A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
CORONAVIRUS

Pré-visualização | Página 1 de 2

ENFERMIDADES CAUSADAS POR CORONAVIRUS
DOENÇAS INFECCIOSAS
· Anatomia Viral:
Vírus envelopado, tamanho médio, proteínas espículas dão aparência de coroa. Os coronavírus das diferentes espécies animais aparecem com mesma morfologia/estrutura na microscopia eletrônica.
· Taxonomia:
Reino Riboviria, Família Coronaviridae e Subfamília Orthocoronavirinae. Há 4 gêneros que organizam as centenas de espécies conhecidas de coronavirus – alfa, beta, gama e delta. 
O sars-cov2 humano é um betacoronavirus; no alfacoronavirus se tem os de cães e de gatos (PIF); coronavirus aviário é gamacoronavirus; no deltacoronavirus se tem os coronavirus de animais silvestres e coronavirus emergentes em suínos.
· Genoma do coronavírus:
É a maior molécula nautural de RNA conhecida, podendo ter de 27.000 até 32.000 nucleotídeos de comprimento. Genoma imenso para um vírus RNA. 23 ou mais proteínas. Consequência do genoma grande – pode sofrer muita recombinação (reprodução sexuada). Grande parte da história evolutiva do coronavirus vem da capacidade de trocar genes com outros coronavírus e eventualmente com outras espécies virais. 2/3 do genoma são proteínas que utiliza para se replicar, são proteínas não estruturais, usa para se replicar mas deixa na célula quando se forma, não leva junto a ele. 
Resumindo é um genoma imenso e altamente recombinante.
Em geral sabe-se que vírus RNA tem taxa de erro de replicação bastante grande, o vírus HIV por exemplo, a cada 1000 nucleotídeos que coloca, 1 está errado/mutado. Para coronavirus a taxa é menor, 1 erro para cada 10.000 ou 100.000 nucleotídeos. O coronavirus tem uma enzima que durante a replicação do genoma que corrige os erros, diminuindo a taxa de mutação.
É um RNA simples fita no sentido positivo (ou seja, RNA viral que já entra traduzindo proteína, é um RNA mensageiro, não precisa de intermediário).
Eventos essenciais da replicação de um coronavírus qualquer: EX: SARS COV-1/SARS COV-2 (covid 19):
A proteína de espícula (proteína S, dá a característica coroada) se liga ao receptor de preferência (por isso é difícil trocar de espécie de hospedeiro). Cada molécula de proteína vai ser diferente para cada tipo de célula para cada hospedeiro e cada coronavírus prefere um tipo, então o salto entre espécies é um evento bastante restrito.
No caso do sars-cov2 e sars-cov1, o receptor para ele é uma proteína utilizada no sistema de regulação da pressão arterial (os receptores das demais espécies animais possuem receptores diferentes). Nome desse receptor: enzima conversora de angiotensina (se expressa na superfície da célula). A proteína de espícula encontrando o receptor perfeito, ao se ligar, faz com que ela ative mecanicamente molas que ela possui, trazendo o vírus para frente para ficar mais em contato com o envelope e membrana celular, fazendo com que ele entre por endocitose, ficando preso por um tempo no endossomo, fazendo com que o pH dentro caia (acidifica), desestruturando todo o envelope viral e ocorre liberação do RNA genômico. Ele começa a fazer as proteínas que precisa (tradução). As replicases e proteínas não estruturais são as que ele utilizará para replicar o genoma. As proteínas estruturais (formarão o vírion) são encaminhadas para o complexo de Golgi, e dalí encaminhará o envelope para ele, tendo assim vírions prontos dentro da célula. Vírions são liberados por exocitose (não rompe a celula/ não causa lise). Ao sair da célula pode encontrar o sistema imune e ser neutralizado 
A proteína viral é a que faz a fusão do envelope viral com a membrana do endossomo, mas faz outra coisa também: faz fusão da membrada de uma célula e de outra (formando sincício). 
Tempo para ligação entre vírus e receptor: 5 minutos. Para o vírus entrar na célula: meia hora. Para ter atividade de síntese de genoma: 3 horas. Em aproximadamente 8 horas todo o ciclo está completo. Produtividade: Se estima que de 1 vírus que entra, saia 800. É um padrão para vírus RNA a produção rápida e em grande quantidade.
