A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Neurônio

Pré-visualização | Página 1 de 2

Neurônio 1
Neurônio
aula
flash card
revisão prova
tecido nervoso
regula, controla e integra as funções corporais em conjunto com o sist endócrino.
classificação do SN
SNC- sistema nervoso central: formado pelo encéfalo (cérebro+cerebelo+tronco 
encefálico)
SNP- sistema nervoso periférico: formado pelos nervos e gânglios e terminações 
nervosas
Células componentes: neurônios e cels da glia (neuroglia)
histogênese do SN
1. espessamento do epitélio da placa neural—> passa de epitélio simples a 
pseudoestratificado
2. sulco neural—> invaginação da placa neural
3. tubo neural—> cristas neurais se fundem formando o tubo 
4. crista neural forma massa de cels externa ao tubo neural—> forma inúmeros tecidos 
do SN
5. migração das céls da crista para áreas específicas para a formação das diferentes 
estruturas do SN
Neurônio 2
neurônios 
célula responsável por receber, processar, conduzir e transmitir estímulos externos e 
internos
estrutura
corpo celular: centro trófico da cél, 
pericário (citoplasma ) e núcleo eutrófico
cone de implantação: transição entre 
corpo e o axônio
dendritos: prolongamentos 
citoplasmáticos curtos e mto ramificados, 
recebem os estímulos
axônio: prolongamento único, diâmetro 
constante, conduz o impulso nervoso
segmento inicial 
axônio propriamente dito
telodendro
classificação
quanto à forma
estrelados- bastante ramificados, vários vértices no corpo celular (ex: subst 
cinzenta da medula espinal, do córtex cerebral e do córtex cerebelar e gânglios 
autônomos)
piriformes- formato de pêra, formato abaulado e corpo grande, dendritos com 
ramificações em forma de leque (ex: neurônios de purkinje e dos gânglios da raíz 
dorsal) 
piramidais- formato triangular, dendrito principal parece um axônio (ex: córtex 
cerebral)
Neurônio 3
quanto ao núm de prolongamentos
multipolares: muitos prolongamentos (um axônio e vários dendritos)
bipolares: dois prolongamentos que partem do corpo em direções opostas (um atua 
como axônio (vai para o SNC) e o outro dendrito (vai para o SNP))
pseudounipolares: um único prolongamento dá origem a dois ramos, um dendrito 
e um axônio.
estrutura e ultraestrutura do neurônio
corpo celular ou soma
núcleo: centralizado e com nucléolo evidente
pericário: citoplasma, abundante em organelas. Retículo granular (corpúsculo de Nissl) 
aparecem como manchas basófilas no pericário e nos dendritos
citoesqueleto: presente em todo o neurônio, porém mais abundante nos dendritos e 
axônios (filamentos de actina, microtúbulos, neurofilamentos)
💡 emaranhados neurofibrilares—> agregados formados pela associação da 
proteina tau hiperfosforilada com microtúbulos—> característica da 
doença de Alzhaimer
dendritos
em MO, podem ser vizualizados apenas dendritos maiores
em ME, podem ser vistos os dendritos maiores com 
contornos regulares e os menores apresentam 
contornos irregulares. abundante qtdd de organelas 
e predomínio de microtúbulos
Neurônio 4
espículas dendríticas
pequenas projeções bulbosas derivadas dos dendritos
locais onde se formam as sinapses, rica em receptores para neurotransmissores (memb 
pós sinaptica)
citoesqueleto nos dendritos forma feixes paralelos de microtúbulos para realização de 
transporte
a formação das espículas se dá pela polimerização de filamentos de 
actina e prot acessórias—> há uma plasticidade: de acordo com os 
estímulos, espículas são formadas ou desfeitas
axônio
axolema: 
memb 
plasmática do 
axônio
axoplasma: 
citoplasma do 
axônio
fibra mielínica: 
axônio 
envolto por 
mielina (mp 
da cél de 
schwan)
fibras amielínicas: céls de 
schwan se associam a 
axônios formando uma 
estrutura no seu entorno 
mais fina do que nas 
fibras mielinizadas.
