A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
FRATURAS DO QUADRIL

Pré-visualização | Página 1 de 1

PATOLOGIAS DO QUADRIL
Osteonecrose da cabeça femoral
Interrupção do fluxo sanguíneo na cabeça femoral
● Epidemiologia
25% são de causas não definidas
Acometem mais homens 4:1
Faixa etária de 2º a 5º década
Acometimento bilateral de 50-80%
● Causas
Traumáticas
Atraumáticas
Idiopáticas
● Fatores de risco
Uso crônico de corticoide (ex.: tratamento de artrite
reumatoide)
Dislipidemia
Radioterapia
Alterações rápidas da pressão atmosférica (doença do
mergulhador)
Anemia falciforme ou outras coagulopatias
Tabagismo
Alcoolismo
● Quadro clínico
Dor na região anterior e profunda do quadril, às vezes
na nádega e até região lateral
Pode iniciar apenas com dor em joelho e claudicação
● Exame físico
Não específico inicialmente com limitação da rotação
interna
● Diagnóstico
Por suspeição
Raio X
- Normal nas fases iniciais
- fases avançådas: cistos, esclerose,
osteoartrose
RM: padrão ouro
- Alteração com 48-72h
- Dupla linha (necrose) com edema ao redor
● Tratamento
Conservador: caso não tenha edema e/ou não esteja na
área de carga
- Indicado se ausência de edema na RM
- Restringir o apoio e drogas (bifosfonatos,
anticoagulantes)
Cirúrgico: perfurações para reduzir a pressão
intra-óssea e estimular a neovascularização, pode ou
não ser usado enxerto
Impacto femoroacetabular
Impacto do fêmur proximal com o acetábulo devido a
conformação anatômica do fêmur ou patologias que
deformam a transição cabeça/colo (epifisiolistese
proximal do fêmur/fratura)
30% das pessoas tem IFA assintomática
fisiologicamente
● Tipos
Pincer, came e misto (80% dos casos)
● Clínica
Dor profunda no quadril, geralmente aguda quando
lesão labrum
Dor insidiosa e progressiva anterior no quadril pós
atividades físicas e por algum tempo sentado
Sinal do C
Dor em determinados movimentos do quadril (sair do
carro, amarrar cadarço, subir escada)
Claudicação
● Exame físico
Sinal de Faduri - principalmente limitação da rotação
interna
● Exames de imagem
● Tratamento
Não há necessidade de tratamento em pacientes
assintomático
Em pacientes sintomáticos, tratamento conservador
com analgesia e restrição de atividades com muito
movimento
Cirúrgico se indicação com videoartroscopia
Coxartrose
Doença crônica caracterizada pela degeneração da
cartilagem e neoformação óssea. Representa o estágio
final de qualquer patologia degenerativa da
articulação coxofemoral
● Causas
Primária (idiopática): artrite (processo inflamatório,
onde diversas citocinas destroem a cartilagem até
chegar no osso)
Secundária: há uma doença de base que leva à
destruição da cartilagem também por um processo
inflamatório. Ex.: Perthes, DDQ (principal causa),
infecção (pioartrite), trauma prévio, osteonecrose
● Clínica
Dores na região inguinal progressiva
Inicialmente ao iniciar a marcha ao final do dia
Limitação progressiva dos movimentos e limitação
para atividades diária
● Exame físico
Inespecífico
Dores aos movimentos da coxofemoral com limitação
dos movimentos
Claudicação com deformidade do membro inferior
nas fases mais avançadas
● Exames complementares
Perda do espaço articular, deformidade, esclerose dos ossos e
osteófitos marginais
● Tratamento conservador
Analgesia
Fisioterapia
Mudança de estilo de vida
- Perder peso → reduz sobrecarga no quadril
→ reduz velocidade de evolução da doença
- Exercícios de pouco impacto → melhora e
estimula a produção e circulação de líquido
sinovial no quadril
- Tratar a doença de base no caso de
coxartrose secundária
● Tratamento cirúrgico
Osteotomia
Prótese total do quadril
Dor lateral do quadril (bursite)
É a inflamação da bolsa com líquido entre os tendões
ou entre tendões e osso
Sabe-se que as bursas tem uma função de diminuir o
atrito entre as estruturas. No quadril existem entre 14
e 21 bursas constantes. As principais são:
- Trocantérica
- Subglútea
- Isquioglút4ea
- Iliopectínea
● Epidemiologia
Mais comum nas mulheres (4:1) entre 30 e 60 anos
● Etiologia
Provavelmente causada por microtraumas do atrito
das estruturas ao lado da bursa
● Clínica
Dor crônica, principalmente a noite, na lateral no
quadril (trocantérica) ou profunda na nádega
(isquioglútea e subglútea) ou na virilha (iliopectínea)
● Diagnóstico
Dor na palpação lateral, inguinal e/ou glútea profunda
e nos movimentos contra resistência
Amplitude de movimentos do quadril normal
Exames secundários ajudam no diagnóstico
diferencial
● Tratamento
Iniciar com tratamento conservador (analgesia e
fisioterapia) e infiltrações se necessário
Caso não tenha sucesso, está indicado o tratamento
cirúrgico: artroscopia ressecando a bursa
Tendinopatias
Termo amplo para doença no tendão. Pode ser
degenerativa ou inflamatória (tendinite)
● Epidemiologia
Mais comum em mulheres 4:1, adultos jovens
● Etiologia
Causada por microtraumas de repetição. Geralmente é
o paciente que começou um treino mais intestino na
academia ou que começou há pouco tempo a praticar
exercícios físicos (principalmente corrida, bicicleta ou
caminhada)
● Clínica
Dor (aguda ou crônica) de caráter profunda, que piora
ao realizar movimento que submeta trabalhao a esse
tendão
Po principal tendão é o do glúteo médio (tendinite do
glúteo médio)
● Diagnóstico
USG pode ajudar mas a RM é o melhor,
principalmente para excluir ONACF
● Tratamento
Inicialmente é conservador
- Analgesia
- Restringir atividades física
- Muita fisioterapia
É um tratamento difícil e lento
Cirurgia: tenorrafia aberta ou por artroscopia,
tenotomia, compressão tendinosa

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.