A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
MORTALIDADE POR DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS EM DIVERSAS REGIÕES DO BRASIL (Ajeitar)

Pré-visualização | Página 1 de 1

MORTALIDADE POR DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS EM 
DIVERSAS REGIÕES DO BRASIL 
 
Marcelo Victor Ferreira Gurgel1 Graduando do Curso de Medicina da Universidade Federal 
de Campina Grande - UFCG, marcelo_vfg@hotmail.com. 
Julya Caroline Bezerra Pavão Santos2 Graduanda do Curso de Medicina da Universidade 
Federal de Campina Grande - UFCG, julya.pavao@gmail.com; 
Jackson Matheus Pinheiro Oliveira3 Graduando do Curso de Medicina da Universidade 
Federal de Campina Grande - UFCG, jacksmpinheiro@gmail.com; 
Maria Lúcia Bezerra Neta4 Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade Federal 
de Campina Grande - UFCG, marialuciaeq@gmail.com; 
Sandra Nísia de Andrade Ribeiro Machado5 Professor orientador: cardiologista e professora 
da Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, sandracardiopb@gmail.com. 
 
INTRODUÇÃO: Esse trabalho tem como objetivo avaliar a mortalidade por doenças 
cardiovasculares em idosos nas diversas regiões do Brasil, por sexo, no período de 1986 a 
2018. METODOLOGIA: Busca bibliográfica a partir das bases de dados Medline, BVS e 
SciELO, com filtro ativo 1963-2018. Realizada revisão bibliográfica para investigar 
associação entre doença cardiovascular no idoso e as variáveis: idade, sexo, ingestão de 
café, sal, bebidas alcoólicas, tabagismo, circunferência abdominal, sedentarismo e 
problemas psicoemocionais. RESULTADOS E DISCUSSÃO: As doenças cardiovasculares 
permanecem como o principal grupo de causas de mortalidade no Brasil, embora sua 
porcentagem tenha caído nos últimos anos. A proporção de óbitos por faixa etária aumenta 
com o avanço da idade, podendo ser maior que 40% em pessoas com mais de 60 anos. Foi 
relatado que a faixa etária acima de 75 anos apresenta um risco de óbito aproximadamente 
quatro vezes maior em relação à faixa etária 60-74 anos. O sexo masculino implica 
possibilidade de morte de 2,7 vezes maior que o sexo feminino. Relatou-se influências 
positivas para todas as variáveis analisadas, mantendo relação direta com a hipertensão e o 
risco de doença isquêmica cardíaca. Fatores socioculturais como renda, escolaridade e 
 
 
 
 
 
 
mailto:marcelo_vfg@hotmail.com
mailto:julya.pavao@gmail.com
mailto:jacksmpinheiro@gmail.com
mailto:sandracardiopb@gmail.com
 
 
estado civil também podem estar envolvidos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Evidencia-se 
aumento da incidência de doenças cardiovasculares na população idosa, sendo mais 
prevalente no sexo masculino. Demonstrou-se que um programa de intervenção com maior 
acesso aos métodos diagnósticos, controle de fatores de risco cardiovascular, tratamentos 
específicos e programas de atividade física, podem retardar e diminuir a morbimortalidade 
cardiovascular em pacientes idosos. 
DESCRITORES: doenças Cardiovasculares, mortalidade, idosos. 
REFERÊNCIAS 
1. MAIA, Flávia de O M; DUARTE, Yeda A O; LEBRAO, Maria Lúcia and SANTOS, 
Jair L F.Fatores de risco para mortalidade em idosos. Rev. Saúde Pública [online]. 
2006, vol.40, n.6, pp.1049-1056. Epub Oct 27, 2006. ISSN 0034-8910. 
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006005000009. 
2. LEBRAO, Maria Lúcia and LAURENTI, Rui.Saúde, bem-estar e envelhecimento: o 
estudo SABE no Município de São Paulo. Rev. bras. epidemiol. [online]. 2005, vol.8, 
n.2, pp.127-141. ISSN 1415-790X. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-
790X2005000200005. 
 
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006005000009