A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
GUIA PRÁTICO DE FARMACOLOGIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Stress/ Odontofobia
Tipo B (AZUL)ANSIOLÍTICOS
Receita Comum - Normas Legais1.
 2.Receita Magistral (Manipulação)
- 2 vias: Paciente e Farmacêutico
 3.Medicamentos Controlados pela VISA
- Receita de Controle Especial (Vale 1 mês)
 AINE Específico e Antibiótico
- Notificação de Receita
 Tipos:
 A (amarela) - entorpecentes (A1 e A2)
 B (azul) - psicotrópicos (A3, B1 e B2)
 BZD e Analgésicos Ação Central
 C (branca) - retinóides (C2) e imunossup. (C3)
RECEITUÁRIOS
CONSUMIR 1H ANTES DO PROCEDIMENTO!
 Diazepam comp 5 e 10mg 30-60h
 Midazolam comp 7,5 e 15mg 2-5h
 Alprazolam comp 0,5 e 1mg 12-15h
 Cloxazolam comp 2 e 4mg 40h
 Lorazepam comp 1 e 2mg 10-18h
VANTAGENS
- Retardam a abs. dos
anestésic.
- Reduzem o fluxo salivar
e reflexo do vômito
- Relaxa musculatura esq.
- Mantem pressão e glic.
- Amnésia anterógrada
FARMACO PRÁTICO 1
CONTRAINDICAÇÕES
- Gestantes: 1º e 3º tri.
- Glaucoma ou 
 Miastenia grave
- Crianças com problm.
físicos ou mentais.
- Depend. drogas depre.
- Hipersensibilidade BZD
TOLERÂNCIA E DEPENDÊNCIA FÍS. e QUÍM
 - 6 meses, usar o mesmo 1h antes do proc.
 + 6 meses, usar a dose de outro 1h antes do proc.
USAR AINES POR 3 DIAS!
Dor provocada - 3 dias, 
sendo 1 dose 1h antes do proc.
Dor instalada - 3 a 5 dias
AINES 1. Morfina: Semissintéticos - hidromorfona, oximorfona.2.Codeína
ANALGÉSICO CENTRAL
DIPIRONA
ANALGÉSICO PERIFÉRICOCORTICÓIDES
Antiinflamatório Esteroidal 
Receita Comum
Dor → pico 24h
Edema → pico 36 a 48h
TODOS AINES tem uma ação analgésica 
 e/ou antipirética!
NÃO SELETIVOS
Atua em COX1 E 2.
Diclofenaco pot. 50mg 8 h
Ibuprofeno 600mg 12h
Cetorolaco 5min Sublingual
(Contraindicado Grávidas)
SELETIVOS
Atua em COX2 e 
um pouco em COX1.
Nimesulida 100mg 12h
Meloxicam 15mg 24h
ESPECÍFICOS 
Atua só em COX2.
Fácil Posologia - 1 comp/dia
*REC. CONTROLE ESPECIAL!
Celecoxib 200mg 24h
Etoricoxib 90mg 24 h
CONTRAINDICAÇÕES
- doenças fúngicas sistêmicas
- herpes simples ocular
- histórico de doenças psicóticas
- tuberculose ativa ou histórico desta doença
- Histórico de hipersensibilidade à droga 1.U
so
 d
e 
AI
NE
S 
1h
 a
nt
es
 (p
or
 3
 d
ia
s)
2.
Us
o 
de
 C
or
tic
ói
de
 2
h 
an
te
s (
Do
se
 ú
ni
ca
)
Em
 a
m
bo
s o
s c
as
os
: +
 a
na
lg
és
ic
o 
(d
e
aç
ão
 p
er
ifé
ric
a)
 n
as
 p
rim
ei
ra
s 2
4h
.
Betametasona 2 mg.- sendo 2 comp. de 2 mg 2h antes do proc.
Dexametasona 4 mg - sendo 1 comp. de 4mg 2h antes do proc.
*Preferência para Dexa por ser 1 comp. (Dose única)
*Ação de ambos 36-72h
CONSUMIR 2H ANTES DO PROCEDIMENTO!
Medicamentos: Referência/
Genérico/ Similar 
VANTAGENS AOS AINES
- Reduzem síntese de leucotrienos-asmáticos
- Diminui risco de dor epigástrica
- Mais seguros para gestantes ou lactantes,
pacientes diabéticos, hipertensos, nefropatas
ou hepatopatas, com doença controlada.
- Seguro a gestantes e lactantes
- É usado quando a aspirina e AINES são contraindic.
*Contraindicado para pacientes com história de
alergia ao medicamento ou de alergia aos sulfitos.
500mg. 1comp. a cada 4h nas 24h
Solução oral gotas 500 mg/mL (1 mL = 20 gotas):
bom para pacientes em cirurgia bucomaxilofacial
que ficam com a mandíbula “travada”.
*Contraindicado à grávidas, doenças metabólicas
hist. de anemia ou leucopenia e hipersen. a pirazolona.
- Ação: inibe a prostaglandina diminuindo febre e dor.
- É um analgésico eficaz e seguro na Odontologia.
- Usar com cautela por via IM ou IV pois pode “baixar a
PArterial” a pacientes c/ cond. circulat. instáveis.
