A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Aparelho reprodutor masculino

Pré-visualização | Página 1 de 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
APARELHO 
REPRODUTOR 
MASCULINO 
INTRODUÇÃO 
▪ Os órgãos do sistema genital 
masculino são: 
▪ Os testículos 
▪ Um sistema de ductos (epidídimo, 
ducto deferente, ducto ejaculatório e 
uretra) 
▪ As glândulas sexuais acessórias 
(próstata, glândula bulbouretral e 
vesículas seminais) 
▪ Estruturas de suporte como o pênis. 
Os testículos produzem espermatozoides e 
secretam hormônios (testosterona). Enquanto 
o sêmen contém os espermatozoides mais as 
secreções das glândulas sexuais acessórias. 
Corte sagital dos testículos 
▪ Os testículos possuem localização 
extracorpórea, dentro do saco 
escrotal. 
▪ No interior da bolsa eles ficam 
suspensos pelo funículo ou cordão 
espermático. Ele contém os ductos 
deferentes, artéria testicular, etc. 
 
▪ O epidídimo vai dar origem ao ducto 
deferente, entra no cordão 
espermático através do canal inguinal 
alcança a cavidade pélvica passa pela 
bexiga e ureter e desce onde 
experimenta uma dilatação chamada 
de ampola do ducto deferente 
▪ Na porção mais distal do ducto há o 
ducto ejaculatório que vai receber as 
secreções da vesícula seminal 
TESTÍCULOS 
▪ Cada testículo encontra-se envolvido 
por cápsula de tecido conjuntivo 
denso (cor azul) e recebe o nome de 
túnica albugínea 
▪ A parte mais interna da túnica é 
formada por tecido frouxo com vasos 
sanguíneos (túnica vascular) 
▪ A partir da túnica surgem septos que 
dividem os testículos em pequenos 
compartimentos chamados lobos 
testiculares 
▪ Na porção posterior a túnica forma o 
mediastino testicular onde tem a rede 
testicular 
▪ Cada lobo é formado por túbulos 
seminíferos que se enovelam para 
ocupar esses lobos 
▪ Cada túbulo se conecta a um túbulo 
reto que liga o túbulo a rede testicular 
▪ Essa rede são canais anastomosados 
que conectam os túbulos aos ductos 
deferentes 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
 
Fotomicrografia do testículo 
 
• Túnica albugínea formada por tecido 
conjuntivo denso 
• Abaixo camada de tecido conjuntivo 
frouxo a túnica vascular com vasos 
sanguíneos 
• Septos de tecido conjuntivo que vão 
dividir o parênquima em lóbulos 
testiculares 
 
▪ Túbulos seminíferos com lúmen e 
entre eles tecido conjuntivo frouxo 
com vasos e células de leydig. 
CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS 
TÚBULOS SEMINÍFEROS 
▪ Onde ocorre a espermatogênese 
▪ Forma alça aberta na rede testicular 
▪ Consistem em um epitélio seminífero 
circundado por uma túnica própria 
HISTOLOGIA DOS TÚBULOS SEMINÍFEROS 
▪ Epitélio com duas células: sertoli 
(somáticas) e células da linhagem 
espermatogenica 
▪ Por baixo a túnica própria formada por 
ter a 5 camadas de células mioides 
(parecidas com fibras musculares lisas 
pois possuem lâmina basal e 
microfilamentos de actina) 
▪ Essas células ajudam a mover os 
espermatozoides e o liquido testicular 
através dos túbulos seminíferos até os 
ductos excretores. 
▪ Entre os túbulos há um tecido 
intersticial de tecido conjuntivo frouxo 
e contém as células de leydig. 
CÉLULAS DE SERTOLI 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
▪ Célula predominante antes da 
puberdade. Depois da puberdade é 
apenas 10% da população 
▪ Em homens idosos ela volta a ser 
predominante 
▪ Células cilíndricas que vão da lâmina 
basal até o lúmen do túbulo 
▪ Membrana plasmática apical e lateral 
de contorno irregular já q eu formo 
recessos para abrigar células 
espermatogenicas em 
desenvolvimento 
▪ Após a puberdade elas não se dividem 
mais 
FUNÇÕES 
▪ Suporte e proteção aos 
espermatozoides 
▪ Facilitam a liberação dos 
espermatozoides para o lúmen 
(espermiação) 
▪ Secretam inibina e proteína ligante de 
andrógenos 
▪ Produção do hormônio anti-mulleriano 
no período fetal (inibe a diferenciação 
dos ductos de muller que 
posteriormente darão origem aos 
órgãos femininos) 
▪ Formação da barreira 
hematotesticular 
BARREIRA HEMOTESTICULAR 
▪ são junções de oclusão entre uma 
célula de sertoli e outra. 
▪ Essa barreira impede que proteínas e 
anticorpos atrapalhem o 
desenvolvimento das células 
espermatogenicas 
▪ Assim como impedem que essas 
células caiam no sangue e 
desencadeiem uma resposta 
imunológica 
 
