontos para aquela que você concorda mais e menos, ou nenhum, para a outra (por exemplo, 5-0 4-1, 
3-2, 2-3 etc.). É importante que a soma de cada questão seja igual a cinco, lembrando que não é per-
mitido dividir seus pontos igualmente entre as duas afirmações. Você não pode dividir seus pontos 
igualmente (por exemplo, 2,5) entre uma e outra: sempre haverá uma afirmação com a qual você 
concorde mais.
1
A
O sucesso de um empreendedor vai depender de vários fatores. A capacidade de cada empreendedor tem 
pouco a ver com o sucesso.
B Um empreendedor capaz pode sempre moldar o seu próprio destino.
2
A Empreendedores nascem, não são feitos.
B É possível aprender a tornar-se mais empreendedor, mesmo que não se inicie sendo desse jeito.
3
A Se um vendedor será capaz de vender seu produto ou não, dependerá de quão eficazes são os concorrentes.
B Não importa o quão bons são os concorrentes: um vendedor sempre será capaz de vender seu produto.
4
A Empreendedores capazes acreditam no planejamento prévio de suas atividades.
B
Não há necessidade de um planejamento prévio porque não importa como o empreendimento é: sempre haverá 
fatores imprevisíveis que influenciarão o sucesso.
5
A Uma pessoa pode tornar-se um empreendedor de sucesso dependendo das condições econômicas e sociais.
B Empreendedores podem sempre ter sucesso, não importando as condições sociais e econômicas.
6
A Empreendedores falham por causa da falta de habilidade e percepção.
B
Empreendedores são propensos a falhar em pelo menos metade das vezes porque sucesso ou falha dependem 
de vários fatores sobre os quais eles não têm controle.
7
A Frequentemente, empreendedores são vítimas de forças que não podem entender nem controlar.
B
Por meio de participação ativa na economia e em assuntos políticos e sociais, os empreendedores podem 
controlar os eventos que afetam seus negócios.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
47
8
A Conseguir ou não um empréstimo depende de quão justo é o funcionário do banco.
B Conseguir ou não um empréstimo depende de quão bom é o seu plano de negócio.
9
A
Quando comprar matérias-primas ou qualquer outra mercadoria, é aconselhável coletar o máximo de 
informação por meio de várias fontes e então tomar a decisão final.
B
Não há por que coletar muita informação: no final, quanto mais você paga, melhor será o produto que você 
compra.
10
A Se você vai ter ou não lucro, dependerá da sorte.
B Se você vai ter ou não lucro, dependerá da sua competência como empreendedor.
11
A Algumas pessoas nunca terão sucesso como empreendedores.
B É possível desenvolver as habilidades empreendedoras em diferentes tipos de pessoa.
12
A Se você será um empreendedor de sucesso é algo que dependerá do ambiente social em que nasceu.
B
Pessoas podem tornar-se empreendedores de sucesso pelo esforço e a capacidade, não importando a classe 
social da qual se originam.
13
A
Nos dias de hoje, as pessoas devem depender, a qualquer momento, da ajuda, suporte e simpatia dos outros 
(órgãos governamentais, burocratas, bancos etc.).
B
É possível gerar seus próprios rendimentos sem depender tanto assim da burocracia: o que é necessário é a 
capacidade de lidar com as pessoas.
14
A
A situação do mercado é hoje muito imprevisível: até empreendedores com boa percepção falham 
frequentemente.
B
Quando a percepção