PARACETAMOL
500mg. 1comp. a cada 4h nas 24h
750mg 1comp. a cada 6h por 24h ADULTO
EM CRIANÇAS: 1 gota/kg a cada 4h - MÁX 3,25g
Não recomendado o uso de ansiolíticos e
opióides, porque vão deprimir muito o SNC!
3.Tramadol - quando o paciente não tolera
combinações com paracetamol ou AINES.
4.Oxicodona e Hidrocodona
 4.1 Vicodin
5.Opióide - RECEITA TIPO B!
Alívio da dor, 
supressor da tosse (antitussígeno) e antidiarreico.
 2.1 Tylex 
- Codeína (ação central) + Paracetamol (periférica)
7.5 mg → 1 comp. a cada 4 h (dor leve)
30 mg → 1 comp. a cada 4 h (moderada/intenso)
. Em adultos, nas dores +intenso, recomendam-se 2
comp. a cada 6 horas (não ultrapassando o máx de 
8 comp. de 7.5 mg ou 30 mg a cada 24 horas). 
*Tylex é contraindicado em mães amamentando. 
*O uso repetido causa
tolerância analgésica,
dependência física e psíquica.
AL NA CLÍNICA
Requisitos de BOM anestésico local:
- Não produzir lesão nos tecidos
- Bloqueio reversível da sensibilidade
- Boa difusibilidade
- Baixa toxicidade sistêmicaInício rápido de ação
- Duração adequada para realização dos procedimentos
- Não causar reações alérgicas
- Deve ser estável em solução e passar prontamente 
por biotransformação.
Fisiologia
1.Inicialmente, cél. está no seu potencial de repouso. 
2.Ao ocorrer Lesão, Na+ começa a entrar na cél. de forma
lenta, dando a despolarização lenta. 
3.A medida que o Na+ entra na célula e o K+ sai, tem-se
a inversão da polaridade, esse é o limiar de descarga. 
4.A entrada abrupta de Na+ na cél. - despolar. rápida.
5.Na Repolarização, K+ entrar novamente na cél., volta p/
potencial de repouso, pela bomba de sódio e potássio.
ANESTÉSICOS LOCAIS (AL)
FARMACO PRÁTICO 2 1.Aminas simpatominéticas
VASOCONSTRITORES
1.Prilocaína (B)
- Seguro na amamentação: desconhecido
- Associação com a felipressina como vaso
- Contraindicado nos pacientes com metemoglobinemia
2.Lidocaína (B)
- Seguro na amamentação: sim
- AL mais utilizado na odontologia
- Primeira escolha em geral
3.Mepivacaína (C)
- Seguro na amamentação: sim
4.Articaína (C)
- Seguro na amamentação: desconhecido
- A metemoglobinemia também é um potencial efeito de
toxicidade da administração de grandes doses.
- Pode ter conservante metilparabeno - alergia.
COMO ATUAM OS ANESTÉSICOS LOCAIS? 
1.Expansão da membrana
Expansão de áreas críticas impedindo o aumento da
permeabilidade ao sódio. (Ex. Benzocaína)
2. Receptore específico (RE)
RE p/ anestésicos nos canais de sódio impedindo o aumento da
permeabilidade ao sódio → ação competitiva com o cálcio.
RESUMO: os AL penetram a membrana e entram na cél.
nervosa. No interior da cél., as moléc. ionizadas de anestésico
se ligam aos RE nos canais de sódio, reduz/impede entrada do
Na+ na cél., bloqueando condução nervosa e percepção da dor.
DISSOCIAÇÃO
AL são bases fracas e p/ formar sal se junta ao ácido clóridrico
A base (moléc. não carregadas)- difusão da droga
Forma catiônica (carregadas) - se ligar nos receptores de sódio
*Quanto maior pKa (coeficiente de difusão) da solução, menor
a quantidade de base no pH tecidual - menor difusão da droga
*Fatores constantes
pKa (coeficiente de difusão) → determina a velocidade de início
Lipossolubilidade → determina a potência
Ligação/adesão a proteínas → duração/tempo de bloqueio.
Atividade vasodilatadora → potência e duração/t. de bloqueio.
- Impulso ocorre através do potencial de ação.
MECANISMO DE AÇÃO
Alfa (α) - musculatura lisa dos vasos/ Vasoconstrição
Beta (β) 
β1 - coração e intestino - Taquicardia eLipólise
β2 - brônquios, leitos vasculares e útero 
- Broncodilatação e Vasodilatação
 ADRENALINA
 Atua sobre os recep. α e β, sendo que β predomina.
 antioxidante bissulfito de sódio - alergia
NORADRENALINA α (90%), β (10%)
25% da potência da adrenalina, diluição 1:30.000
antioxidante bissulfito de sódio
LEVONORDEFRINA
15% da potência da adrenalina, diluição 1:20.000
FENILEFRINA α (95%)
5% da potência da adrenalina, diluição é 1:2.500
 2.FELIPRESSINA (Não amina simpa)
 SE ALÉRGICO A BISSULFITO USAR ESSE!
 - Pode ser administrada com segurança a pacientes 
 com hipotireoidismo e pacientes em uso de
 inibidores da MAO ou antidepressivos tricíclicos.
- Catecolaminas e não catecolaminas
- Agem sobre os receptores adrenérgicos, que são
dos tipos α e