Neurônio 5
início se dá na região chamada de cone de implantação (transição entre o corpo celular 
e o axônio)
ausência de organelas de síntese (alguns casos possuem pequenos REA no segmento 
inicial)
predomínio de neurofilamentos e poucos microtúbulos
pode-se observas organelas em transição ao longo do axônio
neurofilamentos: filamentos intermediários, abundantes em todo o neurônio, 
predominante no axônio—> responsável pela sustentação e resistência à tração—
>regulam o crescimento radial do axônio (espessura)
transporte axoplasmático: já que o axônio não possui organelas, ele necessita de um 
transporte eficiente de substâncias e componentes estruturais.
transp rápido- utilização de microtúbulos e MAPs motoras (consumo e ATP) 
como trilhos. 
anterógrado- corpo—> axônio (MAP motora: quinesina)
retrógrado- axonio—> corpo (MAP motora: dineína citoplasmática)
transp lento- apenas anterógrado—> fornecimento de componentes do 
citoesqueleto (actina, tubulina e neurofilamentos)
MAP motora carregando uma vesícula
terminais sinápticos e sinapses
tipos de sinapse
quanto a forma de trasmissão 
Neurônio 6
sinapses químicas: por meio de neurotransmissores
sinapses elétricas: por meio de junções comunicantes
quanto à região de contato
sinapses axodendríticas (axonio-dendrito)
sinapses axossomáticas (axonio-corpo)
sinapses axoaxônicas (axonio-axonio)
botão sináptico: expanssão terminal de um axônio justaposto 
à membrana pós sináptica (espícula do dendrito) ??? 
botões terminais (extremidade terminal) e botões em 
passagem ou varicosidades (ao longo do axônio na região 
final)
as sinapses são junções intercelulares pois possuem uma série de proteínas de 
adesão como as representadas acima
Neurônio 7
placas motoras
são o encontro da fibra nervosa, mais especificamente o botão sináptico ou 
terminal do axônio com a fibra muscular estriada esquelética. cada fibra tem 
uma junção mioneural. também chamada de sinapse neuromuscular. o 
neurotransmissor que participa da sinalização da contração muscular é a 
acetilcolina.
excitação neuronal
um neurônio recebe estímulos inibitórios ou excitatórios em diversos pontos do 
corpo celular
a recepção dos estímulos desencadea um potencial de ação pela polarização da 
membrana plasmática
os potenciais são reunidos na região inicial do axônio (zona de gatilho) abaixo 
do cone de implantação e acima do início da bainha de mielina. essa região é 
rica em canais de sódio voltagem dependentes
condução do impulso nervoso
1. potencial de repouso: é mantido pelos canais de K+ vazantes e pela 
Na+/K+/ATPase. tornam a membrana mais + externamente
Neurônio 8
2. potencial de ação: estímulo provoca a abertura dos canais de Na+ voltagem 
dependentes. ocorre influxo de sódio, e uma inversão da polaridade da 
membrana, estabelecendo o potencial de ação
3. período refratário: inativação temporária dos canais de Na+ voltagem 
dependente graças a despolarização da membrana no potencial de ação. há 
a abertura dos canais de K+ voltagem dependente (saem íons K+) 
contribuindo para reestabelecer a polaridade inicial do potencial de repouso
4. retorno ao potencial de repouso: saída de K+ e fechamento desses canais 
voltagem dependentes, canais de Na+ voltagem dependente tmb se fecham. 
e o potencial de repouso é reestabelecido pelos canais responsáveis por tal, 
citados inicialmente.
transmissão sináptica
1. ao chegar no botão sináptico, o impulso nervoso despolariza a membrana 
nessa região
2. abertura de canais de Ca2+ voltagem dependentes e entrada de cálcio do 
meio extracel
3. Ca2+ se liga à calmodulina e formam um complexo que ativa uma quinase
4. essa quinase fosforila as sinapsinas, proteínas associadas a membranas das 
vesículas sinápticas levando a sua liberação na sinapse
5. essas vesículas são liberadas por meio da ancoragem das V-SNAREs (na 
vesícula) às T-SNAREs (na memb pré sináptica).
6. liberação dos neurotransmissores na fenda sináptica
Neurônio 9
ciclo das vesículas sinápticas
as vesículas são formadas de endossomas que armazenam neurotransmissores
elas formam dois pools, o de exocitose imediata e o de reserva
são deslocadas pelo transporte anterógrado rápido
depois da exocitose, há um mecanismo de recuperação das vesiculas, visando 
evitar que a membrana plasmática aumente