A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
ANAERÓBIOS DE IMPORTANCIA MÉDICA

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material ANAERÓBIOS DE IMPORTANCIA MÉDICA - página 1
Pre-visualização do material ANAERÓBIOS DE IMPORTANCIA MÉDICA - página 2
Pre-visualização do material ANAERÓBIOS DE IMPORTANCIA MÉDICA - página 3

ANAERÓBIOS DE IMPORTANCIA MÉDICA

Anaeróbios de importância médica
Aspectos gerais
Não crescem na presença do oxigênio → tóxico 
Patógenos oportunistas → intra-abdominais, pulmonares, pélvicas, abcessos cerebrais, infecções de pele e partes moles, infecções orais e odontológicas 
Quebra de barreira tecidual ou alteração do microambiente → compõem a flora bacteriana humana em regiões com baixa oferta de oxigênio: colon, fendas gengivais, uretra, vagina e dentes.
Outras estão presentes no meio ambiente
· Bacilos Gram-negativos:
· Bacteroides fragilis
· Prevotella spp.
· Porphyromonas spp.
· Fusobacterium spp.
· Bacilos Gram-positivos não formadores de esporos:
· Eubacterium
· Actinomyces spp.
· Propionibacterium spp.
· Bifidobacterium spp.
· Lactobacillus spp.
· Bacilos Gram-positivos formadores de esporos:
· Clostridium perfringens e difficile
· Cocos Gram-positivos:
· Peptococcus spp
· Peptostreptococcus spp
· Anaerococcus spp
· Finegoldia spp
· Micromonas spp
· Peptoniphilus spp
· Cocos Gram-negativos:
· Veillonela parvula
· Espiroquetas
· Borrelia burgdorferi
Coleta
Dispositivos fechados → evitar contato com oxigênio 
· Aspiração com seringa e agulha 
· Sólidos ou biopsias → meios de transporte estéreis e específicos que retirem o O2
· Frascos específicos para flebotomia
Transporte 
· Seringa: 30 min
· Transporte especifico: 2h
· Temperatura ambiente
Processamento 
· Exclusão de O2
· Potencial de oxirredução baixo
· Macroscópica: pus, odor fétido, grânulos e necrose
· Lâmina com Gram
· Inoculação em meios específicos para incubação em atmosfera livre de O2 e temperatura de 35º 
· Consumir o O2 da atmosfera: reação com H2 
· Câmaras e jarras de anaerobiose
Bacilos Gram-positivos esporulados
Clostridium
Esporos → permanência e disseminação no ambiente
Microbiota do TGI em humanos e animais
· Clostridium tetani → tétano
· Clostridium botulinum, C. baratii, C. butyricum → botulismo
· C. perfringens, C. novyi, C. septicum, C. hystolyticum → mionecrose ou gangrena caseosa
· C. difficile → diarreias e colites
Clostridium botulinum
Botulismo → neurotoxinas (A a G) produzidas pelo C. botulinum → penetra a partir do TGI ou mucosas (olhos e trato respiratório)
Toxinas potentes, que podem ser neutralizadas por anticorpos específicos. 
São termolábeis → aquecer o alimento não provoca botulismo
Distribuídos no meio ambiente → esporos conseguem penetrar em alimentos enlatados com pouco O2 e nutrientes suficientes para o crescimento
Paralisia flácida descendente → morte por paralisia da musculatura respiratória
Diagnóstico:
· Detecção das neurotoxinas no soro ou fezes → imunoensaio
· Cultura: pode ser realizada, mas é trabalhoso, não disponível e de baixa sensibilidade
Tratamento:
· Antitoxinas botulínicas → neutralizam as toxinas na corrente sanguínea 
Clostridium tetani
Ubiquitário: solo ou TGI → esporos
Toxinas:
· Hemolisina sensível ao oxigênio (tetanolisina)
· Toxina termolábil codificada por plasmídeo (tetanoplasmina) → manifestações clinicas do tétano 
Baixa incidência, alta letalidade
Vacinação: toxoide tetânico 
Formas:
· Tétano generalizado
· Tétano localizado: restrito à musculatura do local da infecção
· Tétano cefálico 
Diagnóstico:
· Cultura → falho, baixa sensibilidade por causa da alta vulnerabilidade do C. tetani ao O2