 
EPITÉLIO SEMINÍFERO 
 
▪ Em salmão as células de sertoli 
▪ Em azul as células espermáticas 
ESPERMATOGÊNESE 
▪ Início na puberdade 
▪ Citocinese incompleta 
▪ Sincronia do ciclo celular 
FASES DA ESPERMATOGÊNESE 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
CICLO ESPERMATOGÊNICO 
▪ As células tipo A escuras se dividem 
para formar células tronco de reserva 
nos testículos ou podem formar 
células tipo A pálidas 
▪ Elas se proliferam e dividem e 
diferenciam em espermatogonias tipo 
B que se diferenciam em 
espermatócitos primários que vão 
sofrer meiose tipo I (ainda ligados por 
pontes citoplasmáticas) 
▪ Ao final da meiose há produção do 
espermatocito secundário e cada um 
sofre meiose II e produz 2 
espermatides (célula haploide) 
imatura 
▪ Espermiogense levam eles a 
espermatozoides maduros 
 
FASES DA ESPERMIOGENESE 
 
 
▪ Podemos ver a espermiogenese 
▪ Embaixo a membrana basal 
CONDIÇÕES QUE AFETAM A 
ESPERMATOGÊNESE 
 
 
CÉLULAS DE LEYDIG 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
 
 
▪ Células de leydig entre os túbulos 
seminíferos 
▪ São bem eosinofilias 
▪ Presença de vasos sanguíneos 
TÚBULOS RETOS E REDE TESTICULAR 
 
 
 
▪ Rede testicular revestida por epitélio 
cuboide a pavimentoso simples 
DÚCTOLOS EFERENTES 
 
 
EPIDÍDIMO 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
 
 
 
FUNÇÃO 
 
DUCTO DEFERENTE 
 
 
 
 
 
 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
GLÂNDULAS 
ACESSÓRIAS 
▪ Essas glândulas ajudam na formação 
do sêmen 
▪ O sêmen contém espermatozoides 
mais as secreções das glândulas 
VESÍCULA SEMINAL 
▪ Um ducto excretor curto de cada 
vesícula seminal combina-se com a 
ampola do ducto deferente, formando 
o ducto ejaculatório; 
▪ A secreção é viscosa, amarelada, rica 
em frutose, prostaglandinas, ácido 
ascórbico, e proteínas de coagulação. 
Constitui 60 - 70 % do volume do 
sêmen. É acumulada e liberada na 
ejaculação. A secreção é alcalina; 
▪ A função secretora e a morfologia das 
glândulas seminais estão sob o 
controle da testosterona. 
 
VISTA POSTERIOR DA BEXIGA 
 
▪ O ducto deferente sofre uma dilatação 
e vira a ampola do ducto deferente 
Histologia 
▪ Possui 3 camadas 
▪ Mucosa: muito pregueada (pregas 
primárias, secundárias e terciárias), 
formada por um epitélio, que varia de 
cúbico simples a pseudoestratificado 
cilíndrico (com células cilíndricas altas 
não ciliadas, e células basais) apoiado 
sobre uma lâmina própria de tecido 
conjuntivo frouxo; 
▪ Muscular: fibras musculares lisas 
organizadas em uma circular interna, e 
uma longitudinal externa; 
▪ Adventícia: formada por tecido 
conjuntivo frouxo, considerada por 
muitos, uma cápsula. 
 
▪ É possível observar as pregas da 
mucosa em direção ao lúmen 
▪ Na foto é possível identificar as 3 
camadas (adventícia) mais 
externamente 
Universidade Federal do Rio de Janeiro\ Histologia – Fernanda Daumas 
 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO 
 
 
Em maior aumento vemos parte da prega da 
mucosa com centro revestido por um epitélio 
cúbico simples descansando sobre uma lâmina 
própria de tecido conjuntivo frouxo. 
PRÓSTATA 
▪ Produz lipídios, proteases e fosfatase 
ácida (30%