A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
ALFABETIZACAO-E-LETRAMENTO-FUNDAMENTOS-E-METODOLOGIA-2

Pré-visualização | Página 1 de 13

letramentoletr 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
 INTRODUÇÃO ............................................................................................ 4 
 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO .......................................................... 5 
2.1 Diferenças entre alfabetização e letramento ........................................ 8 
 TEORIAS DA APRENDIZAGEM ............................................................... 10 
3.1 Behaviorismo ...................................................................................... 11 
3.2 Cognitivismo ....................................................................................... 12 
3.3 Construtivismo .................................................................................... 13 
3.4 Interacionismo .................................................................................... 15 
 MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA .......... 17 
4.1 Método sintético ................................................................................. 17 
4.2 Método analítico ................................................................................. 19 
4.3 Método misto ...................................................................................... 20 
4.4 Método Construtivista ......................................................................... 20 
 METODOLOGIA DE ENSINO ................................................................... 21 
5.1 Metodologia de ensino ativa ............................................................... 22 
5.2 Metodologia de ensino tradicional ...................................................... 23 
5.3 Metodologia de ensino construtivista.................................................. 23 
5.4 Metodologia tradicional de ensino sociointeracionista ........................ 24 
5.5 Metodologia de ensino Montessoriano ............................................... 24 
5.6 Metodologia de ensino freiriana ......................................................... 25 
 CONCEPÇÃO SOBRE ESCRITA E LEITURA ......................................... 25 
 CONCEPÇÃO ATUAL DE EDUCAÇÃO ................................................... 29 
 O PAPEL DO EDUCADOR NO LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO ..... 32 
 AMBIENTE ALFABETIZADOR ................................................................. 35 
 
 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................... 41 
 
4 
 
 INTRODUÇÃO 
Prezado aluno! 
 
O Grupo Educacional FAVENI, esclarece que o material virtual é semelhante 
ao da sala de aula presencial. Em uma sala de aula, é raro – quase improvável - um 
aluno se levantar, interromper a exposição, dirigir-se ao professor e fazer uma 
pergunta, para que seja esclarecida uma dúvida sobre o tema tratado. O comum é 
que esse aluno faça a pergunta em voz alta para todos ouvirem e todos ouvirão a 
resposta. No espaço virtual, é a mesma coisa. Não hesite em perguntar, as perguntas 
poderão ser direcionadas ao protocolo de atendimento que serão respondidas em 
tempo hábil. 
Os cursos à distância exigem do aluno tempo e organização. No caso da nossa 
disciplina é preciso ter um horário destinado à leitura do texto base e à execução das 
avaliações propostas. A vantagem é que poderá reservar o dia da semana e a hora que 
lhe convier para isso. 
A organização é o quesito indispensável, porque há uma sequência a ser 
seguida e prazos definidos para as atividades. 
 
Bons estudos! 
 
 
 
 
 
 
5 
 
 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 
Fonte: www.wp-content.com.br 
O significado de alfabetização e letramento não são os mesmos, são dois 
processos indivisíveis e interdependentes. Alfabetizar significa capacitar os indivíduos 
a ler e escrever. Quando ele usa a alfabetização na sociedade, ele se torna 
alfabetizado. Uma pessoa pode ser alfabetizada, mas não letrado, saber ler e 
escrever, mas não treinar ou praticar a leitura e a escrita, não ler jornais, revistas ou 
não consegue interpretar o texto e tem dificuldade em escrever cartas e telegramas. 
Sendo considerado um sujeito apenas alfabetização e não letrado. 
Esta é considerada um processo permanente que se estenderia por toda vida 
e que não se esgotaria na aprendizagem da leitura e da escrita, pois atribui 
um significado muito amplo ao processo de alfabetização seria negar-lhe a 
especificidade, com reflexos indesejáveis na caracterização de sua natureza, 
na configuração das habilidades básicas de leitura e escrita, na definição das 
competências de alfabetizar. (SOARES, 201, apud SILVA, 2012, p. 3). 
O ato de que envolve o letramento, significa o uso da leitura e da escrita de 
forma diferente das simples ações de leitura e escrita que ocorrem na codificação e 
decodificação, pois representa o uso da leitura e da escrita, texto em diferentes 
ambientes sociais. De acordo com Ferreiro (2011, p. 63), “Estamos tão acostumados 
a considerar a aprendizagem da leitura e escrita como um processo de aprendizagem 
escolar que se torna difícil reconhecermos que o desenvolvimento da leitura e da 
escrita começa muito antes da escolarização”. (FERREIRO 2011, p. 63 apud DA 
SILVA, 2018 p.13) 
Segundo Soares (2003, p. 15): 
 
6 
 
Dissociar alfabetização e letramento é um equívoco porque, no quadro das 
atuais concepções psicológicas, linguísticas e psicolinguísticas de leitura e 
escrita, a entrada da criança (e também do adulto analfabeto) no mundo da 
escrita se dá simultaneamente por esses dois processos: pela aquisição do 
sistema convencional de escrita – a alfabetização, e pelo desenvolvimento de 
habilidades de uso desse sistema em atividades de leitura e escrita, nas 
práticas sociais que envolvem a língua escrita – o letramento. Não são 
processos independentes, mas interdependentes, e indissociáveis: a 
alfabetização se desenvolve no contexto de e por meio de práticas sociais de 
leitura e de escrita, isto é, através de atividade de letramento, e este, por sua 
vez, só pode desenvolver-se no contexto e por meio da aprendizagem das 
relações fonema-grafema, isto é, em dependência da alfabetização. 
(SOARES 2003, p. 15 apud DA SILVA, 2010 p. 32). 
Na verdade, ser culturalmente alfabetizado significa ser capaz de transcender 
os regulamentos escritos, ocupando as funções sociais que constituem o 
comportamento de leitura e escrita, recorrer à leitura e à escrita no cotidiano, ser capaz 
de ler livros, revistas e jornais sem acrescentar nenhuma sílaba Compreensão 
completa, ou seja, saber o que você está lendo e escrevendo, é que você pode 
acessar e usar as informações de forma crítica no mundo cultural. 
Em qualquer caso, a capacidade de ser alfabetizado não é apenas conectar 
letras em sílabas, conectar sílabas em palavras, palavras em sentenças e frases em 
texto, mas também compreender o senso de concordância na leitura e na escrita. 
Portanto, acredita-se que diferentes métodos e teorias são necessários para explicar 
como ocorre o processo de ensino, os educadores terão como base metodologia e 
tecnologia de alfabetização, que trarão resultados significativos. 
“Progredir alfabetização adentro não é uma jornada tranquila. Encontram-se 
muitos altos e baixos nesse caminho, cujos significados precisam ser 
compreendidos. Como qualquer outro conhecimento no domínio cognitivo, é 
uma aventura excitante, repleta de incertezas, com muitos momentos críticos, 
nos quais é difícil manter ansiedade sob controle. ” (FERREIRO, 2001, apud 
GUZZI, 2013, p. 5). 
Na maioria das vezes, as crianças são alfabetizadas na escola, mas a escola 
pretende ir além da alfabetização para formar leitores capazes e dar sentido aos 
comportamentos de leitura e escrita, de modo a formar cidadãos alfabetizados e 
letrados. A alfabetização é um processo sem fim, pois o ser humano estará sempre 
em constante aprendizagem ao longo de sua vida, seja na inteligência, na escrita ou 
na fala, aprender significa alfabetizar. 
Mesmo atividades