· Toxina tetânica e anticorpos não detectáveis
Tratamento:
· Desbridamento da ferida primária
· Metronidazol
· Imunização passiva com imunoglobulina tetânica humana
· Vacinação com toxoide tetânico
Clostridium perfringens
Um dos poucos clostridios imóveis
Grande diversidade de toxinas
Divididos de A a E.
A: Pode colonizar o TGI humano, pode estar distribuído na natureza (solo e agua)
Gama de doenças:
· Infecções de pele e partes moles: celulite, miosite supurativa e gangrena gasosa
· Enterites necrosantes
· Sepse
Diagnóstico:
· Bacterioscopia e cultura
Tratamento:
· Desbridamento cirúrgico da lesão
· Oxigenoterapia hiperbárica
· Antibioticoterapia especifica
· Antissoro contra toxinas
Clostridium difficile
Solo e TGI
Oportunistas → gastroenterocolites: autolimitados de diarreia até megacólon toxico e colite fulminante
Fator de risco: uso de antibióticos → alteração da microbiota e invasão
Toxinas A e B
· Locus: PaLoc
· Gene tcdA → toxina A
· Gene tcdB → toxina B
Diagnóstico:
· Padrão-ouro – Neutralização citotóxica em cultura celular: filtragem de fezes → cultura celular → incubação 24h-48h → efeito citopático → teste de neutralização (assegurar que a citotoxicidade seja atribuída às toxinas). Pouco usado, trabalhoso, demorado e muitos falsos negativos por erros.
· Cultura toxigênica: isolamento do agente em cultura em meio especifico → teste para toxinas (neutralização ou imunoenzimático). Pouco usado, trabalhoso e demorado.
· Glutamato desidrogenase (GDH): enzima produzida por todos C. difficile produtores ou não de toxina. Detecção nas fezes por métodos imunoenzimaticos. Frente ao positivo, realizar outro confirmatório. Alta sensibilidade (90-96%)
· Detecção das toxinas A e B por ensaio imunoenzimático (EIA): anticorpos. Muito utilizado por ser rápido e pouco trabalhoso, porém com baixa sensibilidade
· Testes moleculares: elevada sensibilidade (90-100%), rápidos e pouco trabalhosos
Tratamento:
· Antibioticoterapia especifica: metronidazol ou vancomicina
Bacilos Gram-positivos não esporulados
Propionibacterium spp.
Habitam: pele, conjuntivas, orofaringe, trato genital feminino
Propionibacterium acnes → infecções de pele (foliculites) e uso de equipamentos proteticos
Propionibacterium propionicus
Actinomyces spp.
Anaeróbios facultativos ou estritos
Crescem lentamente e formam hifas
Podem causa infecções crônicas
Colonizam: TGI, TRS e genital feminino
Causam: actinomicoses torácica, abdominal, pélvica e SNC (lesões granulomatosas crônicas que se tornam supurativas e formam abcessos) → grânulos de enxofre
Diagnóstico:
· Difícil porque são fastidiosas, crescem lentamente e em anaerobiose → cuidados específicos 
Tratamento:
· Desbridamento cirúrgico
· Antibioticoterapia prolongada com penicilina, eritromicina e clindamicina. Maioria resistente ao metronidazol
Bactérias gram-negativas anaeróbias
Três gêneros principais:
· Bacteroides
· Prevotella 
· Fusobacterium
Bacteroides
Microbiota natural
Bacteroides grupo fragilis e Bacteroides thetaiotaomicron → mais fatores de virulência → infecções spleuropulmonares, intra-abdominais e genitais
Betalactamases → resistência aos beta-lactamicos
Metronidazol, carbapenemicos e betalactamicos associados a inibidores de beta-lactamases
Prevotella
Microbiota do TGI e TRS
Infecções de TRS: dentarias, periodontais, seios nasais e paranasais, infecções e abcesso pulmonares
Abcessos cerebrais e infecções causadas por mordida humana ou animal
Fusobacterium
F. nucleatum 
· Microbiota da boca, TRS, TGI e trato genital feminino
· Virulência limitada
F. necrophorum
· Virulento
· Faringotonsilites em associação com mononucleose
Teste de sensibilidade aos antimicrobianos
 
· 
1
2