A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Desenvolvimento do aparelho faríngeo

Pré-visualização | Página 1 de 1

Desenvolviment� d�
Aparelh� Farínge�
O aparelho faríngeo é constituído de
arcos, bolsas, sulcos e membranas que
contribuem para a formação da cabeça e
pescoço. Observação: formam-se 6 arcos
identificam-se 4.
Meio interno - bolsas - arco - sulco - meio
externo.
Membrana faríngea: separa sulco da
bolsa e não possui mesoderma (fica entre
um arco e outro)
Arcos: formam protuberâncias para região
anterior e forma a boca primitiva revestida
por ectoderma.
Principais componentes: células da crista
neural, tubo neural se fecha são formadas
elevações (pelas células da crista que
migraram, se transformando em
mesênquima que vem do ectoderma =
ectomesênquima), transformando-se nos
arcos faríngeos. Na 4ª semana ocorre a
inflexão.
Formação das células e crista neural.
Aparelho faríngeo: arcos faríngeos, sulcos
faríngeos, bolsas faríngeas e membranas
faríngeas.
ARCOS FARÍNGEOS
Células da crista neural migram para a
futura região da cabeça e pescoço.
Componentes: Eixo de mesênquima
(tecido conjuntivo embrionário);
Ectomesênquima: mesênquima originado
das células da crista neural;
Externamente: recoberto por ectoderma;
Internamente: revestido por endoderma.
Mesênquima original: musculatura
esquelética e endotélio vascular.
Células da crista neural: estruturas
esqueléticas da face e pescoço.
Arco aórtico: bastão cartilaginoso,
componente muscular, um nervo e uma
artéria.
FORMAÇÃO DO SEIO CERVICAL
5ª semana; segundo arco faríngeo
aumenta e recobre o terceiro e quarto
arcos, formando uma depressão
ectoderma (seio cervical); ele é obliterado
com o desenvolvimento (deve
desaparecer). Caso haja persistência
parcial (resquício de desenvolvimento) →
cria-se cisto na região cervical do
pescoço.
DERIVADOS DAS CARTILAGENS
Primeiro arco → Cartilagem de Meckel vai
formar: martelo e bigorna, ligamento
anterior do martelo e esfeno-mandibular,
molde para a formação da mandíbula.
Segundo arco → Cartilagem de Reichert:
Estribo; parte superior do corpo do osso
hióide; corno menor do osso hióide e
processo estilóide.
Terceiro arco: Parte inferior do corpo do
osso hióide; corno maior do osso hióide.
Quarto ao sexto arcos: cartilagens da
laringe com exceção da epiglote.
DERIVADOS DO COMPONENTE
MUSCULAR
1º arco - músculos da mastigação
(temporal e masseter, pterigóides)
2º arco - músculos da mímica facial
3º arco - músculo estilofaríngeo
4º ao 6º arcos - musculatura intrínseca da
laringe
DERIVADOS DOS ARCOS BRANQUIAIS
Derivados do componente muscular.
DERIVADOS DOS ARCOS FARÍNGEOS
Inervação dos arcos faríngeos
1º arco - nervo trigêmio (V par)
2º arco - nervo facial (VII par)
3º arco - nervo glossofaríngeo (IX par)
4º arco - nervo vago (X par)
DERIVADOS DOS ARCOS AÓRTICOS
DERIVADOS DAS BOLSAS FARÍNGEAS
Formar estruturas internas, relacionadas
aos arcos.
Primeiro bolsa: recesso tubotimpânico:
Cavidade timpânica e atro da mastóide.
Segunda bolsa: fossa amigdaliana e
tonsilas palatinas.
Terceira bolsa: GI. paratireóide inferior,
Timo - Deficiência; agenesia do timo -
repercussão imunológica, falta de
linfócitos T - síndrome de di george.
Quarta bolsa faríngea: GI. paratireóide
superior (dorsal), corpo ultimo
branquial/faríngeo com o tireoide (ventral).
DERIVADOS DAS MEMBRANAS E
SULCOS BRANQUIAIS
Membranas faríngeas:
1ª membrana: Membrana timpânica- única
que continua na vida adulta
Sulcos faríngeos:
Mecanismos de divisão, são depressões
1º sulco branquial: meato acústico externo
Outros pares: seios cervicais.
O primeiro sulco faríngeo é o único que
persiste.