Todas as linhagens/espécies de coronavirus atuais se originaram dos morcegos e das aves (coronavirus humano, cães, gatos, bovinos, etc). 
Deve-se ter em mente que diversos coronavírus causam diversas doenças e tem tropismo por orgãos diversos. Mas de modo geral todos os coronavirus tem um tropismo duplo: Respiratório e Entérico.
· Coronavírus Suíno PEDV (porcine epidemic diarrhea vírus)
Causou em 2013 um quase extermínio da suinocultura na região dos EUA. Causa diarreia grave e de rápida evolução em leitões e em suínos jovens. Alta mortalidade. É um alfacoronavírus. Patogenia: Zera a histologia normal das vilosidades, além de tornar susceptível a infecção secundária, também zera a capacidade de absorção de nutrientes, levando à rápida mortalidade.
· Coronavírus Bovino (BCoV)
Os bovinos tem duas causas principais de diarreia por vírus, a primeira em frequência é por Rotavirus, a segunda por Coronavírus.
As vacinas para este vírus são dadas na vaca prenhe, no 7 e no 9 mês de gestação. A ideia é hiperimunizar a vaca, para hiperimunizar o colostro, para o bezerro adquirir o anticorpo via colostro.
O coronavírus bovino é um betacoronavirus, e o mesmo pode causar síndromes diferentes dependendo da idade do hospedeiro:
1. Diarréia neonatal: Bezerros
Presença de leite não digerido e coágulos de leite nas fezes. Causa diarreia por má absorção (extermina células de absorção dos ápices das vilosidades, altera a histologia e o bezerro perde a capacidade de digerir leite).
2. Processos respiratórios: Bezerros e jovens
Ao se adquirir o coronavirus pela via respiratória, haverá replicação no trato respiratório e Pneumonia. A inflamação leva à produção de muco, onde o vírus irá se proteger ali, que será deglutido, secundariamente colonizando o trato entérico, apresentando dias depois da Pneumonia uma diarreia. Ou pode apenas adquirir o vírus por via oral e ocasionar diarreia. O estresse do transporte propicia a infecção do vírus. 
3. Disenteria “de inverno”: Bovinos adultos
O nome mais correto é diarreia epizoótica de bovinos adultos. Não tem haver somente com o inverno. Em poucos dias os animais apresentam disenteria com eliminação de sangue e tecido entérico pelas fezes. Nas vacas de leite causa um desligamento completo da produção de leite. Os surtos se resolvem e desaparecem sozinhos (aprox. 10 dias). Já para recuperar a produção de leite a vaca pode levar várias semana (recuperação da condição corporal).
Ao se colher amostra de fezes da vaca o ano inteiro, percebe-se que excreta o ano todo o coronavirus bovino. A diferença é que quando ela não tem disenteria, o coronavirus é excretado junto com IgA da mucosa, já quando ela tem sintomas não se acha mais IgA, somente o coronavirus livre. Isso tem a ver com imunossupressão: Quando tem fatores de imunossupressão (calor, frio, parição, adensamento populacional, troca de dieta, etc) zera a capacidade de produzir IgA na mucosa, e os coronavirus que estavam em taxa de replicação baixa são livres agora para expandir população, se replicam e causam esse processo importante em bovinocultura.
Não há tratamento antiviral específico para vacas, deve-se manter o suporte hídrico-eletrolítico (hidratação endovenosa).
É uma doença pouco conhecida no Brasil. Quem mantêm o coronavírus no ambiente são os bezerros que os excretam a todo momento. As vacas mantem no intestino e em situação de imunossupressão o vírus explode em população causando doença. 
4. Ruminantes silvestres
· Equinos (Coronavirus bovino)
O coronavirus bovino pode ser transmitido para outras espécies (menos para o homem, não é zoonose), como para equinos – potros criados com proximidade à bezerros/bovinos podem adquirir diarreia, que pode ser grave levando à mortalidade. Não existe vacina para coronavirus em equino. Prevenção: Manejo de colostro e mantê-los distante de bovinos, já que podem ser hospedeiros acidentais.
· Cães (Coronavirus canino)
Os protocolos internacionais dizem que é desnecessário vacinar os cães para este agente. Na opinião do palestrando, isto é errado.
É um alfacoronavirus. Em cães