A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Anatomia e histofisiologia do complexo dente-periodonto

Pré-visualização | Página 1 de 1

mastigação e proteção
FUNÇÃO: 
Junção amelodentinária / Superfície
externa da coroa 
Primeira camada de esmalte a ser
depositada (imatura) 
Última camada (+ superficial)
TIPOS DE ESMALTE: 
Aprismático (sem prismas) 
camada fina e homogênea (cristais de
hidroxiapatita paralelos) 
ANATOMIA E HISTOFISIOLOGIA DO
COMPLEXO DENTE-PERIODONTO
BEATRIZ CÂMARA DE OLIVEIRA 
ODONTOLOGIA UFRN
ESMALTE
Tecido mais superficial do dente 
Tecido mais mineralizado do corpo
Friável 
Translúcido 
Necessita de suporte mais maleável 
Relativamente permeável
2 a 4% - água e matéria orgânica
(proteínas enamelinas / carboidratos) 
COMPOSIÇÃO: 
96 a 98% - matéria inorgânica 
Constitui maior parte da coroa do dente
Prismático (com prismas) 
constituído por primas (variação na orientação dos
cristais de hidroxiapatita)
Ambos possuem o mesmo grau de
mineralização 
Esmalte aprismático com maior espessura em
decíduos 
Dentes permanentes praticamente não
apresentam esmalte aprismático na porção
superficial da coroa 
Maior parte do esmalte da coroa 
 (decíduos / permanentes) => esmalte
prismático
Linhas paralelas escuras 
Refletem a mudança de direção dos
ameloblastos durante a formação dos prismas
COMPONENTES: 
Estrias de Retzius 
Regiões de hipomineralização (rachaduras) 
Limite amelodentinário até a superfície
externa do dente
Lamelas
Áreas hipomineralizadas 
Projetam como fitas a partir do limite
amelodentinário até 2/3 da camada de esmalte
Tufos
Deposição de matriz inorgânica que atinge o limite
amelodentinário
Fusos
ESMALTE
JUNÇÃO AMELO-DENTINÁRIA
DENTINA
FUSO DO ESMALTE
TUFO DO ESMALTE
1.
2.
3.
4.
5.
Túbulos dentinários
canais que se estendem perpendicularmente
à superfície dental (limite com a polpa até o
esmalte) 
conteúdo: prolongamento odontoblástico,
líquor e matéria orgânica 
diâmetro: maior próximo à polpa / variável
com a idade
DENTINA
Relação com a polpa e com o esmalte 
Formada pelos produtos de secreção dos
odontoblastos 
Menos mineralizada que o esmalte
10% de água
COMPOSIÇÃO: 
70% de matéria inorgânica 
20% de matéria orgânica 
Estrutura que confere cor ao dente 
Capacidade reparadora 
Inervada através de canalículos dentinários
Síntese de dentina a partir dos odontoblastos 
sintetizam inicialmente a matriz protéica, que
forma uma camada entre os odontoblastos e a
dentina mineralizada
pré-dentina => dentina
Dentina que constitui a parede do túbulo 
Elevado conteúdo mineral (90%)
Dentina peritubular
Dentina localizada entre os túbulos 
Irregularmente mineralizada
Dentina intertubular
Formada durante o desenvolvimento do
dente, até o término de formação da raiz
TIPOS DE DENTINA: 
Primária
Secundária
Depositada após formação da raiz; continua
sendo formada durante vida útil da polpa
*menos mineralizada e velocidade lenta de
formação
Terciária
Nova dentina que se forma no teto da câmara
pulpar na região correspondente aos
odontoblastos agredidos por estímulos externo
Deposição de mineral dentro dos túbulos
dentinários sem alterar o espaço da polpa 
Relação com idade (mais comum em idosos) e
estímulos externos
Esclerose dentinária (processo fisiológico
de protenção)
Formação: crescimento da dentina peritubular
e/ou precipitação de minerais dentro dos túbulos 
Efeitos: ↓permeabilidade dentinária e
quantidade de água => barreira física à entrada de
microrganismos
POLPA
Formado por tecido conjuntivo frouxo 
Ricamente inervada e vascularizada
✓ Formação e deposição de dentina da longo da vida 
✓ Nutrição ✓ Inervação ✓ Defesa
Células mesenquimais indiferenciadas
CÉLULAS: 
Odontoblastos (deposição da dentina; podem
ser perdidos)
Fibroblastos; Células endoteliais; Células
perivasculares; Células de Schawnn;
"A compreensão da complexidade da estrutura
dentária está diretamente relacionada ao
entendimento das inter-relações que o dente
estabelece e das alterações às quais este pode
